Viagem

Experiência de fazer compras em Hong Kong está mudando

Getty Images
Fazer compras em Hong Kong está mais barato Imagem: Getty Images

Frederik Balfour e Daniela Wei

da Bloomberg

26/10/2017 15h36

Para avaliar o quanto a experiência de fazer compras em Hong Kong está mudando, dê uma volta pelo shopping Pacific Place. A Burberry Group reduziu sua loja e o espaço agora também abriga um estúdio de ioga e um bar de sucos. Uma loja Coach foi substituída por uma companhia de chá. Parte do espaço da Louis Vuitton deu lugar a um bar e restaurante no estilo do sul da Califórnia.

Veja também

Foram-se os dias em que os chineses faziam fila para entrar em lojas Prada, Gucci e Tiffany e depois saíam carregados de bolsas e relógios de luxo. Os mais ricos agora viajam para mais longe, e mesmo aqueles que visitam Hong Kong estão reduzindo os gastos. A despesa média por visitante que passa a noite, dos quais três quartos vêm da China, caiu 8,8% na cidade insular no ano passado. Os bens de luxo foram os mais atingidos: as vendas em agosto foram menos de um terço do pico registrado em abril de 2013, antes de a China reprimir esse notável consumo.

Os hábitos de compra dos clientes chineses também evoluíram, à medida que eles ficaram mais à vontade para comprar marcas de luxo sem sair do país, ou pela internet, e passaram a se preocupar mais com os preços ao fazer compras no exterior. Isso está provocando um impacto no mercado global de bens de luxo, de US$ 390 bilhões, e em nenhum outro lugar esse impacto é mais sentido do que nos shoppings de Hong Kong.

Desde a desaceleração, a proprietária do Pacific Place, Swire Properties, atualizou seu conjunto de inquilinos para atender às mudanças nos hábitos de gastos e atrair novos visitantes. A empresa assinou contrato com 30 inquilinos novos e dobrou o número de pontos de alimentos e bebidas nos últimos 18 meses. Outras proprietárias, como a Wharf Holdings e a Hysan Development, também estão incluindo mais estabelecimentos de estilo de vida e de alimentos.

Ainda assim, embora as chegadas de visitantes e as vendas no varejo estejam começando a se recuperar, o benefício para as proprietárias de Hong Kong é limitado, disse Patrick Wong, analista de propriedade da Bloomberg Intelligence, em Hong Kong. "As receitas podem estar estáveis e resistentes, mas se as coisas melhorarem, talvez elas não consigam capturar o crescimento lá", disse ele.

Diamantes brilhantes

Para as proprietárias de shopping centers, ampliar a variedade de seu conjunto de inquilinos ajuda a contornar o impacto negativo da queda das vendas no varejo, embora pareça improvável voltar àquele período estimulante.

Não importa quantos copos de cerveja gelada Starbucks venda nem quantos tênis a Nike anuncie, eles não serão suficientes para compensar a queda nas vendas de bolsas de US$ 10.000 e de colares de diamantes brilhantes. As proprietárias ganham menos com a parcela das receitas que os inquilinos devem compartilhar com elas e também tiveram que reduzir a base do aluguel para os novos inquilinos.

*Com a colaboração de Robert Williams e Sterling Wong

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Viagem

Topo