36 horas em uma das metrópoles mais atraentes do Sudeste Asiático, Kuala Lumpur

NAOMI LINDT

New York Times Syndicate

Situada na junção de dois rios, Kuala Lumpur significa "confluência lamacenta" em malaio, mas esta cidade que cresce rapidamente redefiniu a si mesma. Com seus altos arranha-céus, cozinha estelar e vida noturna agitada, a capital malasiana despontou como uma das metrópoles mais atraentes do Sudeste Asiático, oferecendo todos os confortos de uma grande cidade, mas em uma escala mais amistosa.

Não são apenas os rios que convergem: fundada em 1857, Kuala Lumpur é cheia de justaposições estranhas. Velhos cafés se encontram sob vias expressas reluzentes. Os chamados à oração atraem profissionais de colarinho branco das torres de aço e vidro. E grupos étnicos díspares - malasianos, chineses e indianos - convivem nos shoppings brilhantes e parques arborizados, dando a esta cidade um sabor cosmopolita sem igual na região.


  • Rahman Roslan / The New York Times

    O edifício Sultan Abdul Samad (Jalan Raja) exibe uma mistura de arquitetura moura e mongol que resume o estilo preferido dos colonialistas


Sexta-feira

16h - Origens coloniais
Há 150 anos, Kuala Lumpur, ou KL como os moradores locais a chamam, era pouco mais que um posto avançado encardido, aberto na mata pelos exploradores de estanho chineses. Mas o comércio lhe serviu bem e, no final, a Praça Merdeka (no cruzamento da Jalan Raja e Lebuh Pasar Besar) se transformaria no centro da vida colonial britânica. A praça ampla, margeada por palmeiras, é cercada por marcos de 100 anos de idade como o edifício Sultan Abdul Samad (Jalan Raja), que exibe uma mistura de arquitetura moura e mongol que resume o estilo preferido dos colonialistas. Apropriadamente, a praça também é o local onde os malasianos declararam sua independência do Reino Unido, em 1957.

18h30 - Alto luxo
Medite sobre a ascensão astronômica da cidade bebendo um coquetel de champanhe no SkyBar, um lounge futurista no Traders Hotel (Kuala Lumpur City Centre Park; 60-3-2332-9888; www.skybar.com.my). O bar, no 33º andar (o espaço é dominado pela piscina do hotel), oferece vistas perfeitas para fotos das Torres Gêmeas Petronas. Reserve um dos sofás em tons violetas para um assento de primeira fila enquanto os prédios prateados, recortados, começam a acender suas luzes para a noite. Drinques a partir de 29 ringgits (cerca de US$ 8,75, com o dólar cotado a 3,30 ringgits).

20h - Consumo garantido
Como muitos dos lugares de destaque na cidade, o Enak KL (Starhill Gallery, 181 Jalan Bukit Bintang; 60-3-2141-8973; www.enakkl.com) fica em um shopping center. Ele serve o melhor da cozinha malasiana na cidade em um espaço elegante, repleto de móveis pesados de madeira e arte batique nas paredes. Os pratos, preparados lentamente, ricos e condimentados, são baseados em receitas passadas por gerações na família Razaly, os proprietários. Experimente o rendang de carne defumada (27 ringgits), os camarões grelhados com molho de tamarindo (28 ringgits) e o kambing masak merah: perna de cordeiro coberta com cardamomo, canela e tomate apurado (45 ringgits).

22h - Traje casual
Como o nome sugere, o clube No Black Tie (17 Jalan Mesui; 60-3-2142-3737; www.noblacktie.com.my) foi concebido como um antídoto ao conservadorismo das salas de música clássica. Mas de lá para cá ela se transformou em um dos pontos noturnos mais ecléticos e bacanas da cidade. Coberto em teca polida em tom de mel e cintilando com luz de velas, a casa noturna oferece jazz, world music, cabaré, poesia e, sim, apresentações de música clássica, atraindo um público endinheirado que bebe vinho e belisca os canapés japoneses. Couvert a partir de 30 ringgits.


  • Rahman Roslan / The New York Times

    Interior do lounge futurista do Traders Hotel. O bar, no 33º andar, oferece vistas perfeitas para fotos das Torres Gêmeas Petronas


Sábado

10h - Decoração divina
A arquitetura por si só é motivo suficiente para visitar o Museu de Arte Islâmica da Malásia (Jalan Lembah Perdana; 60-3-2274-2020; www.iamm.org.my) de domo turquesa. Construído em 1998, os interiores brancos da estrutura de quatro andares são silenciosos, arejados e saturados de luz natural - perfeitos para contemplação da coleção de arte decorativa islâmica. Após admirar os velhos pergaminhos com caligrafia, as espadas incrustadas de joias e cobertores de cavalo bordados, leve seu entendimento esclarecido do design e iconografia islâmicos à Masjid Jamek (Jalan Tun Perak), uma das mesquitas mais antigas da cidade e com decoração em mármore rosa e marfim.

12h - Canto dos pássaros
Os intermináveis congestionamentos da cidade ganham uma versão divertida no KL Bird Park (920 Jalan Cenderawasih, Lake Gardens; 60-3-2272-1010; www.klbirdpark.com), onde seu trajeto é dividido com íbis escarlates com tons psicodélicos, pavões e pombas-goura-vitória, cujas tiaras de penas azuis fazem seus primos nova-iorquinos desmazelados passarem vergonha. O aviário de 8,5 hectares possui mais de três mil aves representando 200 espécies, sendo que algumas, como o arisco casuar e o falante lório arco-íris, você pode alimentar. Você também pode se alimentar no Ikan Bakar Asli Pak Din (Stall No. 5, Tanglin Food Court, Jalan Cenderasari; 60-12-320-1731), um banca a dez minutos de caminhada que serve um excelente peixe grelhado por 5 ringgits.

14h - Curso cultural intensivo
Inicie sua excursão pela miscelânea étnica da Malásia na Little India, onde as ruas estreitas pulsam com música de Bollywood, lojas de seda produzem ternos do Punjabi, ambulantes vendem panqueca roti e homens amarram guirlandas de jasmim. Se abasteça com um copo de teh tarik, uma mistura de chá preto e leite condensado, antes de seguir para a vizinha Chinatown, uma área movimentada, com lojas que vendem cópias de bolsas, ervas medicinais e jogos de chá delicados.

Para um momento tranquilo, entre no Templo Sin Sze Si Ya (14a Lebuh Pudu), de 145 anos, um espaço cheio de incenso e lanternas vermelhas onde os budistas vão para ler a sorte. Finalmente, tome um táxi para atravessar a cidade até a tranquila Kampung Baru, onde a vida aldeã malasiana transcorre em palafitas de madeira em tons pastéis, queimadas de sol, cercadas por buganvílias de cor rosa intensa.

19h - Bancas de rua
Apesar de KL contar com uma boa dose de chefs de categoria Michelin, a melhor culinária talvez seja encontrada nas cozinhas de rua, como nos camelódromos. A área de alimentação altamente popular ao longo da Jalan Alor começa a funcionar por volta das 16h, servindo macarrão frito no wok, servido pelando, frutos do mar cozidos na hora e churrascos de dar água na boca até tarde da noite. Experimente o Cu Cha (71-75 Jalan Alor) para pratos como o char kway teow (5 ringgits), macarrão chato de arroz frito com moluscos e camarão. Siga para o W.A.W. Restaurant (7 Jalan Alor) para aquele que pode ser a melhor asa de frango do mundo (4,40 ringgits).


  • Rahman Roslan / The New York Times

    Na área de alimentação da Jalan Alor, em Kuala Lumpur, experimente o Cu Cha para pratos como o char kway teow, macarrão chato de arroz frito com moluscos e camarão


22h - Cidade do pecado
Apesar dos esforços do governo malasiano para coibir a bebida alcoólica, impondo um pesado "imposto do pecado", os bares prosperam em Kuala Lumpur - uma tendência bastante evidente ao longo do trecho da Changkat Bukit Bintang, ou CBB. A rua é margeada por gastropubs irlandeses, danceterias e restaurantes da moda. Entre os pontos mais badalados estão o Werner's on Changkat (50 Jalan Changkat Bukit Bintang; 60-3-2142-5670; www.wernerskl.com), um bar com tema vermelho e preto de apenas um ano, onde os martinis de maracujá (28 ringgits) são acompanhados por ritmos envolventes. A poucos passos de distância fica o Cloth & Clef (30 Jalan Changkat Bukit Bintang; 60-3-2143-3034) de concreto e tijolos, que atrai jovens belos com bandas independentes ao vivo e DJs. Para uma experiência plena de danceteria, tome um táxi até o Zouk (113 Jalan Ampang; 60-3-2171-1997; www.zoukclub.com.my), um complexo com seis pistas de dança com temas individuais.



Domingo

10h - Conversa no café
As kopi tiam, ou cafés, já foram parte integral da sociedade malasiana, mas são difíceis de encontrar atualmente. Felizmente, o bate-papo em meio a um café não diminuiu no Yut Kee (35 Jalan Dang Wangi; 60-3-2698-8108), que serve kopi peng (café gelado com leite adoçado) desde 1928. Atualmente em sua terceira geração, o café arejado é adorado por seu roti baba (7,50 ringgits), uma panqueca deliciosa recheada com carne de porco desfiada e cebolas, mergulhados em molho inglês.

12h - Loucos por shoppings
Como grande parte do Sudeste Asiático, Kuala Lumpur é um cidade de shoppings - afinal, a temperatura costuma pairar acima dos 30ºC. Há muitas opções, mas entre os mais interessantes está o Sungei Wang Plaza (Jalan Sultan Ismail; 60-3-2148-6109; www.sungeiwang.com), uma meca dos adolescentes, com cerca de 700 lojas vendendo lenços de cabeça coloridos, microminis enfeitadas com lantejoulas, dispensadores de Pez Hello Kitty e camisetas com frases tipo "O Amor é Todo Necessidade" -outro exemplo das convergências exuberantes e imprevisíveis da cidade.


  • Rahman Roslan / The New York Times

    O luxuoso Starhill Gallery, em Kuala Lumpur


O básico

Para chegar a Kuala Lumpur normalmente é necessário fazer escalas em Hong Kong, Seul ou Doha. Uma viagem de táxi de uma hora até o centro da cidade custa cerca de 90 ringgits, ou US$ 27, com o dólar cotado a 3,30 ringgits; um trem expresso de 30 minutos custa 35 ringgits.

O Mandarin Oriental (Kuala Lumpur City Centre; 60-3-2380-8888; www.mandarinoriental.com/kualalumpur) oferece vistas da silhueta da cidade e quartos com camas king, banheiros de mármore e mesas de cabeceira ornamentadas com orquídeas frescas. Diárias a partir de 539 ringgits, sem incluir impostos.

O Hotel Equatorial (Jalan Sultan Ismail; 60-3-2161-7777; www.equatorial.com) com 270 quartos tem localização central, camas confortáveis, piscina ao ar livre e ótimo serviço. Quartos a partir de 260 ringgits, sem incluir impostos.

Tradução: George El Khouri Andolfato

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos