UOL Viagem

Poços de Caldas

Sobre o destino Fotos Agência Como chegar Onde ficar

Fábio Calvetti/UOL

Poços de Caldas, um brinde às águas e às belezas naturais no Sul de Minas Gerais

Arte UOL

De um vulcão que sumiu há séculos e séculos nasceu a região onde está uma das cidades mais aconchegantes de Minas Gerais. As águas ricas em enxofre que borbulham do solo e o clima de montanha tornaram Poços de Caldas um lugar irresistível. Tanto que a cidade pode muito bem ser o sinônimo de descanso. O som das águas que surge a cada canto tranquiliza. As praças arborizadas transmitem um estado de paz e as belezas naturais renovam as energias.


Por tudo isso, Poços respira turismo. São 72 hotéis e pousadas espalhados por toda a cidade. Muito com programações e monitores para todos os públicos. Nas ruas, ônibus turísticos cruzam a cidade a todo momento e, nas atrações, os cliques de câmeras fotográficas são constantes.


Mas todo esse potencial turístico não é novidade para Poços.

 

A cidade já viveu anos de ainda mais glamour e, para seus habitantes, deveria ser a ?Las Vegas brasileira?, se o jogo não tivesse sido proibido no país.


Anos 1940, o apogeu de Poços de Caldas


A elite intelectual brasileira caminhava pelos jardins de Poços, as famílias abastadas passavam fins de semanas para tratar seus parentes nas termas medicinais e as fichas de cassino eram tão comuns que eram usadas como dinheiro nas lojas. Carmen Miranda, Santos Dumont e Juscelino Kubitschek estavam sempre por lá.


Este cenário era a rotina de Poços no início da década de 1940. Até o então presidente Getúlio Vargas usava a suntuosa suíte presidencial do Hotel Palace, de 154 m² e com um lustre de cristal belga, para trabalhar. Ele chegou a trazer móveis do Palácio do Catete, antiga sede do governo, que ainda hoje decoram o quarto de hotel mais famoso da cidade.


Mas se o auge ocorreu nessa década, o início do declínio também. Dois fatos históricos transformaram Poços. O primeiro: a proibição do jogo no Brasil em 1946. O dinheiro do cassino secou, os turistas diminuíram e o glamour acabou. Depois veio a descoberta da penicilina. Frente aos antibióticos, os tratamentos termais tornaram-se obsoletos e caros.


Mesmo com as dificuldades, nem tudo estava acabado para a cidade. As fontes e as belezas naturais conseguiram manter a atração do município que hoje possui mais de 150 mil habitantes. Poços virou uma das cidades favoritas para casais em lua-de-mel. As praças arborizadas, o charme de décadas, o clima tranquilo, tudo é atração para quem troca alianças.


Belezas naturais no alto da serra


A natureza em Poços de Caldas é privilegiada. Localizada no alto da Serra da Mantiqueira, a 1.200m de altitude, em um vale cercado de muito verde. No volante do próprio carro, sem encarar estradas de terra, é fácil encontrar mirantes, trilhas, fontes e quedas d?água. Muitas quedas d?águas! As mais belas são a comprida cascata Véu das Noivas e a cascata das Antas, onde estão as ruínas de uma das primeiras usinas hidrelétricas construídas no Brasil, erguida em 1898.


Entretanto, a grande atração ? e o motivo da fundação da cidade ? é a água que borbulha do solo a uma temperatura de 40ºC. Em torno de suas fontes, a cidade cresceu, virou centro de tratamento de doenças e, no século 20, ganhou o maior balneário da América Latina, as Termas Antônio Carlos. Em arquitetura romana e com mais de 60 anos de história, as termas funcionam ainda hoje a todo vapor e oferecem banhos de imersão, saunas, inalação, duchas, tudo com a famosa água sulforosa.


Alcalina e rica em enxofre e sais minerais, a água sulforosa de Poços é indicada para diversas doenças: inflamações, nevralgias, doenças de pele, bronquite, asma, gastrites, úlcera, prisão de ventre, reumatismo, dermatites e muitas outras. No entanto, assim como remédios, a água possui contra-indicações. Não deve ser usada por pacientes com processos infecciosos, insuficiência hepática aguda e processos inflamatórios severos.


Além da água, outra especialidade poço-caldense são os cristais criados no mesmo estilo dos artesãos da ilha de Murano, em Veneza, na Itália. O pioneiro na arte com vidros na cidade mineira foi o italiano Mário Seguso. Em 1965, ele abriu a loja Ca D?oro e ensinou a técnica milenar para fazer cristais a seus aprendizes. Desde então, virou uma dos principais atrativos da cidade. Como os cristais são feitos a mão, uma peça nunca é igual à outra. Hoje, além da comercialização, pode-se assistir ao vivo ao processo de produção dos vidros dentro da própria loja.


Em Poços de Caldas, qualquer fim de semana vale uma visita. O município fica a cerca de 240 quilômetros de São Paulo (SP) e, apesar de estar em Minas Gerais, recebe mais turistas paulistas. O ideal é curtir a cidade ao menos por três dias para aproveitar com calma. A altitude proporciona temperaturas baixas em julho. É o mês da alta temporada. Os hotéis ficam cheios e temperatura pode chegar a -2o C. Clima ótimo para um vinho, uma sauna nas termas ou um passeio bem agasalhado pela praça central. Em Poços, o que não faltam são bons ? e tranquilos - programas.

 

 

NO UOL

Ecoviagem
Conheça a cidade de Poços de Caldas

 

City Brazil
Conheça a cidade de Poços de Caldas

 

Roteiros Incríveis
Águas sulfurosas e clima tranquilo são atrações em Poços de Caldas

 

PORTAIS REGIONAIS

Prefeitura de Poços de Caldas
www.pocosdecaldas.mg.gov.br

 

Portal Poços de Caldas
www.pocosnarede.com

Atualizado em Setembro de 2011
  • - Guia de Viagem
  • UOL Viagem
Compartilhe
Imprimir
Comunicar erro