menu
Topo

Viagem


Caribe e México têm destinos paradisíacos pouco explorados pelos brasileiros; conheça-os

EDUARDO VESSONI<br>Colaboração para o UOL

2011-11-24T06:00:00

24/11/2011 06h00

Nem só de Cancún, Aruba e Punta Cana vivem os destinos tropicais da América Latina. Abaixo, selecionamos cinco locais paradisíacos -- quatro deles na região caribenha e um no México. Entre atrações como mergulho, praias tranquilas, galerias naturais, museus, fortes e até mesmo compras, descubra o destino que mais combina com você.

::BARBADOS

  • Scott Gries/Getty Images

De um lado, faixas de areias brancas banhadas pelas águas calmas do Caribe. Do outro, na costa leste, praias com formações rochosas, falésias e ondas fortes do oceano Atlântico. Essa é a variada geografia dessa ilha de 430 km² que, recentemente, entrou para a lista de destinos caribenhos visitados por brasileiros, sobretudo depois que o destino começou a receber voos diretos do Brasil.

Bridgetown (foto acima) é a capital e a principal porta de entrada desse território que ainda guarda características culturais do encontro de índios ameríndios provenientes da Venezuela, ingleses colonizadores que chegaram à região em 1625 e africanos escravos levados à ilha para trabalharem nas plantações de tabaco e algodão.

Porém o destaque de Barbados, a mais oriental das ilhas do Caribe, ainda são as praias espalhadas pelos 97 km² de costa. Fora do mar, o rum é cartão postal. Há mais de 300 anos, o destilado de cana-de-açúcar ganhou fama entre navegadores ingleses; atualmente, o destino abriga a fábrica de rum mais antiga do mundo, em funcionamento desde 1703.

Atrações
Caverna Harrison:
Os túneis subterrâneos dessa caverna de calcário cristalizado podem ser visitados em passeios de bonde que percorrem pouco mais de 2 km de trilhas ou a pé, cujas caminhadas duram até 4 horas. Os destaques são os lagos interiores e o Great Hall, salão natural com 15 metros de altura e formações que costumam paralisar os visitantes por sua beleza. Mais informações: www.harrisonscave.com

Concorde Experience: O que fora um dia símbolo de alta tecnologia da aviação funciona, atualmente, como um museu dedicado a esse supersônico, onde é possível até arriscar manobras em um simulador de voo. Mais informações: www.barbadosconcorde.com

  • Divulgação

    Praia na ilha caribenha de Barbados

Island Safari: Esse é um dos passeios mais populares em toda a ilha, cujo roteiro de até um dia é realizado em jipes que levam visitantes com espírito mais aventureiro para atrações naturais das costas leste e nordeste como praias e atrativos históricos como o moinho de açúcar Morgan Lewis. Os tours são operados por empresas como Island Safari e Adventureland.

Locais históricos: O passado histórico de Barbados, formado pelo encontro de culturas trazidas da Europa, África e até Ásia, pode ser relembrado em atrativos como o Barbados Museum, com galerias instaladas no interior de um antigo presídio da metade do século 19; e a Bridgetown Jewish Synagogue, sinagoga construída em 1654 pelos judeus que vinham do Brasil fugidos dos holandeses.

Passeio de submarino: O mar do Caribe e sua beleza marinha já são motivos suficientes para tornar esse um dos passeios mais famosos de Barbados, onde os passageiros embarcam em uma viagem a até 45 metros de profundidade. As saídas diurnas e noturnas passam por arrecifes de corais e até por um barco naufragado. Mais informações: www.barbados.atlantissubmarines.com

Destilaria de rum Mount Gay: Considerada a mais antiga do mundo, essa destilaria de rum foi fundada em 1703 e recebe os visitantes com um tour que inclui visita às dependências para conhecer o processo de fabricação da bebida típica da ilha, introdução à história do produto em um pequeno museu local, degustações e almoço. Outras informações: www.mountgayrum.com

Praias: Com 60 praias e mais de 3 mil horas de sol, Barbados é o paraíso dos banhistas e amantes dos esportes aquáticos. A costa oeste é recomendada para os que procuram relaxar. O impressionante sul da ilha reserva praias de ondas fracas, ideais para a prática de windsurfing e kitesurfing, como a bela Silver Sands e a popular Miami Beach. Já os esportistas preferem as agitadas costas norte e leste.

Como chegar
A única companhia que conta com voos diretos para o destino, a partir de São Paulo, é a Gol. A viagem tem duração de cerca de seis horas e acontece aos sábados. De Miami, a empresa American Airlines opera voos diretos diários com duração de 3h30.

Importante: Viajantes provenientes do Brasil devem portar o comprovante da vacina contra febre amarela que deve ser tomada com antecedência mínima de 10 dias. Informações sobre procedimentos podem ser encontradas no site da Anvisa: http://portal.anvisa.gov.br

Onde se hospedar
Embora a costa oeste seja a mais popular, devido às praias de águas tranquilas do Caribe, esse setor abriga os hotéis mais caros do destino. As alternativas para aliviar o bolso são a capital Bridgetown e a região sul da ilha.

Informações turísticas: www.visitbarbados.org

::SAINT-BARTH

  • Mark Mainz/Getty Images

Ela é minúscula (tem apenas 25 km²), possui uma geografia árida de rochas vulcânicas, conta com apenas 14 praias e sua população não chega a 9 mil habitantes. Mesmo assim, Saint-Barthélémy, ou Saint-Barth como é conhecida, é um dos lugares mais exclusivos do Caribe. Localizada nas Antilhas Menores, a sudeste de Sant Maarten, a ilha vem se firmando tanto entre as preferências de visitantes famosos e endinheirados como também entre os que procuram destinos menos óbvios do cobiçado Caribe.

Descoberta por Colombo, em 1493, a ilha foi batizada em homenagem ao irmão desse navegador genovês e, nas décadas seguintes, esteve sob o comando de países como a França, Suécia e até Malta. A ilha encanta não só pelo mar de tons que dispensam explicações, o principal cartão postal da região, mas também pela hospitalidade de seus moradores e exemplares arquitetônicos remanescentes do período em que Saint-Barth esteve sob domínio sueco, sobretudo em Gustavia, a pequena capital (foto acima mostra o porto local).

A alta temporada vai de dezembro a abril e o período de furacão, frequente por aquelas bandas, é de setembro a outubro.

Praias
Sem dúvida, as pequenas e belas faixas de areia são o principal atrativo para quem visita Saint-Barth. O destino conta com apenas 14 praias, todas públicas e com entrada gratuita (algo nem sempre comum em certos destinos caribenhos). Entre as mais populares estão Corossol, localizada em uma baía ao norte de Gustavia, próximo a uma vila de pescadores que costumam deixar seus barcos atracados no local; Flamands, no noroeste da ilha, a maior (e mais popular) praia de Saint-Barth que costuma ficar cheia nos meses de verão; Gouverneur; pequena e isolada baía com areias finas e mar de tons turquesas, situada ao Sul da ilha; Grand Cul de sac, praia do lado oriental da ilha com águas mais quentes, paraíso dos amantes dos esportes náuticos; Public, situada próximo à área comercial da ilha, com uma pequena faixa de areia rodeada por águas calmas; Saline, praia que mesmo sendo a segunda maior de Saint-Barth é um dos trechos mais tranquilos de todo o destino; Shell Beach, praia a poucos metros de Gustavia, a capital da ilha, conhecida pelas areias lotadas de belas conchas de diversos tons e formatos.

  • Mark Mainz/Getty Images

    Lojas na rua principal de Gustavia

Atrações
Mergulho: É quase uma ofensa visitar Saint-Barth e não realizar, ao menos, alguma atividade náutica como mergulho ou snorkeling em uma de suas baías lotadas de corais que, desde 1999, estão protegidas como reserva marinha. Os locais mais recomendados estão na região da ilhota de Pain de Sucre, próximo ao porto de Gustavia, e l'Ane Rouge, na baia de Colombier.

Museu de Conchas: O pequeno museu abriga mais de 9 mil tipos de conchas trazidas de todos os continentes do mundo. A atração funciona de terça a sábado das 9h às 12h30 e das 15h às 17h.

Passeio de submarino: Esse submarino semi submersível realiza passeios a quase 2 metros de profundidade e de suas 24 janelas é possível avistar animais como tartarugas, tubarões e os restos de um naufrágio.

Vitet: Esse é o ponto mais alto de Saint-Barth e dos 286 metros de altura dessa colina é possível ter uma vista exclusiva de toda a ilha.

Como chegar
St Maarten, ilha caribenha a 2h45 minutos de Miami, é a principal via de acesso a Saint-Barth. O voo de 15 minutos é operado por empresas como Winair e St Barth Commuter. Quem preferir chegar pelo mar, ambos destinos do Caribe estão conectados por um ferry que conta com três saídas diárias. A viagem dura 45 minutos. Mais informações: www.greatbayferry.com

Importante: Brasileiros que visitam a ilha por até 30 dias precisam apenas de passaporte válido e vacina contra febre amarela, além do bilhete de retorno. Porém, quem viaja via Estados Unidos (via obrigatória e mais rápida para quem vem do Brasil) deve ter em mãos o visto americano para as conexões.

Onde ficar
As leis locais de proteção ambiental impedem que edifícios e imensos resorts sejam erguidos na ilha, de modo que as hospedagens incluem vilas luxuosas que representam 70% das opções hotelerias e pequenos hotéis. O Auberge Petite Anse e o Sunset Hotel são opções que cabem nos bolsos menos folgados. Para quem quiser (e puder) entrar no clima luxuoso da ilha, o hotel Guanahani & Spa, localizado em uma peninsula particular, é o lugar certo. Tenha em conta que alugar um carro é condição básica para aproveitar os atrativos mais afastados.

Informações turísticas: www.st-barths.com / www.saintbarth-tourisme.com

::CARTAGENA DAS ÍNDIAS

  • Eduardo Vessoni/UOL

Localizada a mais de 1 mil km de Bogotá, essa cidade tem talento para agradar a todo tipo de viajante. De um lado, possui um setor histórico amuralhado que não só colocou Cartagena na lista dos destinos mais visitados em todo o país, mas também garantiu ao destino o título de Patrimônio Cultural da Humanidade. Do outro, abriga praias às margens de um cobiçado Caribe colombiano.

Quem visita 'La Heroica', como Cartagena ficou conhecida desde a época de disputas entre piratas e espanhóis, costuma encantar-se tanto com seu setor histórico como com as impressionantes faixas de areia branca que recortam águas calmas e transparentes. E já que Cartagena é território de contrastes, as opções de entretenimento parecem não fugir à regra e o destino oferece um cardápio que vai desde praias isoladas em ilhas próximas à cidade até discotecas ambulantes que circulam à noite por Cartagena.

Atrações
Centro histórico:
Seus 13 km de muralhas e as 16 fortalezas remanescentes da época da coroa espanhola parecem transportar o visitante ao período em que piratas costumavam chegar a aquelas terras em busca de tesouros escondidos. Entre o casario colonial e ruas escondidas de paralelepípedos, destacam-se construções religiosas como a Catedral de Cartagena e o Templo Santo Domingo; o Palacio de la Inquisición, um casarão do final do século 18 que abriga objetos da época da inquisição no Caribe; e o Museo del Oro Zenú, cujo acervo conta com peças de ouro desde 500 a.C. Outro destaque do setor são as belas e animadas Plaza Aduana e Plaza de los Coches que abrigam estabelecimentos comerciais localizados em antigas construções coloniais e pontos de embarque para as tradicionais carruagens que fazem tours pela região.

Castillo de San Felipe de Barajas: Se você não tiver tempo para visitar todas as fortalezas e fortes de Cartagena, reserve ao menos uma manhã para conhecer esse que é considerado um dos principais símbolos arquitetônicos do destino. Erguido em 1656 sobre uma colina do lado de fora do setor amuralhado, esse forte guarda até hoje exemplares de canhões, túneis subterrâneos e plataformas com vistas exclusivas da região.

Parque Nacional Natural Los Corales del Rosario y de San Bernardo: Sem dúvida, esse parque de 120 mil hectares guarda os cenários mais isolados e belos do destino. Localizado a 45 km da Baía de Cartagena, no mar do Caribe, esse atrativo é formado por ecossistemas submarinos, como os arrecifes de coral. As águas cristalinas e de baixa profundidade favorecem e fascinam os visitantes que praticam mergulho ou snorkeling. A região é formada pelos arquipélagos Nuestra Señora del Rosario e San Bernardo, e pode ser visitada em passeios de um dia que saem do píer turístico de Cartagena. O tempo de viagem (de 40 minutos a três horas) varia segundo a embarcação contratada e o roteiro escolhido. Uma das paradas mais tradicionais é na Playa Blanca, na Isla Barú, a duas horas de Cartagena. Outro destaque é o oceanário da ilha San Martín de Pajarales, no arquipélago de Rosario. O local abriga apresentações de golfinhos e tubarões, e aquários com arraias, cavalos marinhos e lagostas.

Praias: Evite as praias urbanas, como Bocagrande. Os tons mais escuros das águas e a movimentação de automóveis pouco lembram as águas esverdeadas do mar do Caribe. A melhor opção é contratar alguns dos tours que têm como destino os arquipélagos de Rosario e San Bernardo.

Como chegar
Bogotá, a capital da Colômbia, é via mais rápida até o destino e seu aeroporto conta com voos diários operados por companhias aéreas como Avianca e Copa. A viagem dura pouco mais de uma hora.

Onde ficar
Para fugir da agitação do centro histórico de Cartagena, opte pelos hotéis localizados nos arquipélagos de Rosario e San Bernardo, ou na Isla Barú. Certamete, a paisagem vista do lado de dentro do quarto valerá cada centavo investido. Isla Grande, em Rosario, abriga uma opção simples de pousada administrada por habitantes locais. Mais informações: www.ecohotellacocotera.com

Informações turísticas: www.cartagenadeindias.travel

Guia de destinos: Veja mais fotos e informações sobre Cartagena das Índias

::CURAÇAO

  • Heloísa Dall'Antonia/UOL

Visitar essa ilha de pouco mais de 400 km², que ao lado de Aruba e Bonaire forma o ABC do Caribe, é quase como ter a oportunidade de passar alguns dias dentro de uma cidade cinematográfica. Localizado nas Antilhas Holandesas, o destino possui praias de águas turquesas recortadas por areias finas e brancas; é dono de um dos pontos de mergulho mais cobiçados da região; abriga cavernas que foram usadas como esconderijos; tem um simpático casario de estilo barroco do século 18 que ganhou o colorido dos tons pasteis nos setores mais turísticos; e fala um curioso idioma próprio que reúne vocabulário emprestado do português, espanhol, inglês, holandês e francês, conhecido como papiamento.

Nem os visitantes com atenção voltada para as compras passam imunes. Curaçao é uma espécie de duty free a céu aberto e comercializa produtos estrangeiros livres de impostos.

Para completar a lista de boas notícias, o destino está fora da rota dos temidos furacões que costumam passar por outras ilhas no Caribe. Dá para negar que Curaçao parece mesmo coisa de cinema?

Atrações
Cassinos:
Localizados no interior dos hotéis, os cassinos são as opções de entretenimento mais famosas entre turistas estrangeiros. Arrisque a sorte em locais como o Casino Awasa, Hill Ross Casino, Royal Casino e Veneto Casino.

Cavernas Hato: Essas cavernas situadas ao norte de Willemstad serviram de esconderijo para os índios aruaques, cujas pinturas rupestres de 1500 anos podem ser observadas no local, e também para escravos fugitivos. Seus corredores subterrâneos de formação calcária fazem parte de uma área de quase 5 mil m² que é visitada graças à bela iluminação artificial interna e ao acompanhamento de guias locais.

Compras: Os produtos comercializados na ilha são livres de impostos e tornam o destino uma espécie de duty free ao ar livre, considerado o maior de todo o Caribe. Mercadorias de todas as partes do mundo são vendidas com descontos de até 30% em setores comerciais como Punda.

  • Noeli Menezes/Folhapress

    Banhistas em Kenepa, no extremo oeste de Curaçao

Curaçao Sea Aquarium: Localizado em Bapor Kibra, esse aquário é considerado o único do mundo a possuir um exclusivo sistema em que sua água é trazida, constantemente, do mar. Mais informações: www.curacao-sea-aquarium.com

Mergulho: Águas transparentes com excelente visibilidade, naufrágios e recifes de corais são atrações que fazem de Curação um dos lugares no Caribe mais famosos entre mergulhadores. Uma das atrações é o Car Pile, curiosa sequência de carros afundados, propositalmente, pelos moradores locais em que as estruturas servem para o desenvolvimento de corais e refúgio de animais. Naufrágios podem ser observados em Coral Reef, onde se encontram os restos do navio Superior Producer; e Caracas Bay, cujas águas rasas abrigam o naufragado Tug Boat.

Otrobanda: O destaque do simpático bairro de Curaçao, situado do outro lado da Baía St. Anna, é o colorido casario colonial reformado que abriga restaurantes e lojas. Próximo dali, não deixe de visitar o Rif Fort, um preservado forte erguido pelos holandeses para defender a região, em 1828.

Praias: As águas calmas (sobretudo no sudoeste da ilha), mar de tons turquesas e areias brancas que formam pequenas praias não deixarão o visitante esquecer que está sobre território caribenho. Destaque para locais como Kenepa, a praia mais popular; a bem equipada praia localizada no terreno do Seaquarium; e a extensa faixa de areia de Klein Curaçao, ilha desabitada localizada a duas horas de barco da costa de Curaçao. Para frequentar algumas praias da ilha é necessário pagar uma taxa de entrada.

Como chegar
Não existem voos diretos entre São Paulo e Willemstad, em Curaçao. As companhias aéreas costumam comercializar passagens com escalas ou conexões em cidades como Brasília, Aruba, Bogotá e até Miami. O trecho é operado por empresas como American Airlines, Avianca e Gol. Um meio diferente de visitar a ilha é a bordo de um dos cruzeiros que saem de Fort Lauderdale (EUA), com destino a ilhas do Caribe, inclusive Curaçao. Mais informações: Celebrity e Princess Cruise. O país não exige visto de entrada, mas é necessário ter em mãos a passagem aérea de retorno. Lembre-se que quem viaja via Estados Unidos deve portar também o visto americano.

Onde ficar
Assim como em outros destinos do Caribe, a ilha investe em empreendimentos hoteleiros do tipo resort, embora seja possível encontrar hotéis com tarifas mais modestas. Para quem não está de carro, o centro de Willemstad é a melhor opção, pois possui acesso fácil às atrações mais urbanas.

Informações turísticas: www.curacao.com

Guia de destinos: Veja mais fotos e informações sobre Curaçao

::LOS CABOS

  • Eduardo Vessoni/UOL

Poucos brasileiros sabem, mas o belo e fascinante México tem muito mais a oferecer para o turista estrangeiro do que os tradicionais destinos às margens do mar do Caribe. Do outro lado do país, entre o oceano Pacífico e o Mar de Cortés, um estreito território semidesértico abriga uma das regiões mais exclusivas em terras mexicanas: Los Cabos, o único destino da nossa lista que não fica na região caribenha. Localizado no norte do México, em uma península conhecida como Baixa Califórnia, o destino reúne, em um mesmo lugar, mar de tons esverdeados, tranquilas praias de areias finas e um imenso território desértico que costuma abrigar expedições curtas de quadriciclo.

Cidades como San José del Cabo e Cabo San Lucas, conectadas por uma estrada de 32 km chamada Corredor Turístico, são as principais atrações da região e oferecem atividades com estilos tão diferentes que nem parecem fazer parte do mesmo destino. A primeira é um típico povoado mexicano de ruas estreitas que abrigam construções históricas e simpáticas lojas de arte. Já Cabo San Lucas recebe os visitantes com a agitada vida noturna que acontece nos inúmeros bares, discotecas animadas pelo som de Djs e restaurantes.

Atrações
Cabo San Lucas:
É da movimentada marina local que saem os passeios marítimos com visitantes para pontos como a isolada Playa del Amor, no final da Baía de San Lucas, e El Arco, uma rocha esculpida, naturalmente, que fica na ponta entre o oceano Pacifico e o Mar de Cortés. A região abriga também uma colônia de focas e leões marinhos. A maneira mais econômica para chegar à região é com os táxis aquáticos que saem da própria marina. Do outro lado, às margens do Pacífico, está a Playa del Divorcio que, nos horários de maré baixa, pode ser visitada a partir da Playa del Amor. O Mar de Cortés, cujas águas foram declaradas como Aquário do Mundo por Jacques Cousteau, também é procurado para a prática de mergulho em setores próximos a Cabo San Lucas como Piedra Pelícano, Dedo de Neptuno e Las Cuevas.

  • Eduardo Vessoni/UOL

    Refeição em Los Cabos com tacos recheados e guacamole

Cacti Mundo: Em um destino como Los Cabos, nada como um parque em homenagem ao principal símbolo do deserto: o cacto. Localizado em San José del Cabo, o jardim botânico abriga diferentes espécies da típica planta encontrada em áreas desérticas do México e do resto do mundo. O destaque são os jardins, minuciosamente desenhados com cactos. Mais informações: www.cactimundo.com

El Estuario: Situado em San José del Cabo, o parque protegido abriga mais de 200 espécies de aves tropicais atraídas pelas águas dessa área considerada uma das poucas fontes de água doce de todo o estado. A atração conta com passarelas para observação de animais migratórios e plantas dos manguezais do local. O local está à leste da cidade, próximo ao Boulevard Mijares.

Faro Viejo: As dunas de areia próximas a esse farol com mais de cem anos são o cenário para excursões de 3 horas em quadriciclos. O serviço pode ser contratado nas agências de Cabo San Lucas.

Parque Nacional Cabo Pulmo: Localizado a 63 km de San José, o parque abriga o único arrecife de corais vivo do norte do continente e está localizado em uma área de 7 mil hectares. A região conta com pouca estrutura turística, mas é popular para a prática de esportes marítimos.

Como chegar
O aeroporto mais próximo ao destino fica a 12 km de San José del Cabo, cujo terminal recebe voos da Cidade do México, 1h30 de viagem, e São Francisco, nos Estados Unidos, um trajeto com 3 horas de duração. Os voos com escalas são operados por empresas como Aeroméxico, Delta e Continental.

Onde ficar
O 'Corredor Turístico' abriga os hotéis mais luxuosos da região. As opções mais econômicas de pousadas e hostels se encontram em San José.

Informações turísticas: www.visitloscabos.travel / www.visitmexico.com

Saiba mais: Los Cabos tem beleza e isolamento

Mais Viagem