Viagem

Ecoturismo

Navio leva turistas para ver icebergs, aurora boreal e ilhas da Groenlândia

Rafael Mosna

Colaboração para o UOL, na Groenlândia*

11/02/2016 18h41

Aurora boreal, superfície do mar começando a congelar, icebergs gigantescos como prédios e pássaros em ritmo de saída migratória. O cenário, que mais parece um mundo paralelo, resume o que se vê na região leste da Groenlândia durante os meses de setembro e outubro. Por lá, na prática, essa época já é considerada o começo do inverno.

Antes, esqueça a ideia de ir em um roteiro com programação fechada. Isso porque as mudanças climáticas na região ártica são repentinas e, do nada, a camada superior das águas do mar pode virar gelo e impedir a passagem. Mas tudo isso faz parte da aventura, tornando a experiência única.

A reportagem do UOL participou de uma viagem que teve como ponto de partida e chegada a cidade de Akureyri, no norte da Islândia. O estreito da Dinamarca em direção à costa leste groenlandesa foi atravessado com relativa calma a bordo do navio Ocean Nova, operado pela Quark Expeditions, cuja previsão de hospedagem era de oito dias.

Rafael Mosna/UOL
Expedição turística à região leste da Groenlândia é feita em navio de pequeno porte Imagem: Rafael Mosna/UOL

No entanto, os ventos fortes no estreito obrigaram a tripulação a antecipar o retorno em um dia. Enquanto o navio esteve em mar aberto, o balanço foi tamanho que parte dos passageiros encarou o típico enjoo em alto-mar.

Ironicamente, foi nessa última noite de navegação que a aurora boreal se exibiu mais forte e bonita. O fenômeno acontece por causa do choque entre partículas solares e partículas da alta atmosfera, sendo visto em regiões polares, como a Escandinávia (Europa), Canadá e Alasca, ambos no continente norte-americano.

Verde-escuro, verde-musgo, verde-lima, verde-bandeira, verde-claro. Os tons da cor no céu iam e voltavam, movendo-se como holofotes de luz, se sobrepondo ou dando lugar um ao outro.

Para ter a chance de observar o fenômeno ao vivo, melhor programar a sua ida à região entre setembro e março, época em que as noites são mais longas. Contudo, vale lembrar: o show não é garantido, pois depende do céu estar limpo e sem nuvens.

Dia a dia
Grandes cubos de gelo boiavam e roubavam a atenção das primeiras terras avistadas na segunda manhã a bordo. Um passeio em botes infláveis pela área de Fjord foi ambientado por flocos de neve e baixa neblina, mas também se viam montanhas com picos nevados, tanto pontiagudos quanto planos.

Icebergs de cerca de 60m foram apenas uma "palhinha" do que encontraríamos nos dias seguintes: blocos de alturas impressionantes e extensões que chegam facilmente a 1km. “Essa parte que vocês veem fora d’água são apenas 10% do total do tamanho do iceberg”, explicou um dos guias. Sabe a expressão “é apenas a ponta do iceberg”, quando nos referimos a uma dificuldade que acaba sendo pequena analisando o problema como um todo? Vem daí.

As enormes massas de gelo, que com o passar do tempo se mostravam cada vez maiores, eram onipresentes, fosse durante uma palestra sobre a fauna local, durante o café da manhã ou o jantar. Branquíssimas em sua maioria, às vezes era possível avistar menores de cores azul celeste gritante. Nessas, o guia arriscava um contato próximo (é preciso manter distância dos gigantões, pois a queda de um bloco é imprevisível). Em dias claros e sem vento, a água se mostrava como um espelho d’água.

Um iceberg nada mais é que um grande pedaço de gelo que se desprende de uma geleira. Essa é formada pelo acúmulo sucessivo de camadas de neve por anos e anos. Para que isso aconteça, o degelo no verão tem que ser menor do que a concentração ocorrida no inverno.

Rafael Mosna/UOL
Vista de alto de monte em Eskimobugt Imagem: Rafael Mosna/UOL

Em terra firme, os desembarques podem ter diferentes objetivos, como uma caminhada contemplativa ou uma trilha mais puxada, indicada para quem tem um preparo físico razoavelmente bom.

Obviamente que não é preciso ser nenhum atleta, mas disposição e fôlego devem andar de mãos dadas. O lado bom dessa escolha é a possibilidade de se movimentar sem uma manada de turistas a tiracolo, além de alcançar pontos de vista privilegiados para observar mais de perto os animais selvagens.

Foi exatamente esse o caso quando, avançando sobre neve acumulada em 6 cm acima do solo, o grupo de cinco pessoas, incluindo este repórter e o guia, observou a poucos metros de distância uma dupla de boi-almiscarado, bovino nativo de regiões árticas do Canadá, Groenlândia e Alasca, de até 2,5 metros de comprimento e 1,5 metro de altura, bem peludos e de cor preta-amarronzada.

Rafael Mosna/UOL
Grupo de turistas observa bois-almiscarados em Rodefjord, camuflados pela neve Imagem: Rafael Mosna/UOL

Se não fosse a parada em Ittoqqortoormiit, a expedição teria passado sem contato com outros seres humanos. Considerada a cidade mais isolada da Groenlândia, ela é ponto de desembarque de navios turísticos. Além de suas casas charmosas coloridas, veem-se cães da Groenlândia aos montes. Para matar o tempo, há pequenos museus, uma igrejinha e lojas de artesanatos e suvenires.

Na mala, impermeável
A máxima do “não existe clima ruim, existe roupa inadequada” vale bem para uma viagem ao Ártico. Bota, calça, luva e jaqueta impermeáveis são essenciais –ou um tour que deveria ser um momento contemplativo pode virar um pesadelo horroroso.

Vestir em camadas é a dica: uma blusa tipo “segunda pele” que segure o calor do corpo, calças e blusas de lã ou afins. A sensação de frio será relativa: em um passeio de bote, sentado durante quase o tempo todo e com o vento do movimento, é preciso, claro, usar roupas mais robustas do que em uma trilha.

Anote as dicas!

Rafael Mosna/UOL
Casas coloridas no povoado de Ittoqqortoormiit Imagem: Rafael Mosna/UOL

Hadleigh Measham, líder de expedição da Quark Expeditions, já completou cerca de 60 viagens a regiões polares e dá alguns conselhos para quem pretende conhecer a região.

Pesquise
Reserve um bom tempo para pesquisar a história da vida natural e humana da área que pretende visitar. Isso colocará sua viagem em um diferente contexto e ela será muito mais recompensadora.

Abra sua mente
Alguns acontecimentos serão inesperados e outros sofrerão mudanças. Entenda que você não estará em um roteiro de ônibus turístico.

Sem preguiça
Prepare-se para acordar cedo e ir para a cama tarde. Estar de pé no início da manhã e noite adentro podem guardar momentos mágicos e tempos para reflexão.

Única
Venha com o pensamento: sua viagem será única e não poderá ser reproduzida de novo. Nunca encontraremos as mesmas condições ou veremos os mesmos itens, por isso aproveite!

Como ir
Para 2016, a Quark Expeditions comercializa três opções de expedições ao leste da Groenlândia:

1) Voando de Reykjavik ao país e voltando de navio a Akureyri

2) saindo de navio de Akureyri e voltando de avião a Reykjavik;

3) utilizando o voo de ida e volta da capital da Islândia à Groenlândia. O pacote tem nove noites e costuma ter refeições e passeios inclusos.

*O jornalista viajou a convite da Quark Expeditions.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Ecoturismo

Topo