Templo para ratos e comedores de cadáveres: veja por que a Índia é única

Marcel Vincenti

Colaboração para o UOL

É impossível se sentir indiferente durante uma viagem à Índia. Trata-se do tipo de país onde se aplica perfeitamente a frase "ou você ama ou você odeia". 

Neste território de aspectos extremos, tudo acontece com intensidade: desde o movimento das caóticas ruas superlotadas até os fervorosos rituais realizados diariamente, em todos os cantos, pelos fiéis das mais diferentes confissões religiosas.

E, no meio desta rotina frenética, o turista se depara com imagens que dificilmente veria em outra nação, indo de animais adorados como divindades a homens hindus que comem carne humana.

Abaixo, veja algumas razões pelas quais a Índia pode ser considerada como o país mais original do mundo. Se um dia você quiser visitar a nação asiática, prepare-se: suas caminhadas cruzarão com cenas jamais vistas na sua vida (ou em qualquer outro lugar da Terra).

Tevapapras/Creative Commons
Tevapapras/Creative Commons

Cremação ao ar livre

Não é lenda: cadáveres são cremados diariamente ao ar livre às margens do rio Ganges. Os hindus acreditam que o fogo ajuda a alma a se libertar dos restos mortais dos falecidos e, ao terem suas cinzas jogadas neste curso d'água, eles aumentarão suas chances de se libertar do ciclo de reencarnações aos quais os seres vivos estariam condenados. Turistas podem se aproximar e observar o ritual de perto. A parte do Ganges que banha Varanasi, uma das mais sagradas cidades do hinduísmo, é um dos lugares mais almejados para a cremação dos hindus. Não é só na Índia, porém, que são realizadas cremações ao ar livre. Isso também acontece, por exemplo, no Nepal, que tem uma grande população hinduísta.
Rajesh Kumar Singh/AP
Rajesh Kumar Singh/AP

Sala de espera da morte

E não é só ver corpos sendo consumidos pelo fogo ao ar livre que pode surpreender o turista na Índia. Atrás da "ghat" (escadaria que leva ao Ganges) onde os corpos são cremados, há uma espécie de favela recheada de velhinhos vindos de todas as partes da Índia, muitos deles de aspecto doentio e com uma missão: esperar pela morte. É possível vê-los dentro de casebres ou sentados sobre ruelas de terra. O objetivo de cada um deles é falecer perto do Ganges, ser cremado às suas margens e ter suas cinzas jogadas no rio, para realizar o ciclo descrito acima.
Rajesh Kumar Singh/AP
Rajesh Kumar Singh/AP

Bebendo água sagrada (e poluída)

Há uma história, não comprovada, mas muito comentada no mundo dos viajantes, de que mais da metade dos turistas que visita a Índia terá problemas de intoxicação alimentar pelo menos uma vez durante a jornada. E não deve ser exagero: este repórter, que esteve no país por dois meses, ficou seriamente doente algumas vezes por lá e conheceu muita gente que passou pela mesma situação (e isso, provavelmente, por comer uma saladinha não muito bem lavada em algum restaurante). Por isso, é chocante ver fiéis bebendo as águas do Ganges durante o lindo ritual hindu realizado diariamente em Varanasi antes do amanhecer. Os hindus acreditam que as águas do Ganges purificam a alma e muitos a bebem. O problema é que a parte do Ganges que banha Varanasi é extremamente poluída, com esgoto, restos mortais humanos e até cadáveres de vacas sagradas sendo jogados no local todos os dias. "Este rio é tão sagrado que não nos faz mal", dirão muitos hindus se questionados se não têm medo de ingerir a água do Ganges
Peter McCBride/National Geographic Creative
Peter McCBride/National Geographic Creative

Vacas sagradas (e miseráveis)

Uma das contradições mais fascinantes da Índia é a situação das vacas. O animal é respeitadíssimo pelo hinduísmo, que o vê, entre outras qualidades, como uma fonte de alimento (principalmente o leite, mas não a carne) que foi vital para a sobrevivência de muitas comunidades camponesas que se estabeleceram no subcontinente indiano no passado. Mas, mesmo tendo este alto status na cultura indiana, é normal ver vacas em situação de miséria nas cidades do país: magras, sujas e comendo lixo (e isso inclui pedaços de jornal e de cartolina). Ao mesmo tempo, não é raro ver o trânsito parar no momento em que uma vaca está atravessando uma rua em alguma metrópole indiana.
Fulvio Spada/Creative Commons
Fulvio Spada/Creative Commons

Veneração a ratos

Muitos cristãos adoram as imagens plácidas de Maria e do corpo crucificado de Jesus. A maioria dos muçulmanos, por sua vez, não cultua imagens. Já na Índia há um lugar frequentado por fiéis que veneram ratos. Trata-se do templo de Karni Mata, localizado na cidade de Deshnok, onde, diariamente, centenas de pessoas vão para cultuar e alimentar com leite os roedores (que circulam aos milhares pelo lugar). Reza a lenda que Karni Mata foi uma mulher hindu do século 14 que, durante uma viagem pelo deserto, viu seu enteado morrer afogado enquanto ele tentava beber água de um poço. Karni Mata é considerada uma reencarnação da deusa Durga e, durante sua vida, por causa disso, teria tido poderes sobrenaturais. Segundo os fiéis de Deshnok, ela usou esses poderes para trazer de volta à vida seu enteado, mas na forma de um rato. E também decretou que todos os seus descendentes, depois que morressem, reencarnariam como roedores. Atualmente, os frequentadores do templo de Deshnok veneram os ratos ali presentes como a prole legítima de Karni Mata. Turistas são bem-vindos no local.
Archit Ratan/Creative Commons
Archit Ratan/Creative Commons

Comedores de carne humana

Os sadhus estão entre os personagens mais interessantes e fotogênicos da Índia. Eles são os homens hindus que resolvem se desprender de todos os bens materiais e passam a viver pedindo esmolas, meditando, a rezar e estudando textos religiosos (principalmente os hinduístas). Seu objetivo é se desprender dos prazeres mundanos, transcender à condição humana e, com isso, atingir "moksha" (libertação do ciclo de reencarnações que prende os homens aos sofrimentos da Terra). Neste universo, há os "aghori", que adotam uma prática única: eles comem carne de cadáveres humanos. Eles fazem isso, entre outras razões, para provar que podem transcender de verdade à condição do homem, mostrando que nada do que é material pode afetá-los.
Saurabh Das/AP
Saurabh Das/AP

Festival para 120 milhões

Devotos hindus tomam banho ritualístico na confluência dos rios sagrados hindus Ganges, Yamuna e Saraswati, no festival do Maha Kumbh Mela, em Allahabad, na Índia. As peregrinações que levam o nome de Kumbh Mela são consideradas as maiores reuniões religiosas do planeta, mobilizando até 120 milhões de pessoas, que se juntam nos cursos de água mais sagrados do país em uma cerimônia de purificação da alma. Um dos principais personagens dessas celebrações são os sadhus nagas, homens que fazem a peregrinação nus com o corpo coberto por cinzas.
AP Photo/Mukhtar Khan
AP Photo/Mukhtar Khan

Um romântico lugar bélico

Outra contradição indiana: uma de suas regiões mais românticas é, ao mesmo tempo, uma de suas regiões mais tensas. É a Caxemira, uma área de maioria muçulmana no extremo norte do país que é reivindicada pelo Paquistão e por grupos independentistas. Esta disputa já gerou diversos conflitos armados na região, o que acaba por esconder o que a área tem de melhor: lindas regiões montanhosas, extensos rios, uma população majoritariamente amigável com turistas e românticos hotéis que operam sobre casinhas flutuantes nos lagos da área. O principal deles é o lago Dal, onde é possível passear de "shikara" (uma linda embarcação local) e comprar flores de barqueiros durante o tour aquático. Mas é preciso checar a situação da segurança na Caxemira antes de ir pra lá.
Getty Images
Getty Images

A Índia, porém, é mais do que isso

Além de ser palco para situações chocantes, a Índia não é um país onde acontecem apenas eventos exóticos. O país também está recheado de atrações turísticas mais "tradicionais", como o esplêndido Taj Mahal (visto ao pôr do sol na foto acima), as lindas mesquitas de Nova Delhi, o ambiente cosmopolita de Mumbai, as praias baladeiras de Goa e as cidades coloridas do deserto do Rajastão. Mas, sim, é um território caótico que requer energia para ser explorado. Brasileiros precisam de visto para entrar na Índia. Informe-se com o serviço consular do país sobre quais são as exigências para conseguir a autorização de entrada. Mais informações sobre visto: www.portalconsular.mre.gov.br

UOL Cursos Online

Todos os cursos