Parte de Veneza debaixo d'água na primeira "aqua alta" do ano


ROMA, 24 Out (AFP) - Uma parte do centro histórico de Veneza estava coberta pela água nesta terça-feira, depois da passagem de uma "perturbação de origem atlântica" combinada com um fenômeno natural de maré que aumentou o nível da água em 112 cm.

"É a primeira vez no ano que as águas alcançam altura semelhante", segundo um comunicado do Centro Veneziano de Vigilância e Previsões das Marés, que registrava "um pico de 112 cm" ao meio-dia, o qual afetava cerca de "15% do centro histórico".

Numerosos turistas caminhavam descalços e com os calças levantadas na tarde desta sexta-feira nos arredores da Praça San Marco, onde a água cobria seus tornozelos.

O centro de vigilância explica este fenômeno devido "à passagem pelo norte da Itália de uma perturbação de origem atlântica que causou ventos no Mar Adriático e uma baixa da pressão atmosférica", combinados com o fenômeno natural de maré.

Além das tradicionais passarelas instaladas para os pedestres nas zonas mais inundadas, a utilização de sirenes e de anúncios sonoros, o Centro de Vigilância também testou pela primeira vez um sistema de alerta por mensagens telefônicas de texto (SMS).

Cerca de 50.000 pessoas que se inscreveram neste novo serviço receberam em seus telefones celulares várias mensagens que os mantinham informados da evolução da subida das águas.

Espera-se que as águas baixem progressivamente nas próximas horas, estimou o Centro.

A cidade de Veneza sofreu sua pior "aqua alta" em 4 de novembro de 1966. Na ocasião, esteve submersa por 194 cm de água, enquanto ocorriam inundações catastróficas em todo o território italiano.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos