menu
Topo

Viagem

Roteiros culturais

Próximo a Londres, East Sussex tem castelo medieval e cidadezinha charmosa

Rafael Mosna

Colaboração para o UOL, no Reino Unido*

10/11/2015 19h17

O condado de East Sussex, no sudeste da Inglaterra, atrai uma avalanche de turistas graças às inusitadas praias de pedras de Brighton - segundo dados oficiais, o destino de certa de 270 mil habitantes já chegou a receber 200 mil visitantes em apenas um fim de semana! Mas a região guarda muito mais atrativos.

A pacata Rye, a cerca de 130 km de Londres (e a uma hora de trem), chama atenção com ruas de paralelepípedo, seus antiquários e as lojas de chá. O sossego é tanto que a reportagem encontrou, durante a passagem pela cidade, pepinos, abobrinhas e frutas locais, como amoras e "damsons" (um parente da ameixa), colocados à venda simplesmente sobre uma cadeira na rua. Interessados poderiam levar o produto e depositar a quantia correspondente em um cofrinho. Na base da confiança e sem uma alma viva para conferir.

No Rye Castle Museum (www.ryemuseum.co.uk), fique atento ao horário de funcionamento da Ypres Tower, torre erguida no século 14 e que serviu a diferentes propósitos, como fortificação para defender a região, prisão e necrotério. Durante a baixa temporada (entre outubro e março), ela funciona das 10h às 15h30, com entrada permitida até 15h. O valor do ingresso é de 3 libras (R$ 17).

Há poucos pubs e restaurantes, mas que dão conta do recado. No The George in Rye (www.thegeorgeinrye.com), o serviço e a boa execução dos pratos mais se assemelham a um restaurante de capital do que o de uma pequena cidade. Há opções de vinhos britânicos (peça ao sommelier indicações de produtores da região) e um conselho é provar as ostras bitelas colhidas nas proximidades, de criadouro próprio.

Medieval moderno
Construído em 1385, o Bodiam Castle (www.nationaltrust.org.uk/bodiam-castle) é um castelo considerado moderno para a sua época, mas guarda vários aspectos de edificações rústicas medievais, como a ponte que dá acesso à sua porta principal.

Ele era um dos poucos que possuíam vidros em suas janelas. O aparato, entretanto, era temporário. Tido como um objeto caro e restrito aos endinheirados, o vidro era levado com seus proprietários em viagens para que somente fosse instalado no local quando estivessem presentes.

"Sir" Edward Dallingridge, o dono, tinha água corrente em seu banheiro, que, dizem, exalava aromas de alecrim e lavanda. Chão e paredes deveriam estar sempre limpos, pois acreditava que a sujeira era sinônimo do mal.

Bem conservadas, as ruínas de seu interior ainda conseguem transmitir a ideia de como eram divididos os cômodos. Em horários específicos, atores encenam parte da história do local e interagem (em inglês) com crianças.

A visita pode ser feita diariamente das 10h30 às 17h, com entrada ao valor de 7,80 libras (R$ 44,17). Atenção: o castelo não estará aberto nas semanas entre o natal e o Ano-Novo. Consulte o site oficial antes de planejar sua viagem.

*O jornalista viajou com o apoio do Visit Britain
** Preços consultados e convertidos em 10/11/2015

Mais Roteiros culturais