Novo terminal de aeroporto londrino vive 2º dia de caos

O caos que marcou o primeiro dia de operações do novo terminal (T5) do aeroporto de Heathrow, no sudoeste de Londres, continuou nesta sexta-feira com mais vôos cancelados e passageiros no saguão esperando horas para recuperar a bagagem.

O terminal, de uso exclusivo da companhia aérea britânica British Airways (BA), foi inaugurado na quinta-feira sob protestos de manifestantes ambientalistas.

A companhia convocou mais funcionários e realizou reuniões durante a noite para tentar diminuir os problemas.
Ainda assim, 36 vôos que partiriam do T5 e outros 36 que chegariam ao novo terminal foram cancelados nesta sexta-feira, segundo a BA.

Entre os problemas enfrentados pelos passageiros no terminal está a suspensão do check-in de bagagens, problemas com o estacionamento e, segundo a BA, atrasos nas checagens de segurança e "problemas de ambientação" dos funcionários com o novo local de trabalho.

Na quinta-feira, 34 vôos foram cancelados, e os passageiros chegaram a esperar até quatro horas para recuperar a bagagem.

"Nós claramente decepcionamos muitas pessoas e, sinceramente, pedimos desculpas", disse o diretor-executivo da BA, Willie Walsh.

"A British Airways não cumpriu o prometido e precisamos cumprir. Aceito a responsabilidade", acrescentou. "Hoje (sexta-feira), começamos melhor, mas ainda espero cancelamentos amanhã (sábado)."

Treinamento
O sistema de controle de bagagens foi descrito como sofisticado pela British Airways. Um total de 18 quilômetros de esteiras instaladas no novo terminal são capazes de transportar 12 mil malas por hora.

Mas os problemas com o novo sistema começaram no dia da abertura do terminal.

Um dos funcionários que trabalha com as bagagens disse à BBC que o problema foi a falta de treinamento.

"A BA alegou que a 'ambientação dos funcionários' era o problema", disse. "Mas os funcionários culpam a falta de treinamento e o apoio essencial que foi prometido."

A British Airways ofereceu 100 libras (cerca de R$ 347) para os passageiros dos vôos cancelados da quinta-feira pagarem por acomodações. Os passageiros relataram, no entanto, que os hotéis da região estavam cobrando o dobro do valor.

A BA espera atender 30 milhões de passageiros por ano nesta parte do aeroporto, que terá 36 guichês para vistoria de passaportes.

As obras para a construção das novas instalações levaram seis anos e custaram o equivalente a cerca de US$ 8,6 bilhões.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos