Topo

Viagem

Os macetes de quem só viaja de 1ª classe ou executiva e não é milionário

Divulgação
Suíte individual na classe executiva dos Airbus A350 da Delta Imagem: Divulgação

Julianne Cerasoli

Colaboração UOL

22/01/2018 04h00

Imagine ter um motorista esperando na sua porta para levar ao aeroporto, fila exclusiva no check-in, raio-X e imigração, sala VIP com spa, cama e chuveiro, embarque preferencial, cama de casal e comida preparada por chefs, produtos assinados por grifes famosas? Essa é a vida de quem viaja de primeira classe, realidade que pode não ficar tão irreal quanto parece com uma boa dose de pesquisa.

É o que defende Fábio Vilela, que há mais de seis anos dá dicas em seu blog, Passageiro de Primeira, para que pessoas que nem sonham em ter condições de comprar uma passagem dessas possam usufruir de bilhetes que muitas vezes superam os cinco dígitos.

Veja também

As táticas são basicamente maximizar o uso dos cartões de crédito e programas de fidelidade para emitir passagens pelo menor preço possível. E estar sempre preparado para aproveitar os chamados “bugs” dos sistemas das companhias, como ocorreu na maior baganha que Vilela aproveitou até hoje.

“A mais barata, com certeza, foi ida e volta para Dubai em classe executiva por apenas 40.000 milhas (equivalente ao que geralmente é necessário para emitir uma passagem de ida para a Europa em classe econômica), devido a uma instabilidade sistêmica. O programa permitia que você fizesse São Paulo-Dubai-Buenos Aires pagando o preço apenas de origem/destino final, ou seja, custo de uma passagem do Brasil para a América do Sul. Nesta viagem fui para Dubai jantar e voltei no dia seguinte, voando Emirates”, conta.

Como saber se os pontos compensam?

O blogueiro de Uberlândia-MG diz que faz uma matemática simples para decidir comprar uma passagem: se a emissão com pontos é mais barata, faz a compra. E, com isso, deu algumas dezenas de voltas pelo mundo. Porém, mesmo para o viajante menos habitual, ele garante que pesquisar as passagens de executiva e primeira classe valem a pena. “Sempre prezo por emitir esse tipo de bilhete pois a economia é sempre enorme quando se usa os pontos --mesmo que você os tenha comprado.”

Mas para sempre ter pontos à disposição e aproveitar as promoções, é necessário aproveitar todas as vantagens. “O que você tem hoje em dia em matéria de cartão de crédito no Brasil são acúmulos de pontos turbinados e benefícios em aeroportos como franquia maior de bagagem, embarque e check-in prioritário e acesso salas VIPs”, lista Vilela

Ele considera as parcerias com programas de fidelidade de companhias aéreas mais vantajosas nesse sentido, mas lembra que muitas vezes é necessário chegar ao nível mais alto para poder usufruir deste tipo de benefício (geralmente as companhias têm três níveis e, quanto mais você voar pela mesma, maior a chance de conseguir a “promoção”, que depende de um número mínimo de milhas acumuladas ou trechos voados).

“Há programas de fidelidade no Brasil que garantem upgrades ilimitados se houver disponibilidade, quando você atinge o nível máximo; acesso à tabela preferencial de resgates; brindes como: cartão de nível equivalente para seu cônjuge, acesso a promoções exclusivas, check-in e embarque preferencial e acesso à sala VIP (mesmo viajando de econômica) e até acompanhamento VIP nos aeroportos como transfer em carros privativos e embarque assistido.”

Gostou das vantagens? Confira as dicas de Vilela para acumular milhas mais rapidamente:

  • A primeira é a mais comum: gastar tudo no cartão de crédito, desde o pão na padaria até boletos bancários (alguns aplicativos permitem que você faça isto de forma gratuita), podendo, assim, acumular mais rápido.
  • Ficar atento às promoções de bonificação: por várias vezes durante o ano os programas oferecem bonificação quando você transferir pontos dos cartões de crédito, o que é uma ótima oportunidade para você diminuir o custo da emissão.
  • Comprar milhas: hoje é muito comum no Brasil os programas venderem milhas diretamente para o consumidor, e, durante algumas promoções exclusivas, além de venderem com desconto, ainda bonificam a operação. Neste caso, você não precisa ter gastado no cartão e, se souber otimizar o uso dos pontos, consegue uma passagem por 1/5 do valor de mercado.
  • Ter um cartão de crédito premium que acumule mais pontos em relação ao dólar do que os demais oferecidos no mercado. E também que tenha parceria com diversos programas de fidelidade.
  • Evitar acumular em vários programas: quanto mais milhas espalhadas, mais difícil será inteirar o montante para uma passagem: foque em um ou dois programas no máximo ou apenas em uma aliança aérea.
     

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Viagem