Em crítica às redes sociais, holandesa simula viagem de 42 dias pela Ásia

Marcel Vincenti

Do UOL, em São Paulo

Você morre de vontade de viajar pelo mundo, ganhar centenas de curtidas com as fotos da jornada no Facebook, mas não tem tempo (ou dinheiro) para isso? Pois a estudante holandesa de design gráfico Zilla van den Born mostrou que, mesmo sem cair na estrada, é possível tornar-se um viajante popular nas redes sociais. 

Um belo dia, Zilla anunciou a familiares e amigos que estava indo passar férias no Sudeste Asiático. Arrumou as malas, despediu-se de seus pais no aeroporto Schiphol e, ao perdê-los de vista, pegou o trem de volta para sua casa em Amsterdã, onde mora sozinha.  

Nas cinco semanas seguintes, ela produziu, junto com seu namorado e em total segredo, diversas fotos que a mostravam curtindo as praias da Tailândia, praticando snorkelling no oceano Índico, saboreando comidas exóticas e até meditando ao lado de monges. Tudo isso sem sair da capital holandesa -- onde é possível encontrar restaurantes asiáticos aos montes e alguns templos budistas.

As fotos nas paradisíacas praias tailandesas, por sua vez, foram devidamente montadas no Photoshop (no retrato do snorkel, ela está dentro de uma piscina, com peixinhos coloridos feitos em computador nadando ao seu redor). 

Durante 42 dias, Zilla postou diversas destas imagens em sua página no Facebook, recebendo uma enxurrada de curtidas e comentários elogiosos de seus parentes e amigos. E aí ela revelou: era tudo uma farsa -- ou, na verdade, tudo parte de um projeto universitário que buscava mostrar como a vida reproduzida nas redes sociais não é, necessariamente, um relato verdadeiro da vida real. 

A iniciativa ganhou repercussão em mídias do mundo inteiro: em entrevista ao jornal britânico "Daily Mail", Zilla conta que seu objetivo era mostrar "como é fácil distorcer os fatos na internet. É um lugar onde nós criamos um mundo ideal que não existe na realidade". 

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos