menu
Topo

Viagem

Desconforto no avião? Saiba como evitar desgastes em longas viagens aéreas

Marcel Vincenti

Colaboração para o UOL

19/08/2018 04h00

Viajar é extremamente divertido, mas, para muita gente, nem sempre é fácil encarar um voo longo para chegar até o destino de suas férias. Passar muitas horas dentro da classe econômica de um avião pode ser uma pequena tortura, em que as pernas se cansam do aperto entre os assentos, o estômago se farta da comida nem sempre saborosa e a mente entra em parafuso com tanta gente ao redor e com os avisos intermináveis saindo dos alto-falantes. 

Veja também

Há maneiras, porém, para driblar ou, pelo menos, diminuir esse desgaste. Abaixo, veja modos de realizar uma longa jornada aérea na classe econômica sem muitos percalços.

Não precisa ser chique

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Muita gente encara uma viagem aérea como um evento de gala e, para pegar o avião, usa o que tem de melhor no guarda-roupa. Isso não é uma boa ideia, principalmente se as vestes em questão não forem confortáveis. 

Um sapato bonito que machuque o pé, uma calça chique que prejudique a articulação das pernas ou uma camisa social que impeça a movimentação dos braços têm tudo para se tornar, durante a jornada, um enorme fardo para o passageiro, que estará propenso ao desconforto por causa do ambiente apertado e lotado da classe econômica.

A dica é: não tenha vergonha de parecer um pouco desleixado dentro da aeronave. Use tênis aconchegantes, calças maleáveis (como de moletom) e camisetas folgadas. E não se esqueça de levar, na bagagem de mão, uma jaqueta ou blusa também confortável: o interior da aeronave é frio para muita gente. 

Tape os olhos e ouvidos

Getty Images
Imagem: Getty Images

No interior de uma aeronave, o viajante é bombardeado com avisos feitos pelos pilotos nos alto-falantes, sinais sonoros que chamam os comissários de bordo, eventuais choros de crianças e muito mais. Além disso, há o apagar e acender constante das luzes, tudo contribuindo para que o ambiente fique estressante. 

Existem, porém, três itens extremamente eficientes que podem poupar o passageiro desses desconfortos (e ajudá-lo a dormir melhor em um voo de muitas horas). 

O primeiro são os protetores auriculares, que custam poucos reais em farmácias brasileiras (e, às vezes, são oferecidos gratuitamente pelas companhias aéreas) e, depois que colocados sobre o canal auditivo da pessoa, diminuem (e muito) o impacto de sons externos no ouvido. O segundo é o tapa-olhos: certas companhias aéreas também os disponibilizam para os clientes, mas, mesmo assim, traga um de casa na bagagem de mão: na hora do voo, ele será essencial para diminuir o incômodo causado pelas luzes do interior do avião. 

E o terceiro é a almofada para pescoço, que evita, de um modo bem confortável, que a cabeça do passageiro fique torta na hora de uma soneca (há modelos infláveis, fáceis de carregar).

Reserva de assentos com antecedência

Getty Images
Imagem: Getty Images

Quase todas as companhias aéreas permitem que o passageiro reserve, pela internet, seu assento do voo com antecedência. Use este recurso para escolher, antes dos outros passageiros, os melhores lugares para ficar dentro do avião: entre eles costumam estar assentos da primeira fila e de emergência, que, quase sempre, oferecem mais espaço para as pernas, um conforto essencial para que a viagem aérea não seja tão desgastante. 

É preciso verificar, entretanto, se o assento de emergência em questão é reclinável (em muitas aeronaves, alguns deles não inclinam). E nem todo mundo pode ficar na saída de emergência: em muitos casos, por exemplo, menores de 15 anos não têm permissão para se sentar ali, pois não estariam aptos a coordenar uma eventual evacuação do avião. 

Há também empresas aéreas que estão cobrando uma taxa extra do viajante que for reservar seu lugar com antecipação na aeronave: é preciso avaliar, de acordo com preço cobrado, se o investimento vale a pena. 

Alimentos e bebidas

Getty Images
Imagem: Getty Images

Alimentar-se corretamente é importantíssimo para não enfrentar um longo voo desconfortável.

Nos aviões, o corpo fica propenso a diversos tipos de mal-estar: comidas de difícil digestão, por exemplo, como carne vermelha e feijão, podem causar problemas gástricos no viajante. Já a ingestão de bebidas alcoólicas pode gerar enjoo no passageiro (e a cerveja, em particular, tem tudo para fazer com que a pessoa queira ir ao banheiro toda hora. Se estiver na janelinha, isso irá incomodar seus vizinhos de assento). Refrigerantes e produtos lácteos, por sua vez, têm potencial para causar gases em muitas pessoas no voo. 

Antes e durante um voo longo, tente ingerir alimentos mais leves e sem exagero, como carne de peixe e nozes, que tenderão a não cair tão mal. Quase sempre é possível levar diversos tipos de alimentos para dentro do avião: selecione comidinhas leves em casa para não depender de um (nem sempre garantido) cardápio saudável oferecido pela companhia aérea.

E o corpo tende a desidratar com rapidez dentro do avião: durante uma jornada aérea longa, beba muita água. 

Movimente-se

Getty Images
Imagem: Getty Images

É altamente recomendável que o passageiro se levante de seu assento, alongue o corpo e se movimente pela aeronave sempre que possível. Isso pode evitar, por exemplo, um incômodo inchaço nas pernas, que ocorre quando estes membros ficam muito tempo imóveis (e também ajuda a impedir que se formem coágulos nas pernas, a chamada trombose venosa profunda, passível de ocorrer em jornadas aéreas). 

Além da movimentação a bordo, o uso de meias elásticas ajudam a prevenir o inchaço e a formação de coágulos nas pernas. 

Lounge e bons aeroportos

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Longas viagens de avião envolvem, geralmente, uma conexão entre voos em algum aeroporto no meio do caminho, na qual, frequentemente, o passageiro tem que aguardar uma boa quantidade de horas pela sua próxima aeronave. 

Essa espera pode ser bem desgastante: o viajante já está cansado por causa do seu voo anterior e ainda tem que matar tempo no saguão aeroportuário até decolar de novo. 

Para superar isso, há duas boas opções: a primeira é usar um lounge ou sala VIP do aeroporto de conexão. Este tipo de serviço é geralmente disponibilizado para passageiros da primeira classe ou executiva (e também membros de programas de fidelidade que viajam de classe econômica).

Se você não fizer parte de nenhum destes públicos, é possível, em muitos casos, pagar para usar estes espaços exclusivos. Os preços variam muito ao redor do mundo (geralmente, custam mais de R$ 100 por pessoa), mas podem valer a pena se a conexão for longa: nos lounges ou salas VIP, é possível comer alimentos de qualidade, descansar em assentos realmente confortáveis, assistir à televisão, ler jornais e passar um tempo em um ambiente que vai ajudar o viajante a recarregar as energias para o próximo voo. 

Outra opção é escolher um voo que fará conexão em um aeroporto de alta qualidade: o aeroporto de Changi, em Cingapura, por exemplo, que é usado como conexão por diversos voos na Ásia, oferece até cinema gratuito para os passageiros. É fácil matar o tempo lá enquanto se espera um voo.

Mais Viagem