Viagem

Cidades europeias oferecem casa e dinheiro para quem se mudar para lá?

Reprodução/Instagram
A cidade de Albinen, na Suíça Imagem: Reprodução/Instagram

Rebecca Seales

Da BBC News

30/11/2017 16h23

O que poderia ser mais sedutor do que uma proposta de levar uma nova vida em um belo vilarejo suíço, com direito ao tilintar de sinos de vacas, muito fondue e passeios de esqui? Bem, poderiam pagar você para fazer isso.

A ideia soa absurda em países em que uma pessoa com uma renda média leva anos para economizar o suficiente para dar entrada em um imóvel. Mas propostas que oferecem dinheiro para uma pessoa se mudar surgiram em sequência neste ano na Suíça e na Itália.

Encravada nas montanhas e com vista para o vale Rhone, Albinen, no sul da Suíça, faz hoje uma consulta popular para decidir se pagará 25 mil francos suíços (R$ 83 mil) para cada adulto e 10 mil (R$ 33,2 mil) por criança de famílias que comprem ou construam uma casa por lá.

Ofertas assim são uma forma de aumentar o interesse de turistas ou de fato as pessoas se mudam para esses locais em troca de uma generosa compensação financeira? Vamos às evidências.

Caso 1: 'Aqui estão 2 mil euros! Ah, espere um momento...'

Bormida, um vilarejo charmoso na montanhosa região costeira da Liguria, no noroeste da Itália, tem apenas 400 habitantes – e também um prefeito muito proativo.

Daniele Galliano passou os últimos três anos tentando combater o encolhimento da população com ofertas de aluguéis baratos de 50 a 120 euros por mês, o que atraiu 50 pessoas para lá.

Então, em maio, ele questionou pelo Facebook: por que não criar "fundos para vilarejos" para que comunidades em extinção possam oferecer um bônus de 2 mil euros para quem se mudar para elas?

A ideia viralizou, e, ainda que os primeiros relatos deixassem claro que era só uma sugestão, a história foi sendo aumentada conforme rodava o mundo. Mais de 17 mil interessados entraram em contato em quatro dias.

O prefeito voltou ao Facebook para se explicar: "A Itália é um país maravilhoso, mas, assim como outros, enfrenta uma crise econômica. Infelizmente, não será possível ajudar a todos. Obrigado de qualquer forma pelo interesse".

Veredicto: Ninguém recebeu os 2 mil euros, mas isso pode mudar. O site da administração da cidade dizia em maio: "Quanto ao bônus, é um projeto que esperamos realizar em 2018 com a ajuda da região da Liguria".

Caso 2: Uma bolada em Puglia (após dois anos)

Se você está decidido a se mudar para a Itália, ainda há esperança. Candela, uma cidade medieval ensolarada com 2,7 mil habitantes em Puglia, no extremo sul do país, também está perdendo famílias e jovens para outros locais mais movimentados. Por isso, lançou uma campanha para atrair novos moradores.

"É assim que funciona: 800 euros para solteiros, 1,2 mil euros para casais, 1,5 mil a 1,8 mil para famílias com três pessoas e acima de 2 mil euros para famílias com quatro a cinco pessoas", disse no mês passado Stefano Bascianelli, uma autoridade local.

Para estar apto, uma pessoa precisa se registrar como residente de Candela até 31 de dezembro, alugar uma casa e ter um emprego que pague no mínimo 7,5 mil euros por ano.

São critérios razoáveis, certo? Bem, segundo a emissora CNN, seis famílias do norte da Itália já os atenderam, e um profissional da escola local aproveitou a oferta para trazer sua família para a cidade. Houve interesse de locais tão longínquos quanto a Nova Zelândia.

Veredicto: É uma proposta séria a ponto de ter um formulário para candidatos no site da cidade, o qual informa que os escolhidos receberão 50% do dinheiro após o primeiro ano morando lá e 50% ao final do segundo.

Caso 3: Um chalé e 25 mil francos suíços

Albinen, na região suíça de Valais, é um poço de tranquilidade - afinal, só 240 pessoas vivem lá. O prefeito Beat Jost diz que três famílias foram embora de lá nos últimos anos e, com elas, oito crianças. A escola do vilarejo fechou, e a comunidade batalha para sobreviver.

Na votação de hoje, os moradores devem apoiar o plano de oferecer um incentivo financeiro para atrair novos habitantes – 94 deles assinam a proposta inicial.

Os interessados devem concordar em viver em Albinen por dez anos e devem ter menos de 45 anos. Também precisam construir ou comprar uma casa com um valor mínimo de 200 mil francos suíços (R$ 664,5 mil), que não pode ser usada como uma casa de veraneio. Estrangeiros precisam ter permissão para viver permanentemente no país.

Para uma família de quatro pessoas, há um generoso bônus de 70 mil francos suíços (R$ 232,5 mil), que pode ser usado para pagar a entrada na compra de uma casa própria, que costuma ser de 20% do valor do imóvel.

O vilarejo planeja custear esse projeto colocando 100 mil francos suíços (R$ 332 mil) por ano em um fundo.

Veredicto: Pagando 25 mil francos suíços por adulto, a Prefeitura estima ser capaz de custear de cinco a dez novas famílias nos próximos cinco anos, no máximo. Aqueles sortudos o suficiente para atender aos critérios receberão esse dinheiro de graça – além de ter uma vista espetacular para aproveitar no café da manhã.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Viagem

Topo