UOL Viagem

São José dos Campos

Sobre o destino Fotos Agências Como chegar Onde ficar

Elaine Kawabe/UOL

Pólo da tecnologia aeroespacial, São José dos Campos, em SP, também abriga cachoeiras e trilhas exuberantes

Arte UOL

 

São José dos Campos (SP) é a principal cidade do Vale do Paraíba e o maior pólo de tecnologia aeroespacial do país. Aqui estão o DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial), o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), a Embraer, o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), entre outras empresas automobilísticas e de eletroeletrônicos. No meio desse cenário tecnológico, todavia, há espaço para contemplar a natureza, com muito conforto.

Área verde é o que não falta. Metade de São José é composta de áreas de preservação ambiental. A maioria delas está concentrada nos distritos de Eugênio de Melo e São Francisco Xavier, partes integrantes do município.

O principal cartão-postal joseense é o banhado, uma grande depressão que se estende até o rio Paraíba do Sul. Antigamente, no período das chuvas, o rio, ao transbordar, deixava toda a área alagada, isto é, banhada por suas águas. Daí vem o nome banhado. Por estar bem próximo do centro da cidade, o local é ponto de encontro de muitos casais, que no final da tarde sentam nos bancos para apreciar o lindo pôr-do-sol. No inverno, a paisagem ganha um visual especial. De manhã, a neblina preenche todo o interior do banhado, que, de longe, lembra um imenso lago congelado.

A cidade está a 91 km de distância de São Paulo, a 85 km do sul de Minas Gerais e a um pouco mais de 300 km do Rio de Janeiro (via Dutra). Em virtude de sua posição estratégica, São José dos Campos foi escolhida pelo marechal-do-ar Casimiro Montenegro Filho como sede do ITA ? que em 2010 completa 60 anos de existência -, uma das universidades de engenharia mais concorridas e respeitadas do Brasil.

Porém bem antes da chegada das indústrias e da via Dutra, a ?Cidade da Aviação? já era famosa, no início do século 20, por ser uma estância ?climatérica? e hidromineral. Muitas pessoas de diversas regiões dirigiam-se a São José dos Campos para curar-se da tuberculose pulmonar, então chamada de ?peste branca?. O sanatório Vicentina Aranha, que chegou a ser o maior do país, cuidou de pacientes até a década de 60. Em 2007, o local foi tombado como patrimônio histórico, e seus arredores transformaram-se num parque com pista para corridas e caminhadas, repleto de árvores frutíferas e pássaros. Cerca de 500 metros adiante, na mesma rua do Vicentina Aranha, localiza-se outra área de lazer, o parque Santos Dumont, inspirado na aviação brasileira.

Hotéis, pousadas e shoppings também movimentam o município, que nem de longe se parece com uma típica cidade rural. Não é à toa que a ?Capital do Vale? ocupa a terceira colocação no ranking das 15 maiores cidades do interior do Brasil, ficando atrás apenas de Campinas (SP) e Uberlândia (MG). Todo esse desenvolvimento se reflete nas opções gastronômicas locais. Árabe, italiano, português, mexicano, mineiro etc. Grande variedade de restaurantes, bares e cafeterias fazem de São José dos Campos um excelente destino para quem busca tranquilidade sem abrir mão das facilidades e confortos das grandes metrópoles.

São Francisco Xavier, o reduto ecoturístico de São José

A roça ficou lá no passado. Atualmente, o distrito de São Francisco Xavier é conhecido pelo turismo ecológico, pousadas charmosas e gastronomia diferenciada. A 55 km de distância de São José dos Campos e a 720 metros de altitude, a região montanhosa, rodeada por verde, atrai turistas em busca de aventura ou simplesmente sossego.

Boa parte da vegetação é remanescente da Mata Atlântica original que cobria toda a Serra da Mantiqueira. Isso serviu de abrigo para espécies raras da flora e da fauna como o muriqui, o maior macaco das Américas (o primata adulto pode medir até 1,50 m de altura), mascote símbolo do distrito. O animal ? ameaçado de extinção - pode ser observado em caminhadas ou passeios ciclísticos pelas trilhas da região.

As cachoeiras e trilhas são as atrações principais de São Francisco Xavier. Graças à rede hidrográfica formada pelo relevo montanhoso, inúmeras quedas d?água surgem ao longo do distrito. É quase impossível resistir a um mergulho nas águas cristalinas das cachoeiras. Principalmente depois de uma longa e exaustiva caminhada pela mata num dia típico de verão. Já para aqueles que preferem água quente, há ?spas? com banhos terapêuticos e massagens relaxantes. Conforto é o que não falta por aqui. Sobretudo nas diversas opções de hospedagem, muitas das quais, situadas no topo de montanhas, oferecem chalés com lareira, ofurôs e outras comodidades. São ideais no inverno, quando a temperatura, nas madrugadas mais frias, não chega sequer a 2ºC.

À noite, o programa é frequentar os bares ?rústico-chics? com música ao vivo e degustar a culinária local, que mescla a influência mineira com produtos agrícolas como o shiitake (cogumelo japonês) e o pinhão.
 

PORTAIS REGIONAIS


Prefeitura de São José dos Campos - www.sjc.sp.gov.br

Portal São José dos Campos - www.saojosedoscampos.com.br

Portal de São Francisco Xavier - www.portalsfx.com.br

Guia SJC - www.guiasjc.com.br

Portal Vale - www.portalvale.com.br

Fundação Cassiano Ricardo - www.fccr.org.br
 

Atualizado em Março de 2011
  • - Guia de Viagem
  • UOL Viagem
Compartilhe
Imprimir
Comunicar erro