Viagem

Aiuruoca esconde belezas naturais e um estilo de vida típico do sul de Minas

Mari Bueno
Imagem: Mari Bueno

De Zé Garcez

28/08/2007 16h39

Localizada na Serra da Mantiqueira, a uma altitude de 980m, Aiuruoca é uma pacata cidade de 6.500 habitantes que esconde em seus entornos muitas belezas naturais e um estilo de vida bem típico do sul de Minas.

Aiuruoca possui uma exuberante floresta com espécies que variam de acordo com a altitude e vão desde bosques de araucária à biodiversidade da mata atlântica.

Existem inúmeras cachoeiras na região, onde se destaca a Cachoeira dos Garcias, na qual a queda d'água forma uma piscina natural de águas cristalinas, perfeita para um longo banho. Há ainda as cachoeiras localizadas na Reserva Ambiental do Matutú como as do Fundo, do Meio e das Fadas, a do Batuque, sendo as duas primeiras com acesso por uma trilha de aproximadamente 1 hora no meio da mata, nas quais aconselha-se o acompanhamento de um guia local, que pode ser solicitado na sede administrativa da reserva.

Em tupi-guarani, a palavra aiuruoca quer dizer casa de papagaio, devido à grande quantidade de papagaios do peito roxo que habitavam a região. Em homenagem a esses pássaros foi dado o nome de Pico do Papagaio à montanha mais alta da região, com 2.300m de altura. Explorar esse lugar é um convite aos aventureiros, pois possui uma visão privilegiada e suas trilhas são repletas de bromélias e orquídeas.

Além do trekking, outros esportes que podem ser praticados são o off-road, mountain bike, rapel e escalada.

Para se hospedar, há várias opções, tanto no centro de Aiuruoca quanto no Vale do Matutú, com preços para todos os bolsos. Com acesso bem acidentado, a grande dica para quem gosta de off-road é o Abrigo do Lado de Lá, situado a 1.800m de altitude. Fica próximo a vários poços e cachoeiras, inclusive a Dos Garcias. Guilherme, o dono da pousada, também é uma atração à parte, com inúmeras histórias das loucuras do Arpoador nos anos 70 e de suas viagens pelo Brasil e pelo mundo.

No quesito gastronomia o destaque vai para a truta defumada do restaurante Kiko e Kika. Com todo o processo de defumação feito no local, é uma das delícias da região. Vale à pena experimentar as geléias preparadas pelos donos da pousada Ajuru, que são oferecidas no delicioso café da manhã. Diz a lenda que foi em Aiuruoca também que nasceu o queijo prato, motivo de orgulho de seus habitantes.

O Carnaval é outra peculiaridade do lugar. Como foi proibido por um padre reacionário na década de 30, resolveu-se realizá-lo então na semana anterior ao Carnaval tradicional, sendo esta a maneira encontrada pela população local para driblar tal proibição. Hoje em dia, esta antecipação tornou-se um trunfo para a cidade, que recebe foliões ávidos para brincarem um Carnaval fora de época.

Para quem parte de São Paulo (485 km), a melhor opção de acesso à cidade é seguir pela Rodovia Fernão Dias (BR-381), sentido Belo Horizonte. Depois de passar São Gonçalo do Sapucaí, deve-se pegar a BR-267 sentido Aiuruoca. Para quem sai do Rio de Janeiro (348 km) deve seguir pela BR-116 (Dutra) até a entrada de Engenheiro Passos. Ir no sentido Aiuruoca, passando por Itamonte, Pouso Alto e Caxambu.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Viagem

Topo