Roberto Jayme/UOL
Morro Cabeludo é conhecida formação rochosa vista na trilha que leva ao Pico dos Pireneus Roberto Jayme/UOL

Colonial, cidade goiana de Pirenópolis preserva tradições, cachoeiras e fazendas

Mergulhar nas cachoeiras que se espalham por esta terra maravilhosa é algo irresistível e necessário. O calor é impiedoso e seco, mas a natureza, generosa. O ponto de partida é a cidade de Pirenópolis. No coração do Brasil, ela preserva seu casario colonial, costumes e tradições que remontam ao inicio do século 18.
 
A pé, de mountain bike ou jipe, é possível conhecer o grande elenco de piscinas e quedas d'água cristalinas. E, naturalmente, baixar a voltagem que trazemos das grandes cidades. Para chegar às atrações, o caminho já vale a viagem: a vegetação de arbustos retorcidos, típica do cerrado, serve de moldura. E o solo, rico em depósitos minerais como o cristal de quartzo, brilha ao sol.
 
Não é difícil cruzar com um tamanduá-bandeira ou uma seriema distraída, pois eles fazem parte do cenário. Quando se ouve um canto rouco de pássaro e o mesmo tiver um jeito particularmente desengonçado de voar, pode ter certeza de que é um dos muitos tucanos do pedaço. A flora, apesar de castigada sem trégua pelo sol, resiste bravamente e se descortina numa infinidade de cores, formas e frutos.
 
As descobertas de ouro pelos bandeirantes trouxeram os primeiros colonos à região. Em 1727, surgem as Minas de Nossa Senhora do Rosário de Meia Ponte. É chamada de assim porque metade de sua ponte (sobre o rio das Almas) foi levada por uma enchente. Só a partir de 1890, passou a se chamar Pirenópolis, por estar próxima (distante 22 km) da serra dos Pirineus, que abriga o parque estadual de mesmo nome.
 
À exemplo do que aconteceu em outras cidades coloniais brasileiras, depois do apogeu do ciclo minerador do ouro, a cidade entrou em decadência econômica, o que ajudou a preservar casarões e igrejas praticamente intactos. Em 1989, foi tombada pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e, a partir de 1997, iniciaram-se projetos de restauração nos principais monumentos do centro histórico.
 

Atrações em destaque

Dicas de quem já foi

Cursos Online
UOL Cursos Online

Calendário de eventos

mai

Festival Gastronômico de Pirenópolis

Durante quatro dias, reúne na cidade renomados chefs de Goiás e outros estados, com menus especiais nos restaurantes participantes. Realizado anualmente desde 2003 na Praça da Arte e Gula (montada próxima à Igreja Matriz), onde há estandes com as especialidades locais e são ministradas oficinas de cozinha goiana. Tem data móvel.

jun

Cavalhadas e Mascarados

É durante a Festa do Divino que todos os anos, desde 1819, são encenadas as Cavalhadas, manifestação folclórica que representa as batalhas travadas entre mouros e cristãos. O evento é tão paramentado e tradicional que um grupo foi convidado para apresentações na França em 2005, ano em que o Brasil foi homenageado em diversas frentes naquele país. São três dias de encenação, que acontecem durante a festa do Divino, que por sua vez chega a durar 23 dias. Tem data móvel e acontece 45 dias depois da Páscoa.

jun

Pastorinhas

Encenação teatral natalina, embora seja realizada durante a festa do Divino (entre os meses de maio e junho).

jul

Festa do Morro

Romaria que desde 1927 acontece na lua cheia do mês de julho, quando os devotos carregam uma imagem da Santíssima Trindade da cidade até a capela do Pico dos Pireneus, por cerca de 20 km.



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos