Na França, passeio mostra como a arquitetura moderna concebe habitações criativas

SALLY MCGRANE

New York Times Syndicate

O paraíso não exatamente vem à mente quando se passa caminhando pelas fileiras de apartamentos de concreto não ornamentados que compõem La Cité des États-Unis -ou Cidade dos Estados Unidos -um dos primeiros complexos habitacionais sociais modernistas da França, no despretensioso 8º Arrondissement, em Lyon.

Alguns poucos grafites marcam as paredes de seis andares. Restaurantes de cuscuz e kebab são sonolentos em meio à calmaria de meio de tarde. Grupos de homens jovens se encontram na calçada e flertam com as mulheres, enquanto casais de idosos franceses e famílias jovens de imigrantes cuidam de seus afazeres.

Mas o complexo habitacional de 1.410 unidades foi considerado um modelo utópico quando foi construído, em grande parte nos anos 20 e início dos anos 30, oferecendo confortos esclarecidos como banheiros privados, água encanada e coleta de lixo. Agora, três quartos de século depois, ele é a primeira parada de um novo passeio turístico -chamado Utopies Réalisées, ou Utopias Realizadas- sobre os esforços da arquitetura moderna para conceber lugares ideais para viver.

Iniciado em março pela autoridade urbana regional de Lyon, o passeio destaca quatro projetos habitacionais de vanguarda e um convento, todos de fácil acesso do centro de Lyon. Ao longo do caminho, ele traça "o desenvolvimento de uma nova linguagem na arquitetura", disse Gilles Ragot, um professor de história da arquitetura na École Nationale Supérieure d'Architecture et de Paysage em Bordeaux, que ajudou a criar o passeio. Ele disse que os prédios cobrem o desenvolvimento do modernismo e incluem duas obras-primas de Le Corbusier.

O passeio em si ainda é uma obra em progresso. As visitas aos três locais menos conhecidos podem ser erráticas. O problema pode demorar mais para ser resolvido no espetacular Couvent de la Tourette de Le Corbusier, onde uma disputa em junho, entre os monges dominicanos e um centro cultural agora desativado, levou ao cancelamento abrupto das visitas.
  • Divulgação/Regionurbainedelyon

    Dependências do espetacular Couvent de la Tourette de Le Corbusier


Ainda assim, as propriedades são todas abertas ao público. E como todos os complexos continuam sendo moradias ativas, com um grande número de famílias de classe trabalhadora multiétnicas, os passeios oferecem um vislumbre cotidiano de um lado menos conhecido das cidades e subúrbios da França.

A mais antiga utopia no passeio, La Cité des États-Unis, é a menos notável, mas ressalta as duras condições de vida da época. Quando o complexo foi encomendado por Édouard Herriot, o prefeito progressista de Lyon em 1919, a ideia de apartamentos com banheiros privados, gás encanado para cozinhar e uma ênfase na luz solar e em estufas era considerada radical. Na época, a maioria dos trabalhadores franceses vivia em cortiços sem água corrente, eletrodomésticos modernos ou saneamento básico.
  • Divulgação/Regionurbainedelyon

    O arquiteto Tony Garnier buscou projetar uma cidade industrial ideal

Inspirado pelo romance "Travail" de 1901 de Émile Zola, sobre um jovem industrial que constrói uma cidade utópica, o arquiteto Tony Garnier buscou projetar uma cidade industrial ideal, com moradias confortáveis para as classes mais baixas, instalações médicas, árvores, uma estação de trem, bibliotecas, museus, escolas, teatros e campos esportivos -mas sem igreja ou delegacia de polícia.

Como vale para todos os complexos utópicos do passeio, os atuais moradores expressam grande afeição por seu lar.

"É difícil conseguir um apartamento aqui atualmente", disse Florian Gilles-di Pierno, um morador de terceira geração que recentemente concedeu aos visitantes uma visita improvisada, quando o guia previsto não compareceu. Listas de espera para as unidades com aluguel subsidiado chegam a dois a quatro anos. "Eu morei aqui toda minha vida", ele disse, "e acho que morrerei neste bairro".

A segunda parada -o passeio é organizado cronologicamente- leva os visitantes à cidade de Villeurbanne, vizinha de Lyon ao leste. Le Quartier des Gratte-ciel, ou Distrito Arranha-Céu, foi concluído em 1934 a pedido de um prefeito que era médico e estava perturbado com o número de doenças entre os trabalhadores causadas por má higiene. Construídas com floreios art déco, as várias estruturas do complexo incluem oito prédios residenciais em forma de zigurate, com 9 a 19 andares de altura, ao lado de uma rua movimentada, margeada por árvores. Ele parece um Rockefeller Center menor e mais plano.
  • Divulgação/Regionurbainedelyon

    A cidade de Villeurbanne é vizinha de Lyon


Hoje, o complexo se mistura de forma esquisita à cidade moderna que brotou ao seu redor, mas em 1934, os prédios se erguiam sobre uma paisagem pastoral. A primeira leva de moradores, especulam historiadores do bairro, incluía muitos refugiados judeus que fugiam dos nazistas.
Para os fãs de arquitetura, as principais atrações são os dois complexos projetados por Le Corbusier: o impressionante Couvent de la Tourette do pós-guerra e o igualmente fascinante Firminy-Vert.

O Couvent de la Tourette, um convento dominicano consagrado em 1960, fica a cerca de 45 minutos fora de Lyon. Grande o bastante para 100 monges dormirem, comerem, rezarem e estudarem, o prédio é um experimento em forma. Situado em uma encosta íngreme, a estrutura de concreto bruto é tanto alegre quanto imponente -um grande bloco retangular perfurado com recortes que criam leveza inesperada.

Como o convento foi originalmente construído com concreto barato, grandes reformas estão em andamento. Até recentemente, convidados podiam até mesmo pernoitar nas celas simples dos monges, mobiliadas apenas com uma mesa e escrivaninha, além de conter uma sacada. Mas essa possibilidade, assim como as visitas com guias, foi suspensa por ora, devido a disputas entre o centro cultural do convento e os monges.
  • Divulgação/Regionurbainedelyon

    Fãs de arquitetura vão adorar os complexos projetados por Le Corbusier:



As outras obras-primas de Le Corbusier estão em Firminy-Vert, planejado em 1954 por arquitetos que seguiam suas ideias (ele se juntou ao projeto em 1955), com 1.070 apartamentos de aluguel barato, um centro cultural, um estádio esportivo e uma igreja na cidade de mineração industrial de Firminy, a pouco mais de uma hora de Lyon. A maravilhosa igreja de concreto de Le Corbusier, St.-Pierre de Firminy, é a atração principal. Ela foi concluída em 2006, após décadas de atraso.

Uma peça central é sua Unité d'Habitation, ou Unidade Habitacional -uma estrutura de concreto de 20 andares que lembra uma pintura gigante de Mondrian, com sacadas de concreto destacadas com planos de cores brilhantes. Uma escola primária, atualmente fechada, ocupava o último andar.

Alguns tours levam os visitantes até dentro de um modelo do apartamento de dois quartos, mobiliado em 1967, revelando detalhes inteligentes como a forma como a sacada de cada apartamento fica ligeiramente mais alta do que o piso, para não obstruir a luz e vistas do apartamento de baixo.

"Este foi um ótimo lugar para crescer", disse Djamal Derdiche, o guia turístico. Enquanto ele falava, um homem estava gritando e acenando com os braços do outro lado da rua. "Nós temos até o louco da aldeia", disse Derdiche. "Mas nós gostamos dele."

O complexo final, La Cité des Étoiles, ou a Cidade das Estrelas, fica na surrada, mas vibrante, cidade de Givors, ao sul de Lyon. Construída entre 1976 e 1982, ela foi concebida como um protesto contra o anonimato dos conjuntos habitacionais públicos que eram ubíquos na época na França. Em vez de celas quadradas anônimas, os 207 apartamentos descem em uma cascata de triângulos a partir de uma coroa de estrelas de cinco e seis pontas, de forma que cada unidade é única.
  • Divulgação/La Cité des Étoiles

    Os apartamentos da Cité des Étoiless descem em uma cascata de triângulos a partir de uma coroa de estrelas de cinco e seis pontas


Apesar de La Cité des Étoiles ser vanguardista demais para alguns, Andrée Evin, uma moradora octogenária, disse que ela considera seu apartamento um pedacinho do céu.

"Os terraços são maravilhosos", ela disse. "Toda manhã, eu vou até lá fora e bebo minha xícara de café."

Como chegar lá

Os trens de alta velocidade TGV percorrem regularmente o trajeto entre Paris e o centro de Lyon. A passagem de ida e volta para a viagem de duas horas custa a partir de US$ 87 quando comprada online (www.raileurope.com).

Se você for permanecer na região central de Lyon, é possível chegar à maioria dos locais por transporte público. Para uma maior flexibilidade, pode ser preferível alugar um carro.

Onde ficar

O Mercure Lyon Centre Grande Hôtel Château Perrache (12 cours de Verdun-Rambaud, esplanade de la Gare; 33-4-7277-1500; www.mercure.com) é um hotel belas-artes elegante no centro da cidade, ao lado da estação de trem. Quartos a partir de 90 euros (US$ 130,50, com o euro cotado a US$ 1,45).

Visitando a utopia

Informações sobre o passeio Utopies Réalisées podem ser encontradas no site da autoridade urbana regional de Lyon, www.regionurbainedelyon.fr. É uma boa ideia ligar antecipadamente e conferir os horários e disponibilidade de guia, já que os horários dependem da temporada.

La Cité des États-Unis/Musée Urbain Tony Garnier (bonde T4, parada Musée Urbain Tony Garnier; 4, rue des Serpollieres; 33-4-7875-1675; www.museeurbaintonygarnier.com). Passeios de duas horas são oferecidos nas tardes de sábados e custam 6 euros. A visita a um apartamento mobiliado custa 2,50 euros e ocorre com mais frequência; telefone à tarde para o museu para informações mais específicas.

Le Quartier des Gratte-ciel (Metrô Linha A, parada Gratte-ciel; Le Rize, Centre Mémoires & Société, 23-25, rue Valentin Haüy, Villeurbanne; 33-4-3757-1717; www.mairie-villeurbanne.fr). Comece pela prefeitura de Villeurbanne, na praça Lazare-Goujon, e caminhe por esse bairro por conta própria. Visitas ocasionais com guia estão disponíveis para indivíduos.

Le Couvent de La Tourette (trem TER regional, parada na Gare de L'Arbresle, Domaine de La Tourette; www.couventlatourette.com). Por ora, as visitas ao convento estão suspensas, mas ainda é possível caminhar pelo seu terreno e admirar o prédio pelo lado de fora.

Site Le Corbusier de Firminy-Vert (trem TER regional, parada em Gare de Firminy; rue de St.-Just-Malmont, Firminy; 33-4-7761-0872; www.sitelecorbusier.com). Uma visita a todo o local, incluindo um apartamento, leva três horas e custa 8 euros. Durante o verão, Firminy-Vert oferece uma visita matinal e vespertina todo dia.

La Cité des Étoiles (trem TER regional, parada em Gare de Givors-Ville; praça Henri Barbusse, Givors; 33-4-7807-4138; www.otfleuvegivorsgrigny.fr). Visitas são realizadas todo terceiro domingo do mês às 10h30 da manhã, com saída da praça principal, por 3 euros. Telefone com antecedência para confirmar. Os visitantes também podem caminhar pelo complexo habitacional desacompanhados. Certifique-se de ir quando o mercado estiver aberto, das 7h ao meio-dia às quartas, sextas e domingos.

Tradução: George El Khouri Andolfato

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos