Como chegar

Aeroportos
Paris conta com dois aeroportos principais – o Charles de Gaulle, em Roissy, ao norte, e o Orly, ao sul. Se você chegar ou sair de Paris de avião, existem algumas possibilidades de acesso aos aeroportos. O trem de subúrbio, chamado aqui de RER, é a opção mais comum. O trajeto, saindo da estação central de Châtelet les Halles, leva cerca de 50 minutos. Para Orly, o RER B também serve, mas na direção oposta. Há uma baldeação a ser feita na estação Antony, para depois pegar um trem chamado ORLYVAL. São 25 minutos de RER mais 8 minutos até Orly. Senão, é possível pegar a linha C do RER até a estação Pont de Rungise, de lá, pegar o ônibus que vai para o aeroporto. O trajeto de ônibus leva 35 minutos.

Existe ainda o serviço de shuttle compartilhado, que vale a pena quando o trajeto é feito no mínimo por duas pessoas. Para ir até o aeroporto, essas vans vão te buscar em casa, no hotel ou no endereço desejado. É necessário reservar com uma certa antecedência, e os preços variam de acordo com a quantidade de acompanhantes. Apesar de um pouco mais de conforto, os táxis em Paris cobram €3 por bagagem a partir da segunda mala e um extra para levar uma quarta pessoa.

De trem
Paris possui seis estações de trem, cada qual com sua estação de metrô e servindo diferentes partes do país e do continente. Gare du Nord é de onde saem os trens para o Norte da França (Lille, 1h), Londres (2h30-3h), via Eurotunnel, e os países ao norte como Bélgica (Bruxelas, 1h20), Holanda (Amsterdã, 4h), Alemanha (norte, Berlim, 7h20, com conexão; Colônia, 4h; Hamburgo, 7h, com conexão) e Escandinávia (Copenhague, 13h, via Hamburgo).

A Gare de l'Est fica próxima da Gare du Nord, e, como o nome indica, os trens partem para o leste do país, regiões de Champanhe (Reims, 1h30), Lorena (Nancy, 3h45; Metz, 4h), e Suíça (Zurique, 6h), Áustria (Viena, 15h) e Luxemburgo (Luxemburgo, 3h), além de outras partes da Alemanha (Munique, 10h). Ambas as estações fazem conexão com as linhas 4 e 5 do metrô e linhas B e D do RER.
A Gare d'Austerlitz serve o Vale do Loire (Orléans, 1h; Blois, 1h30), parte da região de Bordeaux (Bordeaux, 3h), Espanha (Barcelona, 8h) e Portugal (Lisboa, 18h).

Trens da Gare de Lyon vão para boa parte do interior francês (incluindo a Côte d'Azur, Nice, 7h; Marselha, 2h50; Grenoble 3h50), Suíça (Berna, 4h45; Genebra, 5h30) e Itália (Veneza, 10h; Roma, 11h30, ambas via Milão). Estas duas últimas estações estão separadas pelo Sena, no canto sudeste da cidade, ambas ligadas às linhas 1, 5 e 10 do metrô, bem como aos RER C (Austerlitz) e A e D (Lyon).

A Gare St-Lazare serve trens vindos do Reino Unido pelos ferries, assim como da Normandia (Rouen, 1h10; Caen, 1h40).

A Gare de Montparnasse é a mais moderna das estações e serve o oeste (Nantes, 2h20; Le Mans, 1h) e o sudoeste francês (La Rochelle, 3h), além da Espanha (Madri, 14h). Conexão com metrôs 4, 6, 12 e 13.

Metrô
Certamente um dos mais eficazes do mundo. É possível ir a qualquer parte da cidade de metrô. São 16 linhas com mais de 200km de extensão espalhadas em 300 estações. Para quem utiliza o sistema pela primeira, pode parecer assustador, por isso é sempre bom seguir algumas dicas: não jogue o seu ticket fora antes de sair da estação; estude o itinerário antes e tente trocar de linha o mínimo possível; a linha 14 é a mais moderna, com elevadores e escadas-rolantes; para trajetos longos, prefira o trem suburbano (RER); evite as estações que dividem a linha com o trem (Gare de Lyon, Gare Montparnasse, Gare l'Est, Gare Saint-Lazare e, a pior de todas, a Gare du Nord. Para informações detalhadas, consulte o site da admistradora do metrô: www.ratp.fr.

De ônibus
Ônibus chegam a Paris em três estações. A Gare Routière Internationale, Porte de Bagnolet (metrô Gallieni), serve todos os ônibus da Eurolines, mas isto não é regra. De/para Holanda, Portugal e Espanha, a rodoviária também pode ser a Porte de Charenton (metrô de mesmo nome), assim como algumas viagens para Alemanha, Benelux, Escandinávia e Península Ibérica partem da Gare Routière (metrô de mesmo nome). Moral da história: antes de qualquer viagem, confira sempre de onde parte/chega.

Táxis
Existem, mas dificilmente você consegue pegar um na rua. Aliás, mesmo nos pontos é complicado encontrar algum estacionado. O jeito é agendar online, por telefone ou pedir ajuda no hotel. Lembrete: os táxis cobram por bagagem e adicionam uma taxa a partir do quarto passageiro.

Qual a melhor época para ir?

O inverno costuma ser rigoroso, então só é indicado caso queira passear na neve. Para curtir a cidade em um clima agradável, ideal para longas caminhadas, prefira a primavera.

Informações úteis

Site do país: www.franceguide.com
Site da cidade: www.parisinfo.com
Agência de Desenvolvimento Turístico na França:  www.atout-france.fr

Embaixada brasileira na cidade: 34, Cours Albert 1er, www.bresil.org

Consulado Brasileiro: 65, avenue Franklin Roosevelt, www.cgbresil.org

Idioma: Francês, mas é possível se comunicar em inglês em alguns estabelecimentos (contudo, não espere ser bem tratado em inglês).

Fuso horário: Quatro hora a mais em relação a Brasília.

DDI: 0033

Código da cidade: 01

Telefone de emergência: 17 (polícia), 15 (ambulância) e 18 (bombeiro)

Moeda: Euro. Para saber mais sobre a cotação da moeda, acesse: economia.uol.com.br/cotacoes

Câmbio: Em geral funcionam entre 9h e 17h30.

Telefone: Se estiver com um smartphone, considere comprar um SIM card pré-pago para ligações internacionais ou via skype, caso use um plano de internet. Os orelhões funcionam com cartões telefônicos e alguns deles aceitam cartão de crédito.

Correio: Chama-se "La Poste" e funciona entre 8h e 19h de semana e 8h e 12h aos sábados.

Internet: Alguns estabelecimentos, como bares e restaurantes, oferecem acesso sem fio gratuito.

Segurança: Muito segura, mas fique esperto com os batedores de carteira no metrô.

Gorjeta: Não é obrigatório, mas há o costume de se deixar 10%.

Voltagem e tomadas: A voltagem mais comum é de 220 volts. As tomadas na Europa variam de acordo com a região, então tenha sempre um adaptador universal na bagagem.

Pesos e medidas: Exatamente o mesmo do brasileiro.

Visto: Brasileiros não precisam de visto para permanência por até três meses.

Controle de imigração: O controle de imigração exige determinadas providências, como um comprovante de endereço no país, que pode ser a reserva de hotel ou uma carta-convite feita por quem pretende te hospedar, cerca de €60 euros por dia de permanência, a passagem de volta e um seguro de saúde com cobertura para até € 30.000 em eventuais despesas médico-hospitalares. Você pode ser solicitado a mostrar o comprovante do seguro na entrada do país, e, caso não o tenha, pode lhe ser negado o visto de entrada. Saiba que a polícia francesa pode exigir e lhe barrar ou mesmo deportar caso não possua um desses documentos. De qualquer forma, independentemente de ir à França ou a algum outro país, vale a pena estar devidamente amparado por um bom seguro-saúde.

Dicas de quem já foi

Atrações

Cursos Online
UOL Cursos Online

Últimas notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos