Sítio arqueológico maia ressurge após inundação na Guatemala

QUIRIGUÁ, Guatemala, 15 Out 2010 (AFP) -As estelas e zoomorfos ancestrais do centro arqueológico maia Quiriguá, na Guatemala, sobreviveram à passagem da tempestade Agatha que, apesar de sua força, não se compara com a grande inundação de 1.200 anos atrás, que arrasou o local. As águas escuras do rio Motagua saíram do curso por causa da tormenta, em maio, e alagaram os vestígios deixados pelos maias perto do mar do Caribe, agora relegados a uma pequena reserva rodeada de plantações de banana, fruto exportado por empresas americanas. A água atingiu quase dois metros em Quiriguá, que em idioma maia significa Divisão, mas que o Instituto Guatemalteco de Turismo denomina de Cidade das Estelas. Em sua passagem pelo país, Agatha deixou 165 mortos e um bilhão de dólares em perdas. Este sítio arqueológico, situado 200 km a nordeste da capital e visitado por 30.000 turistas ao ano, ficou fechado durante um mês. "Muita gente fez voluntariado e ajudou na limpeza. Depois de um grande esforço pode-se levantar o centro arqueológico porque a inundação foi forte", explicou à AFP a guia Karen Ayala. O local sucumbiu devido a uma inundação no ano 810 depois de Cristo e nunca mais voltou a ser povoadao, sendo descoberto no fim do século XIX por dois americanos. Em 1981, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) declarou Quiriguá Patrimônio da Humanidade, perto de onde foi encontrado o primeiro porto comercial da era pré-hispânica no Caribe guatemalteco. O lugar tem cinco zoomorfos e nove estelas ou árvores de pedra, as mais altas dos maias localizadas até agora. A estela mais alta tem 10,33 metros e está gravada na moeda de 10 centavos de quetzal, a moeda guatemalteca. Os cientistas estimam que Quiriá tenha sido fundada por volta do ano 400 depois de Cristo e destruída por uma inundação em 810. Seus últimos 100 anos teriam sido os de seu apogeu.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos