La Paz

OGD La Paz-Beni/Divulgação
Festa Gran Poder: milhares de músicos e bailarinos tomam as ruas de La Paz, expressando sua devoção ao "Señor del Gran Poder" OGD La Paz-Beni/Divulgação

La Paz, a metrópole mais indígena da América do Sul, revela a alma boliviana

Do mirador KilliKilli, a vista de La Paz, a cidade formada no extenso e profundo vale, rodeado de montanhas e picos nevados dos Andes e repleto de casas com tijolos expostos. Muitos dos seus habitantes optaram por não pintá-las, deixando-as em eterno estado de construção e, assim, não pagar mais impostos ao governo. Mas ao percorrer as ladeiras da capital mais alta do mundo, dá para entender o que está por trás desse famoso retrato da Bolívia: um dos países mais pobres do continente, mas cheio de riquezas naturais, tradições milenares e mistérios arqueológicos que cativam o turista que chega para ver a beleza dos contrastes da metrópole mais indígena da América do Sul.

A cidade revela o espírito de um povo que sempre soube adaptar seus valores e crenças ancestrais ao ritmo dos novos tempos. As cholas, mulheres de longas tranças, vestidas de chapéus e inúmeras saias coloridas, circulam entre os arranha-ceús de vidros espelhados, carros importados, fastfoods e lojas da moda. Junto à cacofonia produzida pelo intenso tráfego de automóveis, escutam-se as vozes em aimara, quíchua, guarani e, é claro, no idioma espanhol trazido pelos colonizadores. Atualmente, mais da metade da população boliviana é constituída de índios de mais de 30 etnias, sendo que dessa maioria, grande parte é descendente dos aimaras, como o presidente Evo Morales – primeiro chefe de estado ameríndio da Bolívia.

Os aimaras se associam a si mesmos como a civilização descendente do Império Tiwanaku, que se iniciou em uma pequena aldeia em 1580 a.C, desenvolvendo-se até o ano de 1172, quando talvez uma grande seca tenha gerado escassez de comida, dispersando toda a população. Hoje, um sítio arqueológico feito de pedras de até dez toneladas, e a poucos quilômetros de La Paz, é o principal vestígio de uma das culturas mais antigas da América. Os pacenhos se orgulham desse passado, e, por isso, construíram em uma praça rodeada do agito do centro da cidade uma réplica do Monolito Benet, imensa pedra talhada em forma humana que representa um deus da época. Do lugar, também se avista o Estádio Hernando Silas, o mais alto de todo o planeta.

Para jogar bola na capital administrativa da Bolívia (a constitucional é Sucre) só mesmo com coca. Adorada por muitos, e demonizada por outros tantos em conseqüência do seu ilícito uso, a planta é utilizada de forma medicinal e religiosa há milênios pelas culturas andinas. Polêmicas à parte, está comprovado que suas propriedades espantam a soroche, o mal-estar causado pelas grandes alturas. Em algumas das muitas barracas que se aglomeram pelas calçadas de La Paz, é possível comprar um saco cheio da planta sagrada por preço irrisório. Sentindo qualquer inconveniente, basta mastigar a folha no canto da boca, como o típico boliviano, ou preparar o revigorador chá de coca, que garante energia para se movimentar a mais de 3600 metros de altitude.

Mas poucas horas de bicicleta de La Paz, a natureza se transforma e possibilita ao visitante o desfrute de um autêntico paraíso tropical. A famosa Rota da Morte, oferecida pelas agências de turismo, é a mais procurada pelos mochileiros que querem se aventurar pelas encostas íngremes dos Andes até a floresta montanhosa, em uma velocidade de até 60 quilômetros por hora. Quem quiser sentir a mudança gradativa dos ecossistemas devagar, pode optar por um pacote que mistura adrenalina e cultura: caminhada de três dias por uma antiga trilha de pedra, aberta pela civilização tiwanaku e, depois reutilizada pelos incas, e que une o Altiplano boliviano à Amazônia.

As subidas e descidas das vias empedradas, dessa vez construídas pelos espanhóis, na zona central de La Paz, também exigem bom preparo físico. Duas das irregulares ruas são lotadas de gringos europeus, concentrando o que há de melhor e mais inusitado na cidade. Na inclinada Sagármaga, estão as variadas lojas de artesanato, agências de viagens, hotéis, cybercafés e restaurantes. E na Liñares, o famoso Mercado de las Brujas, onde se pode comprar fetos de lhama secos e tudo mais que se necessita para os rituais da tradição andina.

O passado colonial da cidade fundada em 1548 se expressa com mais força nos arredores da Plaza Murillo e San Francisco. São muitas as casas seculares, mas ainda poucas foram contempladas pelo tímido programa de restauração promovido pelo estado. As construções do início do século passado da avenida El Prado, a Catedral, os palácios governamentais e a pequena rua Apolinar Jaén são algumas amostras do centro antigo, que também abriga museus, bares e discotecas da Nossa Senhora de La Paz.

Apesar do nome, a cidade foi palco de muitas lutas que marcaram a história da Bolívia. Além da conquista espanhola sobre o Império Inca, que tinha no comando o colonizador Francisco Pizarro, o país sempre sofreu com inúmeras invasões. Talvez a de maior conseqüência tenha sido a Guerra do Pacífico (1879-1884), quando perdeu sua costa para o Chile. Hoje, os pacenhos comemoram duas importantes revoluções: os 200 anos da Independência de 1809, e o seu momento político atual, que voltou a ser dominado pelas populações originárias do vale.

Atrações em destaque

Dicas de quem já foi

Cursos Online
UOL Cursos Online

Calendário de eventos

fev

Carnaval

Dizem que o carnaval da Bolívia só perde mesmo em agito, tamanho e tradição para o brasileiro. Em cada região do país os dias santos são celebrados de distintas formas. Na cidade de La Paz, a bela festa de "Jiska Anata" é uma brincadeira com música e dança na época da colheita. As fantasias dos dançarinos de outros bailes típicos como "La Morenada" e "Los Caporales e la Saya" também garantem para a vibração e o colorido da festa.

mai

Gran Poder

A festa católico-andina em homenagem ao "Señor del Gran Poder" é uma das manifestações culturais mais expressivas da Bolívia. Milhares de músicos e bailarinos tomam as ruas do centro de La Paz, expressando sua devoção com as danças típicas. Entre os grupos, destaca-se a "Diablada", um desfile em que é encenada uma dramática batalha entre o Bem e o Mal.

jun 21

Ano Novo Aimara

A chegada do ano novo é comemorada na Bolívia em duas datas: na ocidental e conhecida por todos, dia 1 de janeiro, e na aimara, 21 de junho, no início do solstício de inverno. Para a remota cultura já estamos no ano de 5.514. A principal festa acontece nas ruínas de Tiwanaku, a uma hora de La Paz, onde todos esperam juntos o amanhecer da noite mais fria do ano, diz a lenda. A tradição é ver a chegada do astro através da sagrada Porta do Sol, enquanto sacerdotes aimaras realizam rituais milenares e músicos tocam toadas típicas. Todos os anos, no complexo arqueológico Tiwanaku.

jul

Entrada Folclórica Universitária

É uma festa típica da cidade que se caracteriza pela exclusiva participação de jovens dançarinos provenientes de diferentes universidades de La Paz. Todos os anos, no último sábado de julho.

UOL Cursos Online

Todos os cursos