Topo

Viagem

Nem toda festa junina é igual: veja diferenças nas comemorações pelo país

Do UOL, em São Paulo

24/06/2016 18h45

"Arraiá" que se preze tem que ter paçoca e pé-de-moleque. Mas estas iguarias juninas são bem diferentes dependendo da região do País que você vai visitar durante o mês de junho.

E não é só no quesito gastronômico que há diversidade: trajes e homenagens também podem variar nas comemorações juninas pelo Brasil. De luta contra lampião à história do Bumba Meu Boi, há muitas formas de se celebrar o "São João". Confira abaixo algumas delas.

  • Tatiana Diniz/Folhapress

    Sai a quadrilha, entra o boi

    No Maranhão é o Bumba Meu Boi a estrela da festa. O folclore local tem o auto do boi como uma das principais atrações de São João. Com belas fantasias, música contagiante, enredo e muita animação, a festa na capital, São Luís, reúne elementos culturais de negros, indígenas e portugueses.

  • Divulgação

    Chuva de bala

    Desde 2003, Mossoró (RN) tem uma festa única durante os festejos de São João. Para celebrar a expulsão do bando de Lampião da cidade e contar a história da luta travada com os cangaceiros, que aconteceu em 1927, é encenado o espetáculo "Chuva de Bala no País de Mossoró". A apresentação reúne mais de 60 atores e bailarinos locais, ao ar livre, em frente à Capela de São Vicente.

  • Divulgação

    Quentão para todos os gostos

    Em São Paulo, esta é uma bebida muito comum nas quermesses, feita com cachaça, gengibre, laranja, limão e especiarias. Mas no Rio Grande do Sul é o nome de um drinque feito com vinho, maçã, canela e cravo - e que em São Paulo é batizado de vinho quente.

  • Reinaldo Canato / UOL

    Figurino

    Nem mesmo as fantasias caipiras são unanimidade no País. No Rio Grande do Sul as pessoas também costumam usar trajes típicos gaúchos. Aliás, a vestimenta gaúcha para mulheres é chamada de "prenda", mas este nome, em São Paulo, é dado aos brindes conquistados nas brincadeiras juninas.

  • Roberto Franca/Divulgação

    "O meu é maior!"

    Talvez a maior polêmica junina seja a de quem possui o maior arraiá do País. As cidades de Campina Grande (PB) e Caruaru (PE) travam, há anos, a disputa pelo título não-oficial de maior São João. Nos dois lugares a festa se estende por quase um mês, com grandiosos shows que reúnem milhões de visitantes.

  • Lúcio Tavora/Agência A Tarde/Estadão Conteúdo

    Batalha proibida

    A cidade de Cruz das Almas, na Bahia, tinha a tradição centenária de fazer uma espécie de batalha com fogos de artifício. A chamada Guerra de Espadas, embora produzisse um bonito espetáculo de luzes, era extremamente perigosa e acabava sempre com muitos feridos por queimaduras - só em 2010 foram 315 pessoas, segundo dados da Santa Casa de Misericórdia da cidade. Desde 2011, a festa é proibida.

  • Clara Gouvêa /UOL

    Mesmo nome, pratos diferentes

    Se ao ouvir "paçoca" você já pensa no doce de amendoim triturado, saiba que no Nordeste é assim que é chamado um prato salgado, que leva carne de sol ou charque (como a da foto acima) e farofa. Já o pé-de-moleque pode tanto ser um bolo com castanhas de caju no Nordeste, quanto um doce durinho com pedaços de amendoim, no restante do País.

    "Canjica" também pode soar confuso: no Sul e Sudeste, é um doce feito com grãos de milho, leite e açúcar, entre outros ingredientes. Este prato, no entanto, é chamado de mungunzá pelos nordestinos. Para eles, canjica é uma espécie de mingau de milho - que é conhecido como curau em outras regiões do Brasil.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Viagem