Topo

Viagem

Viagem dupla: um site brasileiro funciona como o "Airbnb" da maconha

Reprodução
Micasa 420 é um site que oferece experiências e hospedagens para quem gosta de maconha Imagem: Reprodução

Helena Bertho

do UOL

15/01/2018 04h00

Foi pensando em conectar os viajantes usuários de maconha com os donos de casa disposto a recebê-los que a economista Larissa Ushida, 36, criou o site Micasa 420, que funciona mesmo como um Aibrnb da cannabis.

A ideia é simples: pessoas que curtem fumar maconha podem escolher casas em que a prática não seja um problema, em destinos turísticos que querem visitar. "São simplesmente pessoas que estão anunciando seus imóveis, dizendo que não é nenhum problema você ficar na casa dela se quiser fumar um baseado".

Veja mais

Acessórios para fumar inclusos

Você pode anunciar seu imóvel ou procurar um lugar para ficar, de acordo com a data e seu destino. No anúncio, além das informações sobre as acomodações e preço, há um campo de "amenidades para fumantes". Nele, o dono do lugar coloca se é permitido fumar fora ou dentro da casa, se fornece bong (um aparelho utilizado para fumar) ou outros acessórios e até se há um cultivo na propriedade.

Segundo Larissa, atualmente, é possível encontrar hospedagens no Brasil, Uruguai, Chile, Argentina, México e Estados Unidos.

Divulgação
Em 2016, viajantes participaram de workshops de cultivo e culinária com maconha no Uruguai Imagem: Divulgação

Feiras e workshops de culinária com maconha

Além das hospedagens, o Micasa 420 oferece também experiências ligadas à maconha. A empresa organiza viagens para as grandes feiras que acontecem em diferentes países, como a Expocannabis no Uruguai. Nelas, além de poder conferir o que há de novo no mercado, o visitante curte shows, pode fumar e conhecer pessoas.

Workshops de cultivo e até de culinária com a erva também estão entre as experiências, assim como viagens para conhecer áreas de plantio. Uma das mais diferentes é uma visita a uma região no Marrocos onde fazendeiros cultivam a planta há séculos por tradição.

Site era focado em experiências na praia

Larissa é adepta do uso medicinal da maconha. "Tenho enxaqueca desde criança e já tentei de tudo. A cannabis é a única coisa que alivia a dor", conta. Mas investir no universo da erva não foi sua primeira ideia de negócio.

"O Micasa começou em 2012 e era um site de experiências no litoral. Era para você poder se hospedar em uma casa com a prancha já inclusa, por exemplo. Ele ficou no ar por poucos meses, porque a concorrência era brava. Se competíssemos com empresas grandes como o Airbnb ou o Alugue Temporada, íamos sair perdendo", lembra.

Surgiu então a ideia de reinventar o negócio através da maconha. "A gente via toda uma movimentação dos Estados Unidos, por que não iniciar isso no Brasil, já que não tem ninguém fazendo?". Assim o site passou a focar em hospedagem e experiências focadas na maconha.

Mas não é ilegal?

Foi preciso refazer tudo e o Micasa 420 foi lançado apenas em 2016. O crescimento, no entanto, tem sido lento.

"Apesar de sermos a primeira e única empresa que faz isso, ainda somos pequenos. A gente tem dificuldade em divulgar o trabalho. A publicidade é muito no boca a boca, porque é um mercado de nicho, que envolve algo que aqui dentro do Brasil é proibido", diz.

Mas, apesar de a maconha ser proibida no país, o site é completamente legal, assim como anunciar ou fazer uma reserva nele. Larissa contou e conta com advogados o tempo todo para garantir que o Micasa 420 esteja completamente dentro da lei.

"A gente não está comercializando maconha ou fazendo apologia. Estamos apenas reunindo experiências ligadas à cannabis em locais onde elas são permitidas. Na questão hospedagem, é apenas uma facilitação da comunicação. Não quer dizer que as pessoas que recebem ou se hospedam vão vender ou oferecer".

Mesmo assim, sites como o Instagram não permitem anúncios do Micasa 420, por considerar apologia ao uso de substância ilegal.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Viagem