Perambulando por ruas silenciosas e pouco iluminadas de Veneza

ELIZABETTA POVOLEDO

New York Times Syndicate

  • Dave Yoder/NYT

Os venezianos geralmente não circulam por Veneza à noite --a maioria dos restaurantes tende a fechar cedo e os poucos bares que permanecem abertos após a meia-noite (vários na Campo Santa Margherita) não proporcionam uma vida noturna particularmente agitada. Até mesmo os gondoleiros tendem a pendurar seus remos cedo.

"No verão, nós geralmente estamos cansados na hora do jantar", disse um remador. "É um horário movimentado para nós."

Ao turista que se recusa a se conformar com o ritmo da cidade, restam as ruas praticamente vazias do fim de noite de Veneza. E, na verdade, não há melhor forma de permitir que a beleza intrínseca de Veneza lance seu encanto do que perambular por suas ruas escuras e silenciosas.

Tendo o barulho das águas como trilha-sonora abafada, uma caminhada pós-meia-noite pelos bairros de San Polo e Santa Croce pode ser uma das formas mais românticas --apesar de ligeiramente sinistra-- de experimentar a cidade. Pegue o trajeto um tanto assustador à igreja gótica de Santa Maria Gloriosa dei Frari caminhando ao longo da calli (como as ruas são conhecidas) pouco iluminada, que dá no Campo San Polo, estranhamente silencioso após um dia barulhento. Perder-se, o que já é fácil durante o dia e é praticamente inevitável à noite, apenas aumenta o frisson da tensão.

Ou por que não sentar um pouco em um dos bancos no vizinho Campo San Giacomo dell'Orio? Se você se entregar ao silêncio --lembre-se, não há barulho de trânsito como distração-- é possível escutar o eco distante de passos, o som de uma televisão por trás de uma janela fechada.

Após se cansar disso, siga até a Ponte Rialto, onde a Erbaria, a feira diurna de hortifrutis, se transforma em um ponto badalado para as corujas noturnas. Faça como os moradores locais: peça um copo de algo em um dos cerca de meia dúzia de bares e restaurantes como o Naranzaria (39-041-724-1035; http://www.naranzaria.it), que abre todos os dias, exceto na segunda-feira, até as 2 horas da manhã e serpenteia até a praça adjacente. Certamente estará cheio de vida.

Mas a apenas poucos passos de distância, virando a esquina, se encontra outra rua mal iluminada aguardando para conduzir você de volta à escuridão.

Tradução: George El Khouri Andolfato


Divulgação

Praga


Uma vez por mês, música alta e pulsante dentro de um bonde que circula pela madrugada da cidade

Ler matéria


Yannis Kolesidis/NYT

Atenas


À noite, o Parthenon brilha como uma jóia e o monte Lycabettus sedia animados clubes e bares da capital grega

Ler matéria


Jonathan Player/NYT

Londres


A madrugada no mercado de Covent Garden mostra que a noite da capital britânica vai além dos clubbers e punks

Ler matéria


Jakob Dall/NYT

Copenhague


Ao cair da noite, a cidade dá adeus ao estereótipo de certinha e permite que sua vida noturna floresça

Ler matéria


Maria Luisa Stock/UOL

Berlim


Sem restrições de público, o Clärchens Ballhaus reúne de jovens modernos a casais de meia idade na capital alemã

Ler matéria


Richard Harbus/NYT

Paris


No anoitecer da Cidade Luz, uma visita a um tradicional clube de bilhar, com direito a gin fizz e brandy

Ler matéria


James Hill/NYT

Moscou


Na frenética Moscou do século 21, serviços 24 horas não faltam —e livrarias ofertam cultura aos notívagos

Ler matéria


Ed Alcock/NYT

Lisboa


Na bela capital portuguesa, casas de fado mantêm a tradição reverberando música pela madrugada

Ler matéria


Steafno Buonamici/NYT

Barcelona


O mítico absinto é o drink oficial do Marsella, o bar mais antigo da badalada e notívaga metrópole espanhola

Ler matéria


Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos