Presidente peruano propõe uso de helicópteros para levar turistas a Machu Picchu

Da Ansa

LIMA, 30 JAN (ANSA) - O presidente do Peru, Alan García, propôs hoje que pelos próximos dois meses um helicóptero seja usado no transporte de turistas para Machu Picchu, já que a linha férrea que levava ao complexo arqueológico foi destruída pelas chuvas que atingiram a região.

Com esta proposta, o mandatário peruano tenta evitar que as enchentes e os deslizamentos de terra prejudiquem ainda mais a economia da região. O sítio arqueológico de Machu Picchu é considerado o ponto turístico mais visitado da América Latina.

Nos últimos dias, o governo local -- com apoio de outros países -- enviou helicópteros para resgatar os 4 mil turistas peruanos e estrangeiros que ficaram ilhados no sul do país devido as precipitações desta semana.

Por sua vez, o Instituto de Defesa Civil do Peru (Indeci) informou hoje que ao menos 20 pessoas morreram e cinco estão desaparecidas. Das vítimas fatais, dez estavam no departamento (estado) Ayacucho, três em Puno, três em Huancavelica e outras quatro na região de Cuzco.

A instituição confirmou também que 37.933 peruanos perderam tudo o que tinham; outras 67.155 sofreram a perda de partes de seus bens nas enchentes. Apenas em Cuzco, 35.115 habitantes não possuem mais nada em virtude das chuvas.

Na cidade de Aguas Calientes, nas proximidades de Machu Picchu, a situação ainda é delicada. O governo decretou o estado de emergência e enviou US$ 400 mil em mantimentos, pois o comércio está completamente desabastecido.

Resgate Por sua parte, o ministro de Comércio Exterior e Turismo do Peru, Martín Pérez Monteverde, confirmou que no fim da tarde de ontem as aeronaves empregadas no resgate dos turistas ilhados concluíram suas operações. Somente na sexta-feira, 1.460 pessoas foram transferidas para locais seguros.

"Não há mais um único turista em Machu Picchu. A polícia inspecionou todos os hotéis e as casas da população local para se assegurar de que não turistas não permaneceram na área do sítio arqueológico", disse Pérez Monteverde.

"Esta foi uma operação sem precedentes em nosso país. No total, foram evacuadas 4.005 pessoas sãs e salvas", completou o ministro, segundo informou a Promperú, a agência de promoção do turismo no país sul-americano.

Pérez Monteverde também informou que nove cônsules de diferentes nações foram levados a Cuzco para se certificarem de que as operações foram concluídas com sucesso.

A região de Cuzco decretou estado de emergência por 60 dias devido aos danos causados pelas precipitações. O ministro do Turismo também informou que viajará ainda hoje a Machu Picchu junto com uma comitiva para verificar se as inundações danificaram o complexo arqueológico inca.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos