Topo

Viagem

Conheça o vilarejo do Japão que afirma abrigar o túmulo de Jesus Cristo

Thor Hestnes/creativecommons.org/licenses/by/3.0/deed.en
O túmulo que seria de Jesus Cristo fica na vilarejo japonês de Shingo Imagem: Thor Hestnes/creativecommons.org/licenses/by/3.0/deed.en

Marcel Vincenti

Colaboração para o UOL

13/04/2018 04h00

O Japão é famoso por seus templos budistas, mas, no remoto vilarejo de Shingo, no norte do território nipônico, é uma cruz que chama a atenção de nativos e turistas.

Fincado em uma colina recheada de árvores, o símbolo marca o túmulo que seria de um homem que, aos 21 anos, deixou a região da Judeia e, depois de viajar por milhares de quilômetros, chegou ao território japonês para adquirir conhecimentos divinos.

A história contada em Shingo

Diz a história que ele teria morado no Extremo Oriente até os 33 anos, quando decidiu retornar a Judeia para espalhar seus ideais religiosos. Após este regresso, porém, foi perseguido por causa de sua fé e condenado à crucificação. Escapou da morte e viajou novamente ao Japão, onde morreu aos 106 anos de idade, de causas naturais. Seu nome: Jesus Cristo.

Ficção para muitos, esse relato é tido como verídico em Shingo.

Vera46/www.flickr.com/photos/vera46/1220257930
No vilarejo de Shingo, placa explica como Jesus teria ido parar no Japão Imagem: Vera46/www.flickr.com/photos/vera46/1220257930

O túmulo que seria de Jesus é hoje uma atração turística na área, com sinais na estrada indicando sua localização e viajantes do mundo inteiro indo até lá para ver de perto a sepultura (que é um simples amontoado de terra coroado pela cruz e protegido por um cercado branco). 

Leia também

O irmão de Jesus

Ao cruzar o vilarejo com menos de 3.000 habitantes e chegar perto da cova, os turistas leem, em uma enorme placa colocada perto do túmulo, mais detalhes desta história fantástica: Jesus teria tido um irmão chamado Isukiri, que, reza a lenda local, o acompanhou em sua jornada de regresso a Judeia e se ofereceu para ser crucificado em seu lugar, o que salvou a sua vida (um túmulo em homenagem a Isukiri também existe no local).

Segundo a história, ao voltar ao território nipônico, Jesus teria se dedicado a trabalhar como agricultor. Há relatos que afirmam que ele se casou e teve três filhos. 

Douglaspperkins/Creative Commons
Shingo fica em Aomori, uma região com paisagens remotas no norte do Japão Imagem: Douglaspperkins/Creative Commons

Não à toa, Shingo se define hoje, no idioma japonês, como "Kirisuto no Sato" (algo como o "Lar de Cristo"). Sem outros atrativos turísticos de grande relevância, isso acabou virando um grande instrumento de autopromoção para o local.

Do Japão a Caxemira

O cristianismo é adotado por cerca de 1% da população japonesa e existe a teoria de que, na verdade, o suposto túmulo de Jesus abrigue o corpo de um missionário cristão do século 16, quando a religião iniciou empreendimentos para penetrar em território nipônico. 

A sepultura de Shingo já recebeu até visitas de grandes personagens políticos: em 2004, o então embaixador israelense no Japão, Eli Cohen, esteve no local e deixou lá uma placa oficializando a amizade entre Shingo e Jerusalém.

Localizado a cerca de 6500 quilômetros de Tóquio, Shingo, porém, não é o único lugar do mundo fora de Israel que, hoje, se define como o local do sepultamento de Jesus.

Varun Shiv Kapur/www.flickr.com/photos/varunshiv/6133523923
Há histórias que também afirmam que o corpo de Jesus está dentro deste templo da Caxemira Imagem: Varun Shiv Kapur/www.flickr.com/photos/varunshiv/6133523923

Na região da Caxemira, localizada no norte da Índia, há um templo que, segundo crenças locais, abriga o corpo de Jesus: trata-se de um pequeno edifício que fica na cidade de Srinagar e se chama Roza Bal.

É um grupo muçulmano conhecido ahmadiyya que afirma que o filho de Maria está lá. Para eles, Jesus foi um profeta e sobreviveu à crucificação. Ele teria então viajado à Caxemira para continuar seu ministério junto às tribos perdidas de Israel, que teria membros vivendo na região da Índia na época. 

Porém, grande parte dos muçulmanos da Caxemira (o islã é religião majoritária nesta área indiana) nega essa teoria, o que faz do Roza Bal um local recheado de controvérsias. Mas, assim como acontece em Shingo, atrai turistas ávidos por ouvir histórias incríveis.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Viagem