Greve da Lufthansa ainda não afeta tráfego aéreo alemão

De Frankfurt

A greve por tempo indeterminado da Lufthansa nos aeroportos alemães, iniciada à meia-noite passada (19h de domingo em Brasília), não causou, até o momento, grandes transtornos no tráfego aéreo, informou a companhia nesta segunda-feira.

Cerca de 5.000 funcionários da empresa aderiram hoje à paralisação convocada pelo sindicato de serviços Verdi.

Nesta segunda, a Lufthansa informou que conseguiu manter, até agora, 1.200 de seus 2.000 vôos diários.

"No primeiro dia de greve, constatamos que nossas medidas de precaução estiveram à altura", declarou um porta-voz da companhia aérea.

O protesto tem maiores repercussões no aeroporto de Frankfurt (Oeste), o terceiro da Europa, e também nos de Colônia (Oeste), Düsseldorf (Oeste) e Munique (Sul), segundo o encarregado do sindicato de negociar com a empresa, Erhard Ott, em entrevista à emissora ZDF.

Ott confirmou que o movimento teve poucas conseqüências no tráfego aéreo, ainda que seja um período de férias.

"O objetivo da greve não é impedir que os passageiros tomem o avião, mas exercer pressão sobre a companhia", explicou, acrescentando que o sindicato estima em 5 milhões de euros as perdas diárias da greve para a empresa.

Paralelamente, a Lufthansa também enfrenta outro conflito salarial, protagonizado pelos pilotos de duas filiais, que também reivindicam aumentos e, nas últimas semanas, já ameaçaram parar.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos