Topo

Viagem


Japão ganha exposição de museu dedicada ao cocô; conheça

REUTERS/Kim Kyung-hoon
O Unko Museum ("unko", em japonês, significa cocô) foi aberto na cidade japonesa de Yokohama Imagem: REUTERS/Kim Kyung-hoon

Marcel Vincenti

Colaboração para UOL

2019-04-30T14:00:32

30/04/2019 14h00

Há quem vá a museus para admirar quadros de gênios como Van Gogh e Picasso. Outras pessoas buscam ficar frente à frente com esculturas de gente como Michelangelo e Rodin.

Mas que tal frequentar uma exposição onde o grande atrativo é uma das mais prosaicas obras humanas: o cocô?

REUTERS/Kim Kyung-hoon
No Unko Museum, o visitante pode tirar fotos sentado em privadas coloridas Imagem: REUTERS/Kim Kyung-hoon

Turistas podem passar por esta experiência na cidade japonesa de Yokohama, a aproximadamente 45 quilômetros de Tóquio, onde está aberto o Unko Museum (a palavra "unko", no território nipônico, é sinônimo de fezes).

Trata-se de um espaço que abriga exibições coloridas e, por que não, divertidas sobre uma das coisas que mais causam aversão às pessoas.

REUTERS/Kim Kyung-hoon
No museu, letreiros mostram como a palavra cocô é dita em vários idiomas do mundo Imagem: REUTERS/Kim Kyung-hoon

Aqui, o objetivo parece ser muito mais divertir o público do que dar explicações científicas sobre dejetos humanos. "Acreditamos que abordar o cocô como entretenimento é algo pioneiro no mundo", disse à rede norte-americana CNN um dos porta-vozes do museu. "É uma exposição colorida, bonitinha e com design pop".

No local, os visitantes podem tirar fotos sentados em privadas coloridas e até gritar "unko" em um microfone, como crianças travessas.

REUTERS/Kim Kyung-hoon
O Unko Museum tem um ambiente propício para fotos chamativas no Instagram Imagem: REUTERS/Kim Kyung-hoon

Há também um espaço que abriga uma espécie de mesa de festa de casamento, com cupcakes em forma (adivinhem) de cocô.

E a decoração do lugar é um tanto psicodélica, marcada por esculturas de cocôs de cor azul e rosa (que poderiam muito bem ser inspiração para emojis), além de letreiros luminosos mostrando como se fala "cocô" em diversos idiomas. É um ambiente que promete agradar quem gosta de tirar fotos chamativas para o Instagram.

REUTERS/Kim Kyung-hoon
Público interage com exposição do Unko Museum, no Japão Imagem: REUTERS/Kim Kyung-hoon

O Unko Museum é uma atração temporária: o local ficará aberto apenas até julho deste ano. E já parece ser sucesso de público: cerca de 10 mil pessoas visitaram sua exposição em sua primeira semana de funcionamento, no último mês de março.

Mais informações aqui.

Mais museus peculiares

E há outros museus bem peculiares ao redor do mundo.

Em Reykjavik, a capital da Islândia, o Icelandic Phallological Museum é um estabelecimento que exibe mais de 200 exemplares de pênis, em um acervo composto por falos de animais como baleias, cavalos e focas, que estão empalhados, ressecados ou conservados em formol.

Divulgação/ Icelandic Phallological Museum
Interior do Icelandic Phallological Museum, na Islândia Imagem: Divulgação/ Icelandic Phallological Museum

Um dos objetivos do museu é explicar como funcionam os órgãos reprodutores dos bichos e do homem. E uma curiosidade: o maior pênis do museu pertenceu a uma baleia-azul e tem aproximadamente 1,70 metro de comprimento. O menor exemplar, por sua vez, é o de um hamster, com só 2 milímetros.

Já em Amsterdã, na Holanda, funciona o museu Red Light Secrets, dedicado ao universo das garotas de programa da capital holandesa que trabalham no famoso Distrito da Luz Vermelha.

Tom D/www.flickr.com/photos/124161689@N08/15349401452
O museu Red Light Secrets aborda a vida das garotas de programa de Amsterdã Imagem: Tom D/www.flickr.com/photos/124161689@N08/15349401452

No local, o público visita espaços que reproduzem os quartos onde as mulheres se encontram com seus clientes e exibe relatos sobre as experiências sexuais que estas profissionais tiveram em suas vidas.

E Nova York oferece aos turistas o Museum of Sex, com curiosas exposições sobre o mundo do sexo. Lá, há desde quadros de arte erótica até criativos espaços interativos, como um pula-pula onde o público pode saltar entre seios gigantes.

Divulgação/Museum of Sex
No Museum of Sex de Nova York, público se diverte em pula-pula com seios gigantescos Imagem: Divulgação/Museum of Sex

Mais Viagem