menu
Topo

Viagem

Roteiros culturais

Checkpoint Charlie, local histórico com ares de Disneylândia

Eduardo Vessoni/UOL
O tradicional Checkpoint Charlie, uma das mais famosas fronteiras estrangeiras para o setor Ocidental da época da Berlim dividida. Imagem: Eduardo Vessoni/UOL

da Deutsche Welle

14/08/2018 08h59

Famoso posto de controle de fronteira no coração de Berlim transformou-se num ímã para turistas, com souvenirs ganhando mais destaque que aspectos históricos. Prefeitura busca novo conceito para o símbolo da Guerra Fria. Para muitos que visitam Berlim, o Checkpoint Charlie faz parte do roteiro obrigatório.

O posto militar fronteiriço da rua Friedrichstrasse é símbolo da divisão da Alemanha. Mas hoje é difícil compreender seu significado ao visitar o local, que se tornou um verdadeiro ímã para turistas, sendo comparado a uma espécie de Disneylândia.

Veja também

Diante de uma réplica do posto de controle, há atores vestidos de soldados americanos, os quais cobram três euros por uma foto. Uma placa, que também é uma réplica, alerta: "Você está deixando o setor americano".

A alguns passos de distância, uma lanchonete oferece batata frita e currywurst. Um vendedor ambulante exibe máscaras de gás e bonés militares, e uma praia improvisada no asfalto convida à descontração.

Como um contraponto à banalização, Berlim instalou nas imediações do Checkpoint Charlie a exposição provisória Black Box, que informa sobre a Guerra Fria. Afinal, em 27 de outubro de 1961, poucas semanas depois do início da construção do Muro de Berlim, o posto de controle foi palco de um dos momentos mais tensos do conflito.

Durante 16 horas, tanques de guerra americanos e soviéticos posicionaram-se frente a frente prontos para atirar, fazendo com que o mundo inteiro se voltasse para Berlim.

Mas e o muro, onde fica?

Hoje, turistas do mundo ficam fascinados em frente às famosas placas da zona fronteiriça. Mas quem espera ver o Muro de Berlim por ali, fica decepcionado.

"O muro passava por aqui? Uau, nunca imaginei", diz a americana Amira, de 26 anos. Pietro Lensi, um turista italiano, achava que fosse ver restos da construção e um memorial. "Deveria ser feito algo diferente aqui", diz.

"É um lugar impressionante, mas bastante turístico", comenta a inglesa Lucy Gilcrest.

Durante os anos da divisão, a República Democrática da Alemanha (RDA), ou Alemanha Oriental, transformou o ponto de controle em uma verdadeira fortaleza. O local foi batizado de "Charlie" em alusão à terceira letra do alfabeto – por se tratar do terceiro posto fronteiriço entre Berlim Oriental e a zona americana da Alemanha Ocidental.

Por ali podiam passar apenas estrangeiros, diplomatas e militares das potências aliadas.

Atualmente, porém, somente uma faixa de paralelepípedos no chão marca a antiga posição do muro, passando despercebida por muitos.

Um novo conceito urgente

Agora o governo de Berlim e a Fundação Muro de Berlim querem mudar a cara do Checkpoint Charlie. "Há 28 anos falta um conceito claro para o lugar", reclama o diretor da fundação, Axel Klausmeier.

A concepção provisória do local e seu uso predominante turístico dividem opiniões, aponta Já Katrin Lempscher (A Esquerda), senadora responsável pelo desenvolvimento urbano da cidade.

Há pouco a prefeitura chegou a um acordo com um novo investidor e atual proprietário do terreno ao redor do Checkpoint Charlie sobre o futuro do local: será mantida uma "praça urbana com áreas livres" e criado um museu como um "espaço de instrução e memória" em um dos novos prédios.

Segundo o diretor da Fundação Muro de Berlim, assim seria possível transmitir a dimensão histórica do local de maneira satisfatória. A entidade está desenvolvendo um conceito para o museu, cuja construção e data de abertura ainda estão em aberto.

Tornar a história visível

De fato, é difícil identificar ainda hoje os vestígios da divisão em Berlim. Na euforia pós-queda do Muro, grandes partes da monstruosa barreira de concreto, incluindo torres de vigilância e outros obstáculos, foram demolidas, trituradas ou vendidas.

Terrenos – alguns deles bem situados, no centro da cidade – foram parar nas mãos de investidores privados. A reflexão sobre o passado só veio mais tarde.

Além do Memorial do Muro na rua Bernauer Strasse, estão entre os locais oficiais de memória da divisão a chamada East Side Gallery e a seção do muro em frente ao museu Martin-Gropius-Bau – e o Checkpoint Charlie, é claro. O Museu da História da Guerra Fria é o último projeto ainda em aberto em torno do Muro de Berlim.

Klausmeier vislumbra o famoso posto de fronteira da rua Friedrichstrasse como um "local de conexões", com referências a outros lugares da história da divisão. Afinal, Berlim é "o maior museu histórico a céu aberto do mundo", diz.

Mais Roteiros culturais