Sucre

Marcel Vincenti/UOL
Pela importância de sua história, Sucre foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, em 1991 Marcel Vincenti/UOL

Cidade colonial e libertária, Sucre é um dos destinos que mais preservam a história da Bolívia

Sucre, Bolívia: 280 mil habitantes, 2.750 metros de altitude, 472 anos de história. A exatidão dos números explica muito, mas descreve pouco. A Cidade Branca, como é carinhosamente chamada por seus moradores, constitui, talvez, uma das experiências mais intensas que o turista pode ter na terra de Evo Morales.

A paisagem é única: casarões que, apesar da fachada austera, escondem pátios espaçosos, decorados por fontes e imponentes colunas. Praças onde estátuas de heróis da pátria, em pose de desmedida soberba, dividem a paisagem com mulheres indígenas de saias coloridas e longas tranças. E igrejas cuja estrutura, com seus relógios a apontar o andar vagaroso de mais um novo dia, conseguem transportar o visitante a longínquos séculos passados.

Sucre é assim: coloca as pessoas frente a frente com o tempo. A história, na cidade, é confrontada a cada esquina. E dá a Bolívia, país (merecidamente) considerado exótico por todo o tipo de forasteiro, novas dimensões: a de uma nação que, não obstante os erros e derrotas, sempre quis trilhar seu próprio caminho.

A cidade é aclamada como um dos berços da liberdade latino-americana: foi o lugar do surgimento, no começo do século 19, de grupos políticos que, aproveitando o caos causado pela deposição, por Napoleão Bonaparte, da monarquia espanhola, começaram a clamar pela emancipação das colônias na América. Eles teriam sido os precursores dos movimentos que lutariam, de forma exitosa, pela independência do continente nos anos seguintes.

Com a Espanha fora de jogo, Sucre seria palco de outro evento crucial para os rumos da região: a assinatura da ata que criou, em agosto de 1825, a nação chamada Bolívia. Alçada à condição de capital do país, e batizada em homenagem ao marechal Antonio José de Sucre (companheiro de Simón Bolívar e um dos principais heróis da campanha de independência), a cidade abrigaria o gabinete presidencial até o fim do século 19 – quando, por razões estratégicas, e sob o peso de uma guerra civil, a sede do poder foi transferida a La Paz.

A trajetória de Sucre sempre deu voltas. Orgulhosa de sua história libertária, a cidade é, também, um dos mais lindos exemplos de urbe colonial na América do Sul. Fundada pelos espanhóis em 1538, a então vila de La Plata (como foi inicialmente batizada) ganhou importância quando, nos anos 1540, descobriu-se uma quantidade absurda de prata em terras vizinhas (o futuro município de Potosí).

Ato contínuo, as autoridades espanholas instalaram na vila a Real Audiencia de Charcas, uma das mais importantes instituições jurídicas do continente. Prestigiados centros de ensino e a presença maciça da igreja viriam a reboque. E Sucre tomaria a forma de joia cuidadosamente lapidada que preserva até hoje. Embora não detenha mais a honra (ou o ônus, a depender o ponto de vista) de abrigar os poderes executivo e legislativo do país, o município ainda é a capital constitucional da nação e abriga órgãos como a Corte Suprema de Justiça. Também foi eleito, pela Unesco, em 1991, Patrimônio Cultural da Humanidade. Uma caminhada por suas ruas, vielas e parques não será apenas um passeio por uma das mais impressionantes cidades da América do Sul, mas um profundo mergulho na história boliviana.

Atrações em destaque

Dicas de quem já foi

Cursos Online
UOL Cursos Online

UOL Cursos Online

Todos os cursos