UOL Viagem

14/12/2007 - 16h54

Dólar fecha em alta de 0,79%; na semana, sobe 2,16%

Pressionado pelo ambiente externo negativo e em um cenário de expectativas pelas medidas compensatórias à falta da CPMF, o dólar passou todo o dia em alta em relação à moeda brasileira, chegando a tocar novamente a cotação de R$ 1,80. O dólar comercial terminou o dia com ganho de 0,79%, a R$ 1,797. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar negociado à vista subiu 0,88%, para R$ 1,7967.

Na semana, a moeda americana acumulou ganho de 2,20% ante na BM&F e subiu 2,16% no mercado interbancário (dólar comercial). Em dezembro, as altas apuradas pelo dólar estão em, respectivamente, 0,21% e 0,22%. Mas, no acumulado de 2007, o dólar caiu 15,8% nos dois ambientes de negócios.

A moeda americana voltou a ser pressionada nesta sexta-feira pela manutenção do ambiente externo negativo, após a disparada da inflação no varejo dos Estados Unidos, que reforçou o temor de estagflação. Ontem, a inflação no atacado de novembro também apontou elevação dos preços americanos acima da esperada. Ainda assim, por causa dos problemas no setor imobiliário e de crédito que enfraquecem a maior economia do mundo, alguns analistas de instituições em Wall Street seguem apostando que o avanço da inflação no país não vai impedir que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) volte a cortar o juro básico.

Nos EUA, o índice de preços ao consumidor (CPI) disparou 0,8% em novembro, depois de registrar elevação de 0,3% em outubro. Foi a maior alta desde setembro de 2005. Durante a manhã, o ex-presidente do Fed Alan Greenspan disse que as chances de os EUA caírem em recessão estão "claramente aumentando".

Internamente, a expectativa pelas medidas de compensação à falta da CPMF que o governo anunciará na próxima semana também justificou compra de dólar. O presidente Lula, durante a cerimônia no início da tarde de formatura de 158 aspirantes da Academia da Força Aérea (AFA), afirmou que o governo manterá o superávit primário e uma política fiscal séria. O presidente, no entanto, não deu pistas das medidas que tomará para conseguir os recursos. (Silvana Rocha)

Compartilhe: