Topo

Viagem

Paris x Londres: qual das metrópoles têm as melhores atrações turísticas?

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Marcel Vicenti

Colaboração para o UOL

19/09/2017 04h00

Paris e Londres estão as cidades mais turísticas da Europa: os dois destinos oferecem uma infinidade de atrações que têm tudo para deixar você indeciso. Onde passar mais tempo? Às margens do rio Sena ou do rio Tâmisa? Abaixo, conheça alguns dos passeios imperdíveis para realizar em Londres e Paris e faça sua escolha: 

Igrejas

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/abadia-de-westminster-londres-1505746297309.vm')

Em Londres e Paris estão duas das igrejas mais famosas do mundo: a capital inglesa abriga a Abadia de Westminster (na foto), onde monarcas britânicos têm sido coroados há séculos e que, em 2001, foi palco de um dos eventos mais midiáticos do século 21: o casamento do príncipe William com Kate Middleton. Trata-se de um edifício cuja história remonta há mais de 1.000 anos. Seu monumental interior de estilo gótico é belíssimo e abriga túmulos de alguns dos personagens mais importantes da história local, como a rainha Elizabeth 1ª (1533-1603). Tours pagos são realizados na igreja de segunda a sábado. Aos domingos, é possível assistir a missas por lá gratuitamente.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/catedral-de-notre-dame-paris-1505746333809.vm')

A capital francesa, por sua vez, exibe a célebre catedral de Notre-Dame (na foto), também construída com elementos góticos e situada ao lado do rio Sena, em uma das áreas mais lindas de Paris. Sua construção remonta a meados do século 12 e, hoje, seu interior encanta turistas com lindos vitrais. E não faltam histórias para serem contadas aqui: foi em Notre-Dame que, em 1804, Napoleão Bonaparte se coroou imperador da França. E este templo é cenário para uma das mais célebres histórias do escritor Victor Hugo: o “Corcunda de Notre-Dame”. Turistas podem subir nas torres da igreja e, de lá, ao lado de gárgulas, ter uma das melhores visões de Paris.

Rios

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/tower-bridge-londres-1505746377166.vm')

As paisagens de Londres e Paris são marcadas, respectivamente, pelos rios Tâmisa e Sena. E uma caminhada ao longo destes cursos d'água provoca encontros com paisagens fascinantes. Ao longo do Tâmisa surgem monumentos como a Tower Bridge (na foto, uma das mais lindas pontes do mundo, construída no século 19), a roda-gigante London Eye (com 135 metros de altura), a histórica Torre de Londres (fortaleza cuja construção remonta ao século 11) e, logicamente, os símbolos máximos da capital inglesa: o Big Ben e o Palácio de Westminster –todos esses monumentos que o turista deve admirar de perto durante uma viagem pela cidade.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/ponte-alexandre-iii-paris-1505746406325.vm')

Já nos arredores do rio Sena, o visitante tem a chance de contemplar alguns dos principais cartões-postais parisienses: além da catedral de Notre-Dame, estão na região a torre Eiffel, a lindíssima ponte Alexandre III (na foto) e o Jardin des Tuileries, um dos espaços públicos mais belos da capital francesa, com mais de 20 hectares de jardins e amplas áreas para caminhadas. E alguns dos calçadões do Sena ficam quase ao nível da superfície da água, passando embaixo de algumas das pontes que cruzam o rio: são lugares perfeitos para fazer um passeio romântico ao lado da pessoa amada.

Subterrâneos

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/churchill-war-rooms-londres-1505746458570.vm')

Tanto Londres como Paris têm interessantes atrações subterrâneas, que oferecem um passeio diferente (e até exótico) para o turista. Na capital inglesa, é possível visitar os chamados Churchill War Rooms (na foto), que compõem um bunker de onde, temporariamente, Winston Churchill comandou o Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial (época em que Londres sofreu pesados bombadeios da força aérea nazista). Como diz o Visit Britain, órgão que promove o turismo no Reino Unido: “aqui, os visitantes poderão vivenciar um pouco como era a vida durante os dias mais tensos do conflito, incluindo uma visita ao 'Map Room' [uma sala cheia de sistemas de comunicação e mapas da guerra], mantido exatamente como foi deixado no dia em que a guerra acabou, em 1945”.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/catacumbas-de-paris-1505746493400.vm')

Em Paris, o passeio “underground” é um pouco mais mórbido. A capital francesa abriga, em seus subterrâneos, uma rede de catacumbas que se transformou em uma popular atração turística (na foto). São corredores escuros e sinistros com quilômetros de comprimento, onde estão reunidas as ossadas de milhões de pessoas. Trata-se de restos mortais que, por questões sanitárias, foram removidos de cemitérios parisienses para as catacumbas a partir do final do século 18. Durante o tour por lá, os viajantes passam ao lado de pilhas e mais pilhas de crânios, fêmures e outras partes do esqueleto humano –em um cenário que poderia muito bem fazer parte de um filme de terror.

Gastronomia

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/restaurante-mei-ume-londres-1505746524507.vm')

A culinária francesa é muitíssimo mais aclamada ao redor do mundo do que a inglesa. Mas isso não impede que Londres ofereça uma enorme variedade de opções gastronômicas para os turistas. Hoje, destacam-se na cidade restaurantes como o CORE, comandado por Claire Smith (aclamada chef britânica que trabalhou com Gordon Ramsey), o Gabeto (que mistura receitas britânicas com receitas da América Latina) e o Mei Ume (na foto), um dos melhores restaurantes asiáticos da cidade, preparando delícias como o nobre bife de carne wagyu proveniente de Kagoshima, no Japão. Para provar comida de rua e não gastar muito, um dos melhores lugares londrinos é o Berwick Street Market, na descolada região do SoHo.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/restaurante-le-jules-verne-paris-1505746565135.vm')

Paris dispensa apresentações quando se fala de boa culinária: na cidade existem verdadeiras instituições da gastronomia mundial, como o Alain Ducasse au Plaza Athénée (do chef Alain Ducasse, multiestrelado no guia Michelin) e o Le Gran Févour, comandado pelo também estrelado chef Guy Martin e com uma história que remonta a mais de 200 anos. Alta gastronomia francesa é a especialidade de ambos os locais. E que tal jantar no Le Jules Verne (na foto), que fica dentro da torre Eiffel, a uma altura de 122 metros e oferecendo visões fantásticas para a capital francesa? Para uma comidinha mais informal e barata, vá até a rua Montorgueil, recheada de lojinhas vendendo ótimos queijos, pães e vinhos.

Museus

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/museu-britanico-1505746745205.vm')

Está aí uma disputa acirrada entre Londres e Paris: qual das duas cidades tem os melhores museus? A metrópole inglesa abriga um dos principais centros de exposições de arte contemporânea do mundo, o Tate Modern, onde os turistas costumam encontrar obras de artistas extremamente aclamados nos dias de hoje, como Anish Kapoor e Damien Hirst. O British Museum (na foto), por sua vez, exibe relíquias da Grécia, Egito e Roma. E a National Gallery, localizada na icônica praça Trafalgar Square, é o lugar que você deve ir para admirar quadros de grandes mestres da pintura, como Rembrandt, Van Gogh, Rafael, Vermeer, Goya e Leonardo da Vinci.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/museu-do-louvre-paris-1505746773406.vm')

E por falar em Leonardo da Vinci, é em Paris, mais especificamente no Louvre (na foto), que está a obra mais conhecida do gênio do Renascença: a Monalisa. O Louvre, talvez o museu mais famoso do mundo, também abriga obras de Michelangelo, Caravaggio, Velázquez e Delacroix, mas está longe de ser o único centro de exibições de artes da capital francesa. A cidade ainda oferece lugares como o Museu d'Orsay (que ocupa o espaço de uma antiga – e linda – estação ferroviária, e exibe obras de gênios franceses como Manet, Gauguin e Cézanne) e o Museu Marmottan Monet, que abriga a maior coleção do mundo de pinturas do impressionista Claude Monet, e o belíssimo Musée Rodin, cujas obras, como "O Pensador", estão até nos jardins. 

