menu
Topo

Viagem

Roteiros de luxo

Faça uma visita à cinco das lojas dos Melhores Artesãos da França, em Paris

Ann Mah

New York Times Syndicate

29/04/2014 18h15

Qualquer busca pela elegância de Paris leva quase fatalmente às lustrosas butiques da Rue du Faubourg St. Honoré, ou aos templos de gastronomia cheios de estrelas Michelin que ancoram as grandes avenidas da capital.

Mas esses endereços são apenas parte do que torna Paris tão elegante. A verdadeira alma de luxo da cidade pode ser encontrada nas pequenas lojas de bairro – algumas praticamente desconhecidas, mesmo dos parisienses –, pertencentes a um grupo de elite de profissionais chamado Meilleurs Ouvriers de France, ou Melhores Artesãos da França.
 

Esses artesãos representam mais de 200 profissões por todo o país, incluindo aquelas dedicadas à comida, como fromagers, chocolatiers e açougueiros; outras que lidam com o decorativo, como cabeleireiros, floristas e produtores de espartilhos; e até mesmo campos como webdesign e taxidermia.

Cada membro do grupo passou por uma rigorosa competição para obter o título vitalício de Un des Meilleurs Ouvriers de France, concedido pelo Ministério do Trabalho a cerca de 2% dos candidatos a cada três ou quatro anos. Criado em 1924, o grupo tem como objetivo reconhecer o artesanato francês excepcional, e assegurar a sobrevivência do conhecimento tradicional. Os participantes tornam-se embaixadores de seu ofício, e precisam prometer transmitir seu conhecimento aos membros da geração seguinte. O grupo possui cerca de 4 mil membros, 200 deles em Paris.

"Precisamos proteger esses ofícios. Se perdermos todos os cérebros de nosso país, estaremos perdidos", disse Jean-François Girardin, ex-chef de cozinha do Hotel Ritz em Paris, Meilleur Ouvrier de France e vice-presidente e tesoureiro da Societé Nationale des Meilleurs Ouvriers de France, uma organização profissional.

Alguns membros dos Meilleurs Ouvriers de France são famosos, como o chef Joel Robuchon e o chocolatier de Nova York Jacques Torres, mas a maioria deles é de artesãos-comerciantes pouco conhecidos fora de sua profissão ou bairro. A concorrência de mercado significa que a maior parte de seus produtos requintadamente criados é acessível, colocando pequenos luxos cotidianos ao alcance da maioria dos consumidores.

Visitei as lojas parisienses de cinco membros do grupo, e encontrei a habilidade atemporal que é uma marca da vida francesa.

  • Rebecca Marshall / The New York Times

    Criação da Boulangerie Morieux, em Paris

O padeiro
Prateleiras de pães preenchem as paredes da Boulangerie Morieux; pães densos e escuros de centeio; roscas rústicas feitas com trigo integral e espelta; croissants ricos em manteiga e levedura; baguetes douradas com um interior de mel. Em 2011, o proprietário da loja, Mickael Morieux, foi um dos seis padeiros premiados com o título de Meilleur Ouvrier de France, escolhidos entre mais de 100 finalistas. Para a competição, ele produziu mais de 200 assados em 13 horas (incluindo baguetes, pães integrais, croissants e pequenos bolos), cada criação cumprindo padrões exatos de tamanho, peso e qualidade.

Seu projeto final foi uma imponente escultura comestível de pão dedicada ao tema de Blaise Pascal. Ela retratava elementos cruciais da vida do matemático e filósofo francês, incluindo uma calculadora pascaline e uma mesa de oração "prie-dieu". "Os juízes buscam a perfeição", afirmou Morieux. "Eu me esforço para reproduzir esse nível."

Em sua padaria em Boulogne-Billancourt, um subúrbio de Paris, o próprio Morieux seleciona todos os ingredientes, visitando moinhos artesanais para criar suas próprias misturas de farinha. "Os ingredientes de uma baguete não são caros", disse ele. "Cara é a transformação. O savoir fare não tem preço."

Boulangerie Morieux, 35, rue d'Aguesseau; Boulogne-Billancourt; 33-1-41-10-94-36.

O florista
Após mais de duas décadas participando de inúmeras competições de floristas profissionais, Jacques Castagne finalmente recebeu a distinção de Meilleur Ouvrier de France em 2004. "Todas as outras competições me deram o tempo para estabelecer meu próprio estilo", explicou ele. Enquanto muitas floriculturas de Paris trazem flores de toda a Europa, Castagne enche sua loja, Art et Vegetal, com flores cultivadas por produtores locais.

Ao compor seus buquês mistos, ele considera cor, tempo de vida e origem geográfica. "Cada flor possui uma identidade, uma associação", afirmou Castagne. "Eu faço questão de que meus arranjos enfatizem cada flor. Cada vez que você olha para o buquê deve ser uma nova descoberta."

Art et Vegetal, 192, rue de Tolbiac, 13º Arrondissement; 33-1-45-81-27-22; art-vegetal-fleuriste.fr.

 

  • Damien Lafargue/The New York Times

    Detalhe do interior da butique do chocolatier Franck Kestener, em Paris

O chocolatier
Descendente de quatro gerações de padeiros e confeiteiros, Franck Kestener iniciou seu aprendizado em patisserie aos 16 anos com seu pai, Robert, e descobriu o fascínio do chocolate. "É um produto muito simples, completamente natural", disse ele. "Artisticamente, porém, ele é muito complexo. Você pode fazer muitas coisas: moldar, derreter, dar forma."

Na butique de Kestener, perto dos Jardins de Luxemburgo, suas criações combinam sabores intensos – pera caramelizada com açafrão, por exemplo, ou uma barra de chocolate recheada com creme de maracujá e casca de laranja cristalizada –, combinações que ele desenvolve em sua oficina em Sarreguemines, Lorraine.

"Quando crio, visualizo o sabor em minha mente. Tenho uma biblioteca mental de sabores de chocolate e especiarias", afirmou ele. Essa atenção aos detalhes, junto ao conhecimento técnico, ajudou Kestener a obter o título de melhor artesão em 2004, aos 28 anos (segundo Girardin, da organização profissional do grupo, a maioria dos vencedores tem entre 30 e 40 anos).

"Minha loja não oferece tudo que preparei para a competição – não seria prático", explicou ele. "Mas minha abordagem continua a mesma."

Franck Kestener, 7, rue Gay-Lussac, 5º Arrondissement; 33-1-43-26-40-91.



O fabricante de espartilhos
François Tamarin tornou-se fabricante de espartilhos porque queria descobrir uma arte esquecida. "Amo o glamour da belle époque", afirmou ele. Seu ateliê brilha com faixas de tecido e pedaços de rendas, araras de roupas cheias de espartilhos, e vestidos e armações que teriam sido usados em outro século. "Espartilhos são como guarda-chuvas: bastante rígidos e estruturados", disse Tamarin. "Eles esculpem a silhueta e desenham o corpo."

Suas criações, que incluem vestidos de baile, trajes de época, vestidos de noiva e "espartilhos de l'amour", como ele os chama, são feitas sob medida – e com preços condizentes. Tamarin (que é "90 por cento autodidata", em suas palavras) obteve a distinção de melhor artesão em 2004; seu projeto final foi um vestido rosa e preto estruturado por um espartilho de veludo primorosamente detalhado nas partes interna e externa. "Espartilhos não são instrumentos de tortura", garantiu ele. "Eles são ferramentas para brincar."

François Tamarin, 1, rue Marcel Sembat, 18º Arrondissement; 33-6-72-77-92-41; corset-paris.fr.

 

  • Rebecca Marshall / The New York Times

    Michel Fouchereau, proprietário da La Fromagerie d'Auteuil, em Paris

O fromager
Um queijo excelente começa com seu produtor. É por isso que Michel Fouchereau, fromager e proprietário da La Fromagerie d'Auteuil, mantém contato semanal com produtores de queijo de toda a França. "Eles ligam para receber meu pedido e nós batemos papo. Eu os apoio e dou conselhos. Várias vezes por ano, faço viagens para visitá-los. Os laços entre fromager e produtor são muito tradicionais", declarou Fouchereau, que recebeu o título de Meilleur Ouvrier em 2004.

Em sua cintilante butique, vitrines exibem queijos iluminados de cima como joias, todos no pico da maturação. Eles são envelhecidos numa "cave d'affinage" (ou câmara de envelhecimento) no porão, onde Fouchereau monitora cuidadosamente sua exposição ao mofo. "Cada fromager tem seu gosto pessoal", disse ele, citando diversas variáveis de maturação, como temperatura e tempo. "O requinte de seus queijos representa seu paladar. Nosso trabalho é desenvolver cada produto até ele se tornar algo sublime."

La Fromagerie d'Auteuil, 58, rue d'Auteuil, 16º Arrondissement; 33-1-45-25-07-10; lafromageriedauteuil.fr.

Mais Roteiros de luxo