Topo

Viagem

Passeio pelos fiordes da Noruega mostra cenários de contos de fada

Louise Sottomaior

Do UOL, na Noruega

25/02/2013 08h02

Deitar numa confortável chaise long à beira-mar, ver o sol se por além dos montes nevados saboreando um bom vinho espumante e esperar o céu estrelado brindar a noite com a esperança de que ela traga também as luzes dançantes da aurora boreal. Na Noruega, é possível vivenciar todas essas experiências. E nem é tão frio assim: na capital, Oslo, a média de temperatura no verão é de 21 graus.

Do tradicionalíssimo Hotel Ullensvang (N-5787 Lofthus, tel. 47 5367-0000, www.hotel-ullensvang.no), em Lofthus, à beira do Hardangerfjorden, o terceiro maior fiorde do mundo, com 175 km, é possível realizar passeios de um dia para caminhar, esquiar, explorar em lanchas ou sobrevoar de helicóptero a região considerada uma das mais bem preservadas do mundo. E admirar do alto como estas entrâncias do mar pelo continente são torneadas por montanhas de até 1.000 metros de altura, encimadas por neve o ano todo e marcadas na primavera por quedas d’água do degelo e cachoeiras de mais de 400 metros de altura.

Grande parte dos fiordes noruegueses são margeados por estradas ziguezagueantes salpicadas de casinhas vermelhas reunidas em pequenas cidades ou vilarejos, muito distantes umas das outras. De espaço os noruegueses não se ressentem. O reino inteiro tem menos de cinco milhões de habitantes em uma área do tamanho de um estado e meio de São Paulo.

Entre a paisagem, destacam-se hotéis luxuosíssimos e extremamente aconchegantes, não apenas pelo conforto, mas especialmente pela hospitalidade. É o caso do Ullensvang, mas também Alexandra (N-6789 Loen, tel. 47 5787-5000, www.alexandra.no), em Loen, à beira do fiorde Nordfjord, e do Kvikes Hotel, (N-6898 Balestrand, tel. 47 5769-4200, www.kviknes.no), em Balestrand, à beira do Sognefjorden, o segundo mais extenso fiorde do planeta, com 204 km.

Assim como o Hardangerfjorden e o Sognefjorden, o Geiranger e o Flam (outros dos maiores fiordes do mundo) cruzam o sul do país. Todos eles se iniciam na costa sudoeste, onde se concentram a maioria das centenas de fiordes noruegueses. Por isso se recomenda que eles sejam explorados a partir de Bergen, embora a maioria dos voos internacionais leve a Oslo, no sudeste. Nada mal, já que as duas cidades reúnem o melhor da Noruega: tradição e modernidade, requinte e valorização da natureza, seja pela paisagem, pela preservação do meio-ambiente ou pelo consumo de alimentos naturais, especialmente as suas berries.

Bergen é a segunda maior cidade do país, embora tenha apenas 261 mil habitantes. É também o principal centro cultural e histórico. Um milênio atrás ela já se destacava como a principal cidade comercial do norte europeu. A principal atração histórica é Bryggen, um conjunto de casas de madeira tombadas pela Unesco como patrimônio histórico, que empresta seu nome à rua e ao bairro onde fica. A duas quadras dali, fica o Fish Market, o mercado pesqueiro mais famoso da Escandinávia. Os peixes e frutos do mar da Noruega são imperdíveis. Lá é pescado o melhor bacalhau do planeta, chamado "bacalhau verdadeiro".  Salmão e outros frutos do mar também são estrelas da cozinha local, que inclui até carne de alce, rena e baleia, cuja pesca é liberada pelo reino norueguês.

Os peixes e os frutos do mar podem ser provados gratuitamente no Fish Market, mas se a ideia é fazer uma refeição com apresentação mais elaborada, não deixe de visitar o restaurante Cornelius, na ilhota Holmen, a minutos de lancha do centro da cidade (Holmen v/ Bjoroy, tel. 47 5633-4880,

Oslo, com 600 mil habitantes, é muito mais cosmopolita, sem deixar de ser bem escandinava – e valorizar a natureza e o requinte com muita simplicidade. E é também bem mais quente - a temperatura pode chegar a 30°C no verão. Os noruegueses vêm reclamando do trânsito: às vezes se demora meia hora pra cruzar a cidade. Quem está acostumado a circular pelas capitais brasileiras vai adorar conseguir visitar todas as atrações demorando minutos entre uma e outra, quaisquer que sejam elas: o castelo-fortaleza Akershus, a Opera House, o City Hall, o Vigeland Sculpture Park, inúmeros prédios históricos e atrações culturais, como museus sobre embarcações, vikings e o folclore norueguês. Até as atrações de esqui ficam a minutos do centro, incluindo Holmenkollen, um dos ski-jumps mais famosos do mundo, além de contar com mais de 2.000 km de trilhas e mais de 60 ski lodges para se esquentar, comer e beber.

A vida noturna e descolada também acontece perto de tudo, especialmente em Aker Brygge, o charmoso cais no centro da cidade que empresta o nome à principal rua dali e àquela região. Uma dica é ficar no First Hotel Grims Grenka (Kongens Gate 5,  tel.  47 2310-7200, www.firsthotels.com), o único hotel design de Oslo, a uma quadra da avenida KarlJohans Gate, que liga a estação central ao palácio real.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Viagem