Baladas

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/ministry-of-sound-londres-1505746799315.vm')

No quesito baladas, Londres está um pouco à frente de Paris. A metrópole britânica oferece uma lista infindável de discotecas, pubs e shows ao vivo que está entre as mais variadas do mundo. Quer passar a noite inteira se descabelando na pista de dança ouvindo música eletrônica de aclamados DJs? Discotecas como a Fabric, a XOYO ou a Ministry of Sound (na foto) farão sua diversão. Já para curtir o lendário rock britânico ao vivo, vá para casas de shows como o The Dublin Castle e o Half Moon. Apresentações de artistas gigantescos, por sua vez, podem ser vistos em diversos lugares de Londres (como a O2 Academy, que será palco para um concerto do Killers em 12 de setembro) e a O2 Arena (que, neste ano, receberá de Foo Fighters a Lady Gaga). E isso sem falar nos atmosféricos pubs londrinos, que podem ser encontrados por toda a cidade.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/bar-la-rennaissance-1505746833807.vm')

Paris, por sua vez, também tem uma vida noturna agitada –mas, para muita gente, a noite da cidade combina mais com um bistrô regado a vinho do que com uma pista de dança enlouquecida. Mesmo assim, há grandes compositores franceses de música eletrônica e, por lá, é possível curtir excelentes discotecas como a Wanderlust e a Rex Club. O Concrete Paris, por sua vez, fica bem ao lado do rio Sena e é um lugar que promove festas à noite e também durante o dia. Já para tomar uma cerveja ou vinho com estilo, uma ótima escolha é o Le Café Marly, com mesas bem de frente para a pirâmide do museu Louvre. E para fazer uma caminhada à noite atrás de uns drinques, a área de Montmartre e arredores ainda são uma das mais agradáveis de Paris: lá há bons bares como o La Renaissance (na foto) e o Au Clair de Lune.

Parques

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/regents-park-londres-1505746975145.vm')

Na capital inglesa, está o lendário Hyde Park, com extensos gramados para se deitar e passar a tarde inteira tomando um sol (logicamente se o clima londrino permitir) ou lendo um livro. O Hyde Park também abriga o curioso Speakers' Corner, um canto no qual pessoas sobem em banquinhos para discursar (ou protestar) sobre os mais diversos temas, da ameaça do terrorismo islâmico à cultura ocidental ao penteado da rainha Elizabeth 2ª. Localizado na frente do Palácio de Buckingham, o St. James Park é outra área verde imperdível de Londres, com lago, cisnes e jardins recheados de flores. E o Regent's Park (na foto) tem um dos projetos paisagísticos mais belos de toda a Inglaterra.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/jardin-des-plantes-1505747020793.vm')

Paris, porém, não fica atrás: é lá que está, afinal, o fantástico Jardin du Luxembourg, com mais de 20 hectares de gramados, terrenos forrados de flores, bulevares cercados por árvores, bustos de gênios franceses (como o escritor Gustave Flaubert) e lindas fontes de água. Já o Jardin de Tuileries fica perto do Louvre e é um lugar perfeito para descansar após as longas andanças que o museu impõe (há cadeirinhas para sentar sob as árvores e na frente de fontes de água). E o Jardin des Plantes (na foto) é um jardim botânico com milhares de espécies de plantas e árvores que existe desde 1640.

  • 51049
  • true
  • https://viagem.uol.com.br/enquetes/2017/09/18/entre-paris-e-londres-qual-cidade-voce-prefere.js

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Viagem