menu
Topo

Viagem


Veja lugares turísticos que tiveram o filme queimado por Hollywood

Marcel Vincenti

Colaboração para o UOL

2018-08-31T04:00:00

31/08/2018 04h00

Um país que é usado como cenário para uma superprodução de Hollywood tem tudo para divulgar positivamente sua imagem ao redor do mundo, certo? Nem sempre: diversos destinos do planeta já tiveram seu filme queimado por histórias do cinema, que os mostraram como terras de perigos selvagens, populações incivilizadas ou até como centros de torturas inacreditavelmente horripilantes.

Em alguns casos, o sucesso dos filmes acabou até atraindo mais turistas para estes lugares, mas, não raro, também revoltou seus governantes e populações. Abaixo, veja interessantes destinos turísticos do globo que foram exibidos como locais um tanto assustadores por Hollywood. 

Veja também

"Borat"

Reprodução
Imagem: Reprodução

Um país onde as pessoas criam vacas dentro de casa, tomam água de córregos, beijam suas irmãs na boca e não sabem usar a privada. É assim que o filme "Borat" apresenta ao mundo o Cazaquistão, uma ex-república soviética localizada na Ásia Central. 

A produção passa a imagem de que o território cazaque é um lugar de casebres caindo aos pedaços, ruas feiosas de terra e com uma população incivilizada, representada pelo personagem principal, o repórter Borat (interpretado pelo comediante Sacha Baron Cohen), que faz uma viagem até os Estados Unidos para realizar um documentário e aprender lições de bom comportamento com os americanos.

Lançado em 2006, "Borat" não foi, de início, bem recebido no Cazaquistão —um país que, vale lembrar, tem lindas paisagens naturais (como o lago turquesa de Grande Almaty) e uma capital com paisagens extremamente modernas, chamada Astana.

O filme foi proibido em terras cazaques por autoridades locais, mas seu sucesso mundial foi tão grande que a situação se inverteu: em 2012, o governo do Cazaquistão fez um agradecimento a Sacha Baron Cohen, dizendo que "Borat" aumentou o turismo na nação da Ásia Central. 

"O Albergue"

Reprodução
Imagem: Reprodução

No filme "O Albergue", lançado em 2005, dois mochileiros americanos e um islandês estão viajando por Amsterdã quando são convencidos por um estranho a ir até a Eslováquia, onde, teoricamente, poderão conhecer lindas mulheres. 

Os viajantes vão até o país do Leste Europeu e, ao chegar lá, são sequestrados e levados para um centro de torturas e assassinatos, em cenas de virar o estômago do mais fanático dos fãs de filmes de terror. Além disso, a história mostra a Eslováquia como um lugar de paisagens decrépitas e cheia de pessoas mal-encaradas e traiçoeiras. 

Depois que o filme foi lançado, membros do Parlamento eslovaco deram declarações de repúdio a "O Albergue", dizendo que o filme manchava a imagem do país (que, na verdade, abriga lindas paisagens naturais e belas cidades históricas, como sua capital, Bratislava). 

"Turistas"

Reprodução
Imagem: Reprodução

O Brasil não precisa de produções cinematográficas para ganhar fama de país perigoso no exterior. Mas o filme "Turistas", lançado em 2006, reforçou esta imagem negativa. 

Na história, um grupo de viajantes estrangeiros está em passeio por praias brasileiras quando se vê em um cenário de pesadelo: eles primeiramente são dopados e têm seus pertences roubados. Depois, são sequestrados por traficantes de órgãos, passando por situações tenebrosas. 

Na época de seu lançamento, "Turistas" foi alvo de uma campanha de boicote feita por brasileiros na internet. 

"Anaconda"

Reprodução
Imagem: Reprodução

Ao viajar para o exterior, não é raro que o brasileiro encontre estrangeiros perguntando: "Existe uma cobra grande daquelas no seu país mesmo?" 

Tal curiosidade é, quase sempre, gerada pelo filme "Anaconda", lançado em 1997, e que conta com a atuação de nomes como Jennifer Lopez, Ice Cube e Jon Voight. 

Na história, um grupo de americanos é literalmente caçado por um cobra gigantesca ao atravessar a Amazônia, muitos deles enfrentando mortes horríveis causadas pelo réptil. 

Anacondas são conhecidas no Brasil como sucuris e realmente atingem tamanhos assustadores (algumas chegam aos oito metros de comprimento). Mas a que aparece no filme é maior e mais irreal do que isso (e deixou muita gente assustada com os ambientes selvagens do território brasileiro). 

"O Expresso da Meia-Noite"

Reprodução
Imagem: Reprodução

Clássico do cinema, o filme "O Expresso da Meia-Noite" (lançado em 1978) exibe, em uma de suas primeiras cenas, imagens de Istambul sob um intenso som de suspense, envolvendo a cidade turca em uma atmosfera um tanto ameaçadora. 

A história mostra um americano que é preso no aeroporto de Istambul após tentar sair do território turco com uma enorme quantidade de haxixe. Ele é preso, levado para uma cadeia tenebrosa e chega a enlouquecer atrás das grades. 

A obra aborda a dura realidade que qualquer pessoa deve esperar enfrentar ao cometer um crime de tráfico de drogas. Mas também mostra apenas um lado muito negativo de Istambul, uma cidade que abriga algumas das paisagens urbanas mais fascinantes do encontro da Europa com a Ásia.

"Se Beber, Não Case! 2" 

Reprodução
Imagem: Reprodução

Capital da Tailândia, Bangcoc é realmente uma metrópole caótica. Mas muita gente deve ter se assustado ao ver a cidade asiática sendo mostrada no segundo filme da trilogia "Se Beber, Não Case! 2".

Na obra, Bangcoc aparece como um território perigoso e sem lei, que engole os personagens interpretados por Bradley Cooper, Zach Galifianakis e Ed Helms: na história, traficantes usam um macaco para vender drogas, uma criança é tatuada sem cerimônias por um americano expatriado, tiros mal alteram a rotina de uma casa de prostituição e a rua é cenário para uma revolta popular que conta com gente trocando agressões com a polícia. 

Entretanto, comédia que é, "Se Beber, Não Case! 2" não deve ser levada tão a sério: apesar de realmente oferecer baladas e paisagens que podem desnortear o turista, Bangcoc é mais segura do que parece (é só necessário saber que tipo de bebida você está ingerindo por lá).

Filmes críticos aos Estados Unidos

Reprodução
Imagem: Reprodução

Sim, Hollywood faz muitos filmes que retratam países estrangeiros com estereótipos. Mas a indústria do cinema americano também tem várias obras que elegem como alvo os aspectos negativos dos próprios Estados Unidos. 

O filme "Beleza Americana", por exemplo, estrelado pelo ator Kevin Spacey, é altamente crítico à vida aparentemente confortável e pacata dos abastados subúrbios dos EUA, mostrando uma sociedade tomada por hipocrisias e preconceitos. 

Já "A Outra História Americana", com Edward Norton, mostra conflitos raciais que marcam a cidade de Los Angeles, com foco nos grupos neonazistas que existem nos Estados Unidos. 

E há ainda filmes que trazem à luz realidades urbanas ainda mais violentas dos Estados Unidos, como "Dia de Treinamento", com Denzel Washington, exibindo áreas extremamente barra pesada da própria Los Angeles.   

Mais Viagem