Viagem

Arquiteto francês transforma esquina da Praça Vermelha em ícone capitalista

13/10/2006 14h11


MOSCOU, 13 out (AFP) - O arquiteto francês Jean-Michel Wilmotte está reinventando uma esquina da Praça Vermelha, em Moscou, para transformá-la em um projeto milionário que pode ser o primeiro a permitir que uma elite privilegiada se mude para o mais prestigiado endereço da Rússia.

Do outro lado dos escritórios do presidente Vladimir Putin, no Kremlin, e a alguns metros da catedral de São Basílio, Wilmotte planeja transformar um antigo armazém do Exército Vermelho nos complexos residenciais mais exclusivos do país.

O edifício, situado no endereço Praça Vermelha 5, tinha sido originalmente projetado para ser um shopping center luxuoso em 1891 pelo arquiteto russo Roman Klein, mas se tornou uma instalação militar, abrigando um armazém do exército vermelho no porão depois da Revolução Bolchevique de 1917 e até o ano passado foi propriedade do Ministério da Defesa.

Agora, a estrutura de fachada ornamentada está prestes a ser transformada pelo arquiteto em um hotel com complexo de apartamentos projetado por Wilmotte no pátio central.

A fachada será preservada, pois compõe o conjunto da Praça Vermelha, protegido pela Unesco. Os edifícios no pátio central já estão sendo destruídos, mas Wilmotte não pretende que os novos sejam muito diferentes do estilo das construções vizinhas.

"O projeto dos novos prédios ainda é bem clássico, com pedra e tetos em verdete" (n.t.: acetato de cobre), disse Wilmotte durante apresentação recente dos planos e do local de construção.

A maquete e os desenhos mostraram pequenos blocos de apartamentos com grandes janelas, separados por pátios iluminados pela luz do sol.

"O edifício contém uma sucessão de espaços abertos, projetados para permitir que a luz do sol entre em seu pátio central", afirmou.

O prédio principal, com 32 metros quadrados, terá 118 quartos de hotel, enquanto os edifícios de 27 mil metros quadrados no pátio terão 100 apartamentos, cada um com área de 150 a 250 metros quadrados.

O projeto, de 350 milhões de dólares, deve ser concluído no fim de 2008, embora até agora a empreiteira encarregada não tenha sido escolhida.

Este não é o único edifício histórico que Wilmotte adapta. Ele também trabalha num projeto de desenvolvimento da fábrica de chocolates Outubro Vermelho, um impressionante edifício de tijolos aparentes situado em uma ilha do Rio Moscou, próxima do Kremlin.

A fábrica será transformada em "lofts", mas preservando a herança cultural desta cidade histórica.

Fundado em 1975, seu escritório de arquitetura trabalha em 20 países do mundo. Ele começou sua carreira internacional no Japão, onde trabalhou por 12 anos. Seu primeiro projeto naquele país foi o grande complexo cultural Bunkamura, no moderno distrito de Shibuya, em Tóquio.

Hoje, um terço dos trabalhos do escritório fora da França está na Coréia do Sul, outro terço na Europa ocidental e os demais no leste europeu.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Viagem

Topo