Eduardo Vessoni/UOL
O acesso principal ao Palacio del Gobierno, um dos pontos turísticos da cidade, encontra-se em frente à baía de Assunção Eduardo Vessoni/UOL

Assunção surpreende com cultura e gastronomia

Esqueça tudo o que você já ouviu falar sobre o Paraguai, sobretudo se o seu destino for a capital do país. Assunção é capaz de frustrar quem ainda acredita que essa cidade de aproximadamente 600 mil habitantes vive apenas de eletrônicos baratos e de DVDs piratas. Mas também surpreende.

Há muito a ser descoberto pelo turista que escolhe a região como destino de férias. E o que é melhor: na hora de pôr a mão no bolso, a moeda local desvalorizada (o guarani) favorece o turista vindo do Brasil e os principais pontos turísticos oferecem entradas gratuitas aos visitantes. Isso é o que se pode chamar de turismo made in Paraguay.

A capital paraguaia é mesmo uma pechincha para o turista brasileiro e fica a apenas 1.348 km de São Paulo. Poucos sabem, mas há mais semelhanças entre o Paraguai e o Brasil do que as imagens estereotipadas que circulam no imaginário brasileiro.

Assunção ainda chora as perdas humanas ocorridas durante a ditadura militar, que em 2009 comemora 20 anos do seu término e, mesmo com um passado histórico tão triste que inclui combates com resultados desastrosos para o país, como a Guerra da Tríplice Aliança, o povo local consegue expressar uma simpatia capaz de constranger até o mais simpático dos brasileiros. Até a gastronomia e algumas danças locais têm elementos que remetem à cultura brasileira.

A mania gastronômica de Assunção, e do resto do país, são as chipas, a versão paraguaia do brasileiríssimo pão de queijo com um leve toque de erva doce. Em qualquer esquina da cidade é possível deliciar-se com esse bolinho preparado com polvilho e queijo. E se o calor das ruas abafadas da capital chegar aos 40°C, probabilidade alta nos dias de verão, a saída é recorrer ao terere, a erva mate paraguaia tomada com água gelada. Qualquer semelhança com os nossos hábitos não é pura coincidência. O Paraguai está mesmo tão perto do Brasil que os turistas daqui mal conseguem passar da Ponte da Amizade, em Ciudad del Este, o destino paraguaio mais visitado por brasileiros. Uma pena.

E quem diria que até a dança da garrafa tem sua versão paraguaia? Mas no lugar dos gestos sensuais de gosto duvidoso, trajes comportados e adornos religiosos enfeitam dançarinas que equilibram até oito garrafas ao ritmo de música típica. Essa é uma referência às clássicas mulheres que levavam sobre a cabeça garrafas de água ou aloha (bebida alcoólica preparada com melaço) para os peregrinos que se dirigiam às festas de santos patronos paraguaios como San Blas e a Virgen de las Mercedes.

No entanto, você não irá a Assunção apenas para entregar-se aos prazeres gastronômicos e à dança. A capital do Paraguai, localizada no centro da América do Sul, reserva uma ampla variedade de museus e centros culturais capazes de entreter o visitante por pelo menos três intensos dias de visita. O roteiro inclui "aulas" sobre história paraguaia, como as duas grandes guerras em que o país esteve envolvido (a da Tríplice Aliança e a do Chaco, essa contra a Bolívia), além da recente ditadura militar, exposições de artes indígenas e camponesas, e uma harmônica mistura entre as culturas europeia e a dos índios guaranis.

E é assim que Assunção, tão perto, tão longe, surpreende quem desembarca no Paraguai disposto a levar para casa muito mais do que sacolas.

Atrações em destaque

Fotos de quem já foi

Dicas de quem já foi

Cursos Online
UOL Cursos Online

UOL Cursos Online

Todos os cursos