menu
Topo

Viagem

Roteiros culturais

Discreta e respeitada, vida gay em Viena é uma das surpresas na Europa

Eduardo Vessoni

Do UOL, em Viena (Áustria)*

01/10/2013 08h03

A capital da Áustria, quem diria, tem sua versão gay. Discreta e amplamente aceita pela população local, a cena GLBT de Viena abriga endereços onde visitantes do mesmo sexo se sentem em casa.

Palácio administrado por um príncipe gay no século 18; sauna histórica declarada patrimônio artístico; cafés clássicos frequentados pelo público gay; e praias de naturismo masculino às margens do rio Danúbio, onde ninguém se importa com tal manifestação. Eis alguns atrativos que podem ser encontrados na cidade.

O assunto já não é tabu como nos anos 80, quando estabelecimentos gays de Viena se isolavam atrás de portas controladas por campainha. Hoje, tal público costuma se encontrar em estabelecimentos mistos, onde eventos acontecem em ambientes heterossexuais.

Recentemente, o UOL Viagem desembarcou na cidade com a missão de encontrar os endereços gays locais mais interessantes, que você conhece a seguir:

Pelados no rio Danúbio
Com mais de nove mil hectares, o parque nacional Donau Auen abriga praias às margens do Danúbio onde é possível praticar naturismo em ambientes voltados, exclusivamente, para o público gay masculino (como o setor Toter Grund, em uma região conhecida como “Novo Danúbio”). Suas águas limpas são um convite para banhos em um dos rios mais icônicos da Europa, embora as águas sempre frias (mesmo durante a temporada que vai de abril a setembro) desestimulem os menos intrépidos. A ilha de Lobau também conta com áreas reservadas para banhos de sol sem roupas, e é frequentada por héteros e gays. No local há ambientes mais escondidos para cruising, onde os frequentadores circulam em busca de parceiros. Acesso pelas estações de metrô Donaumarina e Donaustadtbrücke.

Príncipe gay e o Palácio de Belvedere
O belo e obrigatório Palácio Belvedere (www.belvedere.at) foi a residência de um dos mais famosos personagens gays da Áustria. Eugênio de Saboia, nascido em Paris em 1663, mudou-se para a Áustria aos 20 anos após ter seu ingresso à carreira militar recusado pela corte de Luís XIV. Bem aceito pela corte de Viena, Saboia serviu a três imperadores locais, entre os quais Carlos VI. Sem nunca ter tido filhos, Saboia deixou sua herança para uma sobrinha desconhecida. Atualmente, este imponente palácio barroco funciona como museu de artes, uma das paixões de Saboia, cujo acervo está dividido em dois edifícios que se conectam por um bem cuidado jardim barroco. Destaques para a Sala Dourada e para os trabalhos de Gustav Klimt, considerada a maior coleção de pinturas a óleo feitas por esse artista austríaco.

  • Eduado Vessoni/UOL

    Quadro do príncipe Eugênio de Saboia, um dos mais famosos personagens gays da Áustria

Só Freud explica
Por mais de 40 anos, Sigmund Freud viveu em um apartamento de Viena que também funcionava como consultório do pai da psicanálise. Atualmente, o local é um pequeno museu na rua Berggasse, no 9º Distrito. Porém não espere encontrar o famoso divã onde seus pacientes contavam, ininterruptamente, seus medos e desejos, pois o móvel foi levado a Londres quando Freud foi obrigado a se exilar em Londres com a família. Nos ambientes em exposição, é possível conhecer a sala de espera, a sala de tratamento com documentos de sua vida profissional e paredes revestidas com fotos que mostram como era o apartamento na época, além de uma ampla biblioteca com obras de filosofia, história e arqueologia. Nos destaques estão os cartões de visita de Freud; trechos originais do texto datilografado da obra 'O homem Moisés e a religião monoteísta'; um bilhete escrito pela atriz Marlene Dietrich; e capas de clássicos escritos pelo médico como "Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade", tema que Freud relaciona com hábitos da infância. Mais informações: www.freud-museum.at

De café em café
Declarada em 2011 pela Unesco como Patrimônio Cultural Imaterial, a cultura do café é uma das experiências mais populares em Viena. Seja qual for o seu roteiro na cidade (bem como a sua preferência sexual), os cafés são inevitáveis durante sua visita à capital austríaca. Estabelecimentos voltados para o público gay não são raridade como o Berg (www.cafe-berg.at), considerado o primeiro estabelecimento gay diurno em seu gênero; o Café Willendorf (www.cafe-willendorf.at), localizado no Rosa Lila Villa, o famoso centro de apoio às comunidades gays e lésbicas da cidade; e o clássico Savoy (www.savoy.at), café gay localizado em um edifício do final do século 18. Outro clássico é o Café Sperl (www.cafesperl.at), em funcionamento desde 1880 e com tardes de música, aos domingos.

União estável na Áustria

Mais do que centro da vida gay do país, Viena surpreende também com suas ações legais. Aprovada em 2010 pelo governo austríaco, a lei de união civil reconhece a relação entre pessoas do mesmo sexo com direitos que equivalem ao de um casamento heterossexual. Desde então mais de mil casais, em sua maioria homens, já aderiram ao programa, segundo dados oficiais. Embora o EPG, como o registro é conhecido, permita a união apenas para fins fiscais e de previdência social, Viena é pioneira no assunto e oferece também a possibilidade de celebrar casamentos, entre austríacos ou estrangeiros gays, em ícones da cidade como o Palácio de Hofburg ou o Palácio de Schönbrunn. Para estrangeiros que queiram se casar na Áustria, é necessária a apresentação de documentos pessoais como passaporte e um comprovante de seu atual estado civil, além de provar que reside fora desse país. Os contraentes que não possuem domínio do alemão devem comparecer acompanhados de um intérprete. Para informações detalhadas, acesse: www.partnerschaft.wien.at

Casas noturnas
Embora o 6º Distrito, na região do mercado Naschmarkt, seja considerado o bairro gay de Viena, os clubes voltados para este público estão espalhados em diferentes endereços. O centro histórico da cidade, declarado Patrimônio Mundial pela Unesco, abriga locais como a Why Not (www.why-not.at), casa fundada no início dos anos 50 e com repertório com músicas que vão da década de 60 aos anos 90. Inicialmente chamada de Brückenstube, esta danceteria frequentada pelo público mais jovem é considerada a única casa totalmente gay da cidade. As festas também são outra opção diante da falta de locais voltados para o público gay. Destaques para a Heaven (www.heaven.at), cujas festas são comandadas pela extravagante drag queen Miss Candy e são consideradas as mais populares da cidade. Na primeira sexta-feira do mês ocorre também a G.Spot (www.gspot.at) com música eletrônica. Já os amantes do indie rock e eletrônico se encontram na Queer Beat (www.queerbeat.at), onde as duas pistas são animadas por quatro Djs.

Saunas
Para quem busca discrição, as poucas saunas gays são um refúgio que os próprios gays locais costumam procurar nos dias mais frios de Viena. A Kaiserbründl (www.kaiserbruendl.at), declarada patrimônio artístico da cidade, vale só pelo cenário interno que remonta ao período romano com teto sustentado por colunas, arcos em estilo árabe e paredes revestidas com pinturas gays que lembram clássicos renascentistas. O local, cujo edifício atual foi erguido em 1887, aparece em registros históricos de 1368 e é considerado a casa de banho público mais antiga de Viena. É com seu prestígio de casa elegante e a facilidade de contato com pessoas do mesmo sexo que o local foi se popularizando entre o público masculino. Diz a lenda que foi ali que o arqueduque Ludwig Viktor, declaradamente homossexual, tomou um tapa na cara ao tocar a bunda de um militar. O público mais jovem se encontra na Sportsauna (www.sportsauna.at), equipada com sauna finlandesa, banho turco e salas com vídeos eróticos.

Eventos coloridos
A parada gay de Viena (www.hosiwien.at) acontece todos os anos na Ringstraße, boulevard com mas de cinco quilômetros nos arredores do centro histórico. O evento reúne cerca de cem mil pessoas e ocorre no mês de junho. No mesmo mês, é realizado o identities (www.identities.at), festival de cinema gay, considerado o segundo mais importante evento cinematográfico de Viena. Para os visitantes clássicos que não dispensam eventos gays, o Rosenball acontece paralelamente ao tradicional baile da Ópera, no Palais Auersperg (www.rosenball.eu). Entre setembro e outubro, amantes de cerveja contam com o Festival Wiener Wiesn (www.wienerwiesn.at), festival da cerveja de Viena que, em 2013, terá um dia dedicado ao público gay (www.rosawiesn.at).

  • WienTourismus/Peter Rigaud

    Cidade de Viena oferece diversos passeios culturais e noturnos para o público GLBT

Para meninas
Assim como os locais onde entram apenas homens, Viena é conhecida também pelos estabelecimentos exclusivos para o público lésbico. Um dos clássicos é o Frauencafé (www.frauencafe.com), um pub feminista aberto em 1977; o Café Willendorf (www.cafe-willendorf.at) que, embora a casa se defina para pessoas com qualquer orientação sexual, é popular entre o público lésbico e clientes amantes da cozinha vegetariana; e a casa noturna Las Chicas (www.laschicas.at), com programação voltada apenas para meninas há mais de uma década.

Casamento em endereços históricos
Viena abriga 36 diferentes espaços preparados para celebrar casamento entre pessoas do mesmo sexo. Os espaços vão desde museus como o belo Albertina (www.albertina.at) a antigas residências imperiais como os palácios de Hofburg (www.hofburg-wien.at) e Schönbrunn (www.schoenbrunn.at).

SERVIÇO

Site de turismo de Viena: www.wien.info

Como chegar: Quem viaja do Brasil deve fazer conexões em cidades europeias como Madri, Frankfurt ou Londres, uma vez que não há voos diretos para Viena.

*O jornalista Eduardo Vessoni viajou à Áustria a convite do Vienna Tourist Board.

Mais Roteiros culturais