menu
Topo

Viagem


Palácios, gastronomia e muita música conquistam os turistas em Salzburgo

CHARLY WILDER

New York Times Syndicate

30/12/2011 07h00

Com sua cidadela medieval, palácios barrocos e vistas alpinas prontas para canto tirolês, Salzburgo nunca teve dificuldade em atrair visitantes. A cidade austríaca é repleta de turistas, a maioria em busca de música - seja Mozart ou a família Von Trapp. Mas algumas de suas melhores opções são as menos históricas: galerias contemporâneas, cafés de comércio justo e o complexo futurista Hangar 7. No inverno, a cidade adquire seu modo mais hospitaleiro, quando as praças se transformam em movimentadas feiras de Natal e as tavernas à luz de velas lotam de esquiadores se reabastecendo com pratos caseiros teutônicos. Salzburgo pode não estar mais congelada no passado, mas seu apelo é atemporal.

 

Sexta-feira

16h - Barroco e contemporâneo
Dificilmente há uma introdução mais potente para Salzburgo do que o palácio barroco Mirabel e seus jardins, cenário de muitas das primeiras apresentações de Mozart, várias cenas de “A Noviça Rebelde” e uma das muitas feiras de Natal. Construído originalmente em 1606, Mirabel é uma imagem dos feitos da Renascença, com sua fonte Papageno, pinturas de Reubens e Bernini e balaústres com estátuas do século 17 de deuses romanos. Para arte mais atual, a Galerie Thaddaeus Ropac (Mirabellplatz 2; 43-662-881-393; www.ropac.net), sede daquele que talvez seja o dono de galeria mais importante da Áustria, fica em Villa Kast, com vista para os jardins. Astros europeus e americanos da arte contemporânea como Jules de Balincourt e Robert Longo fazem parte de seu rol de artistas.

18h - Refeição rústica
Evite as armadilhas de turistas na Altstadt (Cidade Velha) e siga para Steingasse, uma viela de paralelepípedos saída das margens do Rio Salzach. A taverna Andreas Hofer Weinstube (Steingasse 65; 43-662-872-769; dieweinstube.at) serve pratos regionais sem frescura, como Knodelgeheimnis (bolinhos de pão com chucrute e ovo frito, 8.90 euros, cerca US$12, com o euro cotado a US$1,32). Na hora do jantar, a clientela cheia de estudantes locais lota o salão sob o teto em arco, iluminado a vela.

20h - Os clássicos
A música clássica domina o cenário musical. A Fundação Mozarteum Internacional (Schwarzstrasse 26; 43-662-889-400; mozarteum.at) conta com uma orquestra de ponta e um programa de óperas que parecem estar presentes em quase tudo na cidade dedicado ao filho mais amado de Salzburgo. Coincidindo com o aniversário do compositor, a Semana Mozart (27 de janeiro a 5 de fevereiro) da fundação atrai muitas das melhores orquestras, óperas e maestros do mundo.

21h - Coquetéis na cobertura
Curta a cidade à noite no Steinterrace (Giselakai 3-5; 43-662-874-34-60; hotelstein.at), no terraço de cobertura do Hotel Stein, na margem direita do Salzach. Turistas e empreendedores jovens ostentosos conversam ao som pulsante de euro-house sob lâmpadas aquecedoras, enquanto bebem drinques como Cookie in a Cup, uma mistura de Glenmorangie Nectar d’Or, Mozart Black, xarope de cookie, café espresso, alecrim fresco e baunilha (13 euros).

  • Josef Polleross/The New York Times

    Apesar de 'A Noviça Rebelde' ser um grande atrativo para muitos, o musical de Rodgers e Hammerstein sobre uma família Von Trapp nunca foi encenado em Salzburgo - até outubro, quando finalmente estreou no Salzburg Landestheater


Sábado

10h - Café austríaco
Busque sua dose de cafeína na Altstadt, repleta de cafés no alto estilo austríaco. Em funcionamento desde 1705, o Café Tomaselli (Alter Markt 9; 43-662-844-48-80; tomaselli.at) é da escola “se não está quebrado...”: garçons com gravata borboleta ziguezagueiam pelo salão em dois níveis, ao estilo Biedermeier, com bandejas carregando cafés com conhaque e creme, servidos em xícaras de porcelana (4 a 7 euros). Uma melhor pechincha fica descendo a rua, no 220 Grad (Chiemseegasse 5; 43-662-827-881; www.220grad.com), um café ultramoderno de comércio justo, aberto em 2008. Blends customizados a partir de variedades da América do Sul e Central são torrados e moídos no local para proporcionar xícaras perfeitas de café (um cappuccino ou cortado sai por 3,30 euros).

12h - Arte emergente
Diferente de sua reputação longe de cosmopolita (o escritor Thomas Barnhard já chamou a cidade de “depósito de lixo provinciano cretino”), Salzburgo há muito apoia seus artistas. Quando abriu em 1844, o Salzburger Kunstverein (Hellbrunner Strasse 3; 43-662-842-29-40; salzburger-kunstverein.at) foi uma das primeiras associações austríacas a se concentrar na venda e exposição de arte contemporânea. Hoje, ele inclui espaço de exposição e 21 ateliês de artistas. Do outro lado do rio, Periscope (Sterneckstrasse 10; 43-676-704-25-66; www.periscope.at) é uma galeria e espaço para projetos dirigido por artistas, que abriu em 2006 na Neustadt (Cidade Nova).

15h - Altitude medieval
Pegue o bondinho do século 19 para subir os 98 metros do monte Festungsberg até a Fortaleza Hohensalzburg (Monchsberg 34; 43-662-842-430-11; festung-salzburg.at), um dos castelos medievais mais bem preservados da Europa. Apesar de muitos móveis terem sido roubados por Napoleão, os próprios cômodos permanecem em estado notável. Os aposentos reais ornamentados do Museu do Palácio são um destaque, assim como a vista da cidade e dos Alpes no pátio.

17h - Montanha moderna
Do forte, caminhe até o Museum der Moderne (Mönchsberg 32; 43-662-842-220-401; museumdermoderne.at), uma estrutura retangular de vidro e mármore branco que se projeta de uma torre de água do século 19 no topo do monte Mönchsberg. Escadarias envidraçadas abrem para quatro pisos de salas que abrigam obras de arte do século 20 e 21 (entrada, 8 euros). Assista ao por do sol pela abertura no teto da instalação “Espaço no Céu” (2005) do artista americano James Turrel, antes de se sentar sob o lustre feito com 390 chifres no salão de jantar, projetado por Matteo Thun, do restaurante M32, onde você se banqueteará com a culinária austríaca com toques mediterrâneos de Sepp Schellhorn.

20h - Das Sound of Music
Apesar de “The Sound of Music” (A Noviça Rebelde) ser um grande atrativo para muitos, o musical de Rodgers e Hammerstein sobre uma família de cantores às vésperas da Segunda Guerra Mundial nunca foi encenado em Salzburgo - até outubro, quando finalmente estreou no Salzburg Landestheater (Schwarzstrasse 22; 43-662-871-512-222; salzburger-landestheater.at). Após meio século de resistência, a cidade parece finalmente ter pego a febre Von Trapp e conseguir um ingresso não é fácil. Mas não se deve perder a experiência de ver centenas de austríacos batendo palmas, muitos em trajes alpinos, cantando junto uma versão em alemão de “My Favorite Things”.

23h - Cervejas belgas
À noite, a população estudantil de Salzburgo segue para os bares que contornam a base do monte Kapuzinerberg, em Neustadt. O Alchimiste Belge (Bergstrasse 10; 43-660-681-57-25; alchimiste-belge.at), um bar de cerveja belga aberto há dois anos, popular entre os músicos fumantes do conservatório Mozarteum, serve mais de 50 variedades, como Kriek e Westmalle Tripel (3 a 4,50 euros).


  • Josef Polleross/The New York Times

    O Hangar 7, de propriedade do magnata da Red Bull, Dietrich Mateschitz, foi construído para exibir seu avião antigo (o 'Flying Bulls'). Passarelas de vidro circundam os aviões, motos e carros com o logo Red Bull, em Salzburgo, na Áustria

Domingo

9h - Café da manhã imperial
O Café Bazar (Schwarzstrasse 3; 43-662-874-278; hotel-brandstaetter.com), na margem direita do Salzach, é um café centenário ao estilo vienense com candelabros de cristal, painéis de madeira e mesas com tampo de mármore. A vista do rio e da Cidade Velha é tão gratificante quanto os pratos: ovos pochês perfeitos, fatias finas como papel de presunto com mel, pães e doces frescos e café fenomenal. Não surpreende que o livro de visitas, mantido desde 1927, inclua Thomas Mann, Marlene Dietrich e Arthur Miller (café da manhã por volta de 10 euros).

11h - Febre tirolesa
Salzburgo tem uma febre de festividades no final do ano. O Palácio Hellbrunn, a Praça Mirabell e Sterngarten contam com feiras natalinas, mas é a Altstadt que realmente se transforma. Crianças com luvas patinam no gelo ao redor da estátua de Mozart, vendedores em bancas de madeira vendem coisas como castanhas torradas, vinho, artesanato e figuras cartunescas de presépio. Mas o coração espiritual do período das Festas é a Praça da Catedral, margeada pela Catedral de Salzburgo, pelo Palácio Residenz e pela Abadia de São Pedro, onde corais de igreja, grupos de metais e intérpretes pastorais se apresentam para multidões com bochechas vermelhas nos degraus da catedral.

14h – Energizado
Siga para o Hangar 7 (Aeroporto de Salzburgo, Wilhelm-Spazier-Strasse 7A, 43-662-21-97; hangar-7.com) com domo de vidro, de propriedade do magnata da Red Bull, Dietrich Mateschitz, e construído para exibir seu avião antigo (o “Flying Bulls”). Passarelas de vidro circundam os aviões, motos e carros com o logo Red Bull, enquanto um bar com piso de vidro, suspenso no teto, paira acima de uma exposição de arte contemporânea e espaço para apresentações musicais ao vivo. Há também um restaurante de luxo comandado pelo badalado chef Roland Trettl e um bistrô de “comida inteligente”, onde o cardápio é dividido em três categorias: cérebro, beleza e humor. Um pouco exagerado? Sim, mas Mozart também era.
 


O básico


Uma taverna desde o século 14, o Hotel Stein (Giselakai 3-5; 43-662-874-34-60; hotelstein.at) com 56 quartos, à margem do rio, reabriu em 2003 como um hotel-butique moderno, repleto de móveis retrô-chiques e estampas de listras de zebra. Quartos duplos a partir de 179 euros, cerca de US$ 235, incluindo o café da manhã (290 euros durante o período das Festas).

O historicamente elegante Hotel Bristol (Makartplatz 4; 43-662-873-557; Bristol-salzburg.at), do outro lado do rio em relação à Altstadt, oferece 60 quartos que variam em estilo, de Biedermeier a fin de siècle. Quartos duplos a partir de 225 euros, incluindo café da manhã.

Mais Viagem