menu
Topo

Viagem

Na Bolívia, compre dinamite na rua e visite uma mina protegida pelo "diabo"

Getty Images
No Cerro Rico, o turista conhece a dura realidade dos mineiros da cidade de Potosi Imagem: Getty Images

Marcel Vincenti

Colaboração para o UOL

28/03/2018 04h00

Em uma manhã ensolarada na cidade boliviana de Potosi, compro, livre e legalmente, três dinamites em uma feira de rua frequentada por famílias e crianças recém-saídas da escola. Pago menos de R$ 30 pelos explosivos e coloco-os ao lado das outras aquisições do dia: um saco recheado de folhas de coca e duas garrafas de Ceibo, uma bebida com mais de 90% de teor alcoólico. 

Minha intenção não é montar uma bomba, mas me munir para visitar a montanha conhecida como Cerro Rico, que abriga uma mina cortada por corredores claustrofóbicos e tomada por um ar venenoso. As comprinhas, por sua vez, são presentes para os mineiros que trabalham lá dentro.

Getty Images/iStockphoto
A montanha Cerro Rico (ao fundo) foi uma das maiores fontes de prata do mundo Imagem: Getty Images/iStockphoto

O "passeio", acredite ou não, é uma atividade feita por muitos turistas que estão em Potosi e querem entrar em contato com uma das realidades mais duras da América Latina: o Cerro Rico foi, na época da colonização espanhola, uma das principais fontes de prata do mundo. Hoje, com o metal praticamente esgotado, é uma rede de buracos onde homens e adolescentes encaram turnos de mais de 15 horas para tentar encontrar minérios de pouco valor. 

Guiado por um ex-mineiro, ingresso na mina usando um capacete equipado com lanterna, que ilumina meu caminho através de um túnel com cerca de 1,80 metro de altura e por onde passam carrinhos carregados de minérios extraídos do fundo da mina. Vez ou outra, um "bum!" ecoa pelo corredor: alguém acaba de explodir uma carga de dinamite não muito longe de nós.

Jimmy Harris/www.flickr.com/photos/jimmyharris/3855749760/
Por cerca de R$ 10, dinamites são vendidas nas ruas de Potosi, na Bolívia Imagem: Jimmy Harris/www.flickr.com/photos/jimmyharris/3855749760/

O túnel, por sua vez, subitamente desemboca em um buraco no chão que nos coloca em um ambiente que lembra um formigueiro: temos que nos arrastar através da abertura para sair em galerias onde dezenas de homens e garotos (alguns com 15 anos de idade) golpeiam as paredes com picaretas. 

Tudo contribui para uma sensação de mal-estar: o ambiente é extremamente úmido, o ar é rarefeito (Potosi está a mais de 4.000 metros sobre o nível do mar) e flutua poeira com sílica, que causa em muitos dos trabalhadores do Cerro Rico a doença pulmonar conhecida como silicose, que pode ser fatal. 

Getty Images/iStockphoto
No Cerro Rico, os mineiros respeitam a figura diabólica conhecida como "O Tio" Imagem: Getty Images/iStockphoto

Dou, para os primeiros mineiros adultos que encontro, os produtos que comprei na feirinha (é uma tradição realizar estas oferendas em uma visita à mina): enquanto a dinamite os ajuda nos trabalhos de extração, a folha de coca lhes dá energia e lhes tira a fome (eles acreditam que isso os ajuda a superar suas longas jornadas de trabalho).

Pergunto-me se o Ceibo, por sua vez, com seu grau alcoólico capaz de inebriar um elefante, tem a capacidade de fazê-los esquecer do lugar em que estão. 

Na mina com o diabo

Os mineiros do Cerro Rico parecem ter consciência de que trabalham em uma franquia do inferno na Terra.

Dentro da mina, eles veneram uma figura conhecida como "O Tio". Trata-se de uma estátua que lembra a imagem do diabo, com direito a chifrinhos. Aos seus pés, eles colocam folhas de coca, cigarros, Ceibo e até imagens pornográficas. "Fazemos isso para evitar acidentes dentro da mina", me diz um dos trabalhadores locais. "Acreditamos em Deus e somos católicos. Mas, aqui dentro, temos mais confiança na proteção do Tio".

Marcel Vincenti/UOL
É possível ver crianças no ambiente agressivo da mina do Cerro Rico Imagem: Marcel Vincenti/UOL

Os mineiros também realizam, periodicamente, outro ritual de oferenda à entidade diabólica (e que envolve morte).

Após sair do Cerro Rico, sou convidado para um destes acontecimentos, realizados nas entradas da mina e que contam com a presença dos familiares (principalmente esposas e filhos) dos trabalhadores. É uma festa que começa com quase todos os adultos tomando cerveja, mascando folhas de coca e dançando ao som de música boliviana. 

Marcel Vincenti/UOL
Parede fica manchada de sangue após sacrifício de lhamas promovido pelos mineiros Imagem: Marcel Vincenti/UOL

Subitamente, diversas lhamas vivas são colocadas no meio da multidão: com uma faca na mão, um homem agarra cada um dos animais e lhes corta o pescoço. Enquanto os bichos se reviram no chão, os presentes recolhem seu sangue com pratos e jogam a substância vermelha na entrada da mina, nas portas das casas que existem nas redondezas e em seus próprios rostos (tudo como oferenda ao "Tio").

De repente, há sangue por todo o lado, em um cenário que lembra um filme de terror. As lhamas, por sua vez, se transformam em churrasco -- e eu, mesmo sem nenhuma fome, recebo um dos maiores pratos de carne do banquete. 

Experiência difícil

Os tours ao Cerro Rico são feitos com agências especializadas de Potosi, mas não são atividade para qualquer um. Mesmo acompanhados de guias que conheçam detalhadamente a mina, o turista pode facilmente ter ataques de claustrofobia ou outros tipos de mal-estar enquanto estiver lá dentro. 

Os mineiros, porém, costumam receber muito bem os visitantes e algumas agências que fazem os tours (como a Koala, uma das mais conhecidas de Potosi) afirmam reverter parte dos recursos arrecadados com os passeios (que custam cerca de 120 bolivianos, ou aproximadamente R$ 55, por pessoa) em equipamentos para os trabalhadores.

E, às vezes, ao sair da mina, guias levam os turistas para um descampado e explodem uma dinamite na frente de todo mundo. Um final violento para um dia um tanto brutal.

Mais Viagem