Topo

Viagem

Veja bebidas típicas de países pelo mundo que podem derrubar qualquer um

Do UOL, em São Paulo

01/10/2016 11h00

Provar receitas culinárias diferentes é parte essencial de qualquer viagem. Porém, além de bons pratos, diversos países pelo mundo oferecem bebidas alcoólicas saborosas (e às vezes extremamente fortes) que podem agradar quem gosta de um trago.

Sim, a Rússia tem a vodca e o México, a tequila. E, logicamente, a França tem seus refinados vinhos. Mas, abaixo, montamos uma lista que apresenta bebidas alcoólicas mais desconhecidas e que, muitas vezes, são parte importante da cultura de determinado destino turístico.

Conheça-as e decida se você gostaria de provar alguma delas. 

 

  • Manuel Gonzalez Olachea/Creative Commons

    Pisco

    Peru e Chile promovem o pisco como as suas bebidas tradicionais. O fato é: em ambos os países, este destilado de uva é altamente consumido na forma do drinque conhecido como pisco sour, que leva pisco, açúcar, limão e, às vezes, clara de ovo (que lhe dá uma textura toda especial). É uma bebida "perigosa" como a caipirinha: docinha, refrescante, mas que pode deixar a pessoa embriagada rapidamente.

  • Luisricardo/Creative Commons

    Fernet

    O fernet é uma bebida criada na Itália, mas que é altamente consumida na Argentina (e acabou virando um símbolo do país sul-americano). Ela é feita com ervas e plantas (como ruibarbo) e é conhecida por seu sabor extremamente amargo. Com grau alcoólico médio de 45%, a receita é geralmente consumida com Coca-Cola e é considerada digestiva. É fácil encontrá-la em bares e baladas da Argentina.

  • Hhaithait/Creative Commons

    Shochu

    Além do saquê, uma bebida alcoólica muito consumida no Japão é o shochu, um destilado que costuma ser feito de batata doce ou arroz (e cujo teor alcoólico médio é de 30%). É uma bebida de sabor forte sempre presente nos "izakaya", que seriam algo como os botecos japoneses. Ela tende a deixar o consumidor embriagado mais rápido do que o saquê. Por isso, tome cuidado e não termine a noite dormindo bêbado nas escadas do metrô de Tóquio (como fazem muitos japoneses boêmios)

  • DGFritz/Creative Commons

    Singani

    O singani é um dos símbolos da boemia boliviana. É atrás dele que muitos jovens vão atrás quando querem se embebedar no fim de semana, pois o preço tende a ser barato e o efeito, bem forte. Feito de uva, a bebida destilada tem teor alcoólico que facilmente passa dos 40%. Os bebedores mais fortes tomam a bebida pura, bebericando ou num gole só. Mas muita gente mistura a bebida com Coca-Cola e outros refrigerantes. É um produto muito consumido nas discotecas de La Paz.

  • Creative Commons

    Rakia

    A rakia é talvez a bebida mais típica dos Balcãs. Em uma viagem por países como Sérvia, Albânia, Macedônia, Bósnia e Bulgária, espere encontrar garrafas do produto sendo vendidas em profusão e até produzidas dentro da casa de famílias tradicionais. O sabor, logicamente, é extremamente forte, lembrando um pouco a intensidade da cachaça. É preciso ter cuidado: duas ou três doses de rakia pode colocar o turista no mundo da lua. Na Sérvia, a bebida é altamente associada à cultura do país.

  • Christine Zenino/Creative Commons

    Ginjinha

    Portugal é conhecido pelos vinhos, mas, na nação lusitana, o turista também pode provar o delicioso licor conhecido como ginjinha. A bebida é feita de uma fruta parecida com a cereja, é docinha e geralmente consumida após as refeições, como digestivo. Não deixa de prová-la em uma viagem a terras lusitanas.

  • Juan Marín/Creative Commons

    Aquavit

    Em uma viagem à Noruega, se você gostar de um trago, não deixe de bebericar uma dose de aquavit, uma bebida alcoólica de batata e especiarias muito apreciada na Noruega. A fabricante Linie Aquavit afirma que, antes de ir para o mercado, seu produto repousa em barris de carvalho durante 12 meses. Depois, os barris são colocados nos porões de navios que, durante quatro meses, fazem uma viagem de ida e volta entre a Noruega e a Ásia, cruzando a linha do Equador duas vezes. De acordo com a empresa, a jornada e as mudanças de temperatura ajudam a refinar o sabor da bebida.

  • Creative Commons

    Arak

    O Líbano é um país com grande população muçulmana, cuja religião proíbe o consumo de bebidas alcoólicas. Mas, no país árabe, muitos nativos (especialmente os cristãos) consomem o arak, bebida destilada com sabor de anis tomada antes ou junto com refeições. É costume colocar uma dose de arak no copo e despejar um pouco de água na bebida, o que a deixa com uma coloração leitosa e um sabor mais suave. Muitos libaneses gostam de tomá-la em praias de lugares como Beirute e Byblos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Viagem