menu
Topo

Viagem

Mochileiros


Terra do bungee jump, Nova Zelândia tem caverna brilhante e barco a jato

Marcelo Negromonte

Do UOL, na Nova Zelândia*

18/07/2014 18h41

Já que você viajou até o outro lado do mundo, enfrentou um voo (com escala) de pelo menos 17 horas e está 15 horas na frente do Brasil, por que não se jogar de uma ponte de 43 metros de altura? É uma injeção colossal de adrenalina que a Nova Zelândia, onde surgiu o bungee jump (ou bungy, com Y, como eles adotam), oferece aos mais corajosos.

O primeiro bungee jump comercial do mundo foi estabelecido na ponte Kawarau (justamente essa de 43 metros de altura), por AJ Hackett e Henry van Asch, próximo à cidade de Queenstown, no sul do país, em 1988. Até hoje a empresa deles opera os saltos no local e domina esse tipo de atividade na região, com filiais em Auckland, na Auckland Harbour Bridge (40 metros de altura), e outro na região de Queenstown, o Nevis Bungy, o mais alto da Nova Zelândia, com 134 metros de altura.

Além de saltar no vazio preso por uma corda, você pode “voar” pelo rio Shotover, no sul do país, num barco a jato que atinge 85 km/h e passa a centímetros de grandes paredões de rocha que formam um cânion nesse rio, que, em alguns trechos, tem apenas 10 centímetros de profundidade.

São 25 minutos de um passeio bastante movimentado, em que o barco “quica” sobre as corredeiras do Shotover, principalmente rio acima, e o piloto dá vários “cavalos-de-pau”. Não é perigoso, até o casal real Kate e William encarou esse passeio quando visitou a Nova Zelândia em abril de 2014.

Um passeio que é mais aventura do que emoção está mais ao norte, mais precisamente nas cavernas de Waitomo, próximo à cidade de Hamilton, na ilha norte da Nova Zelândia. Existem algumas opções: entre elas, a de caminhar pela caverna subterrânea de Ruakuri e observar as formações rochosas, estalactites e estalagnites, de milhões de anos, e a de percorrer o rio subterrâneo a bordo de uma boia, com roupa de mergulho e capacete. Nos dois casos, você vai conhecer os “glowworms”, larvas que brilham no escuro típicas dessas cavernas, e será acompanhado por guia em inglês.

Veja abaixo o que você precisa levar e quanto custa cada atração:

Bungy jump da ponte Kawarau
Primeiro bungee jump comercial do mundo, um clássico. Posicione-se na ponte e tente não olhar para o rio Kawarau, que corre a 43 metros de seus pés. E pule. É uma overdose de adrenalina que você, se jamais pulou, provavelmente nunca sentiu antes.

O que levar: para esse bungee especificamente não existem restrições em relação a calçados e roupas (alguns pulam pelados), então vista-se como preferir. O que você deve levar mesmo é coragem para pular e para gastar.
   
Quanto custa: NZ$ 180 (cerca de R$ 345), com direito a uma camiseta. Caso queira levar o vídeo ou as fotos do salto, desembolse mais NZ$ 45 (uns R$ 85). Se quiser ambos, NZ$ 80 ou NZ$ 100, depende do formato (cerca de R$ 155 ou R$ 190). 

Mais informações: www.bungy.co.nz/kawarau-bungy-centre/kawarau-bungy

Cavernas de Waitomo
Conheça as formações rochosas da caverna subterrânea Ruakuri ou faça um rafting pelo rio dessa caverna, no passeio chamado Black Labyrinth. Bem mais tranqüilo do que as opções acima.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2014/os-glowworms-estao-por-toda-parte-na-caverna-ruakuri-e-ficam-bem-proximos-dos-visitantes-1405720165553.vm')

O que levar: para o passeio na caverna Ruakuri, leve um agasalho quente e calçados fechados. A temperatura na caverna são constantes 14ºC, com chance de vento, e o piso muitas vezes é molhado. Para o Black Labyrinth: leve roupa de banho e toalha. A empresa fornece boia, macacão de neoprene, calçados e capacete com iluminação. A temperatura da água varia entre 10ºC e 14ºC.

Quanto custa: o passeio na caverna Ruakuri sai por NZ$ 67 adulto e NZ$ 26 criança (cerca de R$ 130 e R$ 50, respectivamente). O Black Labyrinth é NZ$ 125 (cerca de R$ 240).

Mais informações: www.waitomo.com

 

Shotover Jet
Agasalhe-se bem e segure firme nesse barco a jato que passa zunindo pelo rio Shotover a até 85 km/h.

O que levar: gorro, proteção para orelhas, casaco quente, cachecol e luvas, principalmente nos meses mais frios. O vento é forte e você vai se molhar. A empresa que organiza o passeio fornece capa impermeável e colete salva-vidas. Pessoas com problemas na coluna são desencorajadas a ir, devido ao constante impacto das costas no banco do barco.

Quanto custa: NZ$ 129 adulto (cerca de R$ 250) e NZ$ 69 criança (cerca de R$ 130). Há pacotes para famílias.

Mais informações: www.shotoverjet.com

Os valores dos passeios foram consultados em maio de 2014.

*O jornalista viajou a convite do escritório de promoção turística da Nova Zelândia.

Mais Mochileiros