Sergio Perez/Reuters
Bandeira da Espanha flameja do alto do prédio da prefeitura de Madri Sergio Perez/Reuters

De Almodóvar a Buñuel, passeio por Madri é um mergulho na cultura espanhola

Madri é uma das maiores capitais da Europa, moderna e cheia de possibilidades para seus visitantes, mas sem abandonar a aura tradicional, cultural e histórica de mais de dez séculos de existência.

'Fui construída sobre a água, minhas muralhas de fogo são: esta é minha fachada e meu brasão', canta o lema da cidade em suas origens. E tal como a descreve, Madri é um lugar de paradoxos, onde o passado milenar encontra o futuro ainda por nascer, onde a gentileza de quem luta pelo cotidiano divide palco com o caráter duro de gente que já passou por guerras sangrentas, onde a cultura tradicional convive com novas tribos e se renova.

Madri foi a primeira cidade que conheci fora do Brasil. Foi caminhando pelas ruas da cidade que me apaixonei por ela. Tão kitsch quanto a mistura de gêneros artísticos que compõem a arquitetura local foi boquiabrir-me, sentando à mesa de um bar em plena Plaza Mayor, fincada ali desde o século 15, com pensamentos inimaginados, cálculos mentais de datas comparadas, coisas do provincianismo de quem saiu do interior de Goiás, cuja cidade mais antiga tem pouco mais de 300 anos. E como se estivera me relacionando com Madri no toque dos meus pés em seus ladrilhos, lembro-me até do desejo que fiz quando pulei as três vezes sobre o quilômetro zero na Puerta del Sol, centro efervescente da cidade, encontro das Calles Mayor, de Alcalá, de Arenal e de la Montera, repleto de cafés, restaurantes e comércios centenários.

Seja tapeando jamón serrano (presunto feito de forma artesanal) num dos bares da cidade, seja sentado no banco da Catedral de Almudena, entre as estátuas da Plaza de Oriente ou na porta do Teatro Español, numa apresentação de flamenco ou de zarzuela, sente-se a alma das pedras, a vida das paredes, a voz da história. Barroco, surrealista ou cubista, é natural respirar arte clássica, moderna, contemporânea. No Museo del Prado, uma das maiores coleções de arte renascentista da Europa, a beleza estética do humano me serviu para, já no Museo Reina Sofia, reconhecer a força poética do desumano de uma guerra civil no célebre 'Guernica', de Picasso.

E da mesma forma que Nova York está para Woody Allen e Roma está para Federico Fellini, viver o cotidiano de Madri é como estar numa sequência de uma das obras de Pedro Almodóvar. Basta ir ao bar Villa Rosa, por exemplo, na Plaza Santa Ana, para se imaginar no enredo do filme 'De Salto Alto', ou ao Museo del Jamón para ver-se em 'Carne Trémula'. Ou talvez, caso você queira viver seu próprio filme, independentemente de suas opções de vida, vá a Chueca sem receios.

O importante mesmo – e isso é Madri em suas raízes – é a sofisticação da simplicidade: praças, ruas, museus, igrejas, prédios, arquitetura, arte, comida, dança, festas, montanhas, peregrinação, religiosidade que compõem, diante dos olhos encantados do turista, o discreto, mas sensível, charme da nostalgia de um povo e, ainda mais bonito, em tempos de tão pouca delicadeza sentimental, também da nossa.

Atrações em destaque

Dicas de quem já foi

Cursos Online
UOL Cursos Online

Calendário de eventos

mai

Festa de San Isidro Labrador

Maior festividade da cidade, com vários dias de celebração. Shows e fogos de artifício fazem parte da programação.

jun

Festas de Santo Antonio de la Florida

Celebração na qual garotas solteiras que querem casar visitam a Ermita de Santo Antonio de la Florida para pedir sorte no amor. No mesmo mês, os fogos de artifício de San Juan têm vez no Parque del Buen Retiro.

ago

Fiesta de la Virgen, S. Caetano e Lorenzo

No mês, o bairro La Latina celebra a data com música e muitas barracas de comida.

set

Fiesta de Otoño

A festa conta com música e gastronomia e acontece no distrito de Chamartín, ao norte da cidade.

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